sábado, 21 de outubro de 2017

XX Domingo Depois de Pentecostes: "Vai, diz Nosso Senhor, teu filho vive." (Ev.)

[centuriao.jpg]


As lições que estes se leem no Ofício divino são tiradas quase todas do livro dos Macabeus. Depois do cativeiro da Babilônia, o povo de Deus tinha voltado a Jerusalém e reconstruído o templo. Os primeiros anos foram de paz. A mão de Deus, porém, não tardou a pesar sobre este povo de "cabeça dura", em conseqüência de novas e lamentáveis infidelidades. Antíoco Epifânio, com efeito apoderou-se de Jerusalém, saqueou a cidade e o templo, e decretou a abolição do judaísmo sob toda a extensão do império. Ergueram-se numerosos alteres aos ídolos e o número de apóstatas cresceram de forma tão assustadora, que parecia que ia desaparecer da face da terra a fé dos profetas de Israel. Deus, porém, esperava o momento oportuno para mostrar mais uma vez a este povo ingrato que, embora às vezes a mãe esquece o filho, ele nunca o esqueceria. Com efeito o sacerdote Matias reuniu um pequeno exército liderado pelo seu filho Judas Macabeu, que iria desviar o rumo dos acontecimentos e acender na alma dos velhos patriotas a chama fulgurante dos dias gloriosos. Esse punhado de homens decididos, rápidos como os abutres e Implacáveis como o Espírito de Deus, derrotaram o exército de Antíoco e restauraram nas terras de Israel o culto ao Verdadeiro Deus.


Todas as partes da missa exprimem sentimentos semelhantes. O gradual por exemplo: "Todos os olhos se levantaram para vós, Senhor, Cheios de Esperança", traduz perfeitamente o sentido daquela oração tão bela: " O nosso olhar voltou-se para vós, Senhor, não nos deixe perecer". O ofertório, um dos versículos mais sentidos referentes ao cativeiro, revela-nos bem o estado de espírito dos Macabeus perante o templo profanado. Finalmente o Introito  depois de dizer que o povo de Deus foi castigado, por causa dos seus crimes, pede ao senhor que mostre a sua misericórdia e glorifique o seu nome. Façamos estes, os nossos pensamentos. Reconheçamos que os males que sofremos são provenientes de nossa infidelidade à vontade divina, e roguemos também ao senhor que se compadeça de nós, que nos perdoe e nos una, para que o sirvamos em paz e glorifiquemos o seu nome.



Epístola

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios (5, 15-21). Irmãos: Vigiai, pois, com cuidado sobre a vossa conduta: que ela não seja conduta de insensatos, mas de sábios que aproveitam ciosamente o tempo, pois os dias são maus. Não sejais imprudentes, mas procurai compreender qual seja a vontade de Deus. Não vos embriagueis com vinho, que é uma fonte de devassidão, mas enchei-vos do Espírito. Recitai entre vós salmos, hinos e cânticos espirituais. Cantai e celebrai de todo o coração os louvores do Senhor. Rendei graças, sem cessar e por todas as coisas, a Deus Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo! Sujeitai-vos uns aos outros no temor de Cristo.






Evangelho de Domingo:



Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João (4, 46-53): Naquele tempo: Havia então em Cafarnaum um oficial do rei, cujo filho estava doente. Ao ouvir que Jesus vinha da Judeia para a Galileia  foi a ele e rogou-lhe que descesse e curasse seu filho, que estava prestes a morrer. Disse-lhe Jesus: Se não virdes milagres e prodígios, não credes... Pediu-lhe o oficial: Senhor desce antes que meu filho morra! Vai, disse-lhe Jesus, o teu filho está passando bem! O homem acreditou na palavra de Jesus e partiu. Enquanto ia descendo, os criados vieram-lhe ao encontro e lhe disseram: Teu filho está passando bem. Indagou então deles a hora em que se sentira melhor. Responderam-lhe: Ontem à sétima hora a febre o deixou. Reconheceu o pai ser a mesma hora em que Jesus dissera: Teu filho está passando bem. E creu tanto ele como toda a sua casa.

sábado, 14 de outubro de 2017

XIX Domingo Pós Pentecostes “Como entraste aqui, não tendo a veste nupcial?” (Evan.)'





É por estes dias (no primeiro Domingo de Outubro) que a Igreja lê no Oficio divino a história de Ester. Julgamos, pois que vem a propósito. Conforme a nossa intenção de rever o oficio a Igreja as figura do Antigo Testamento e de estudar a luz do Breviário e do Missal. a liturgia destes Domingo! Depois de Pentecostes. Julgamos que vem a propósito falar hoje de Ester Assuero, rei dos Persas, tinha-se casado com uma donzela judia chamada. Ester. Sobrinha de ardoqueu. Nomeara por outro lado intendente do Palácio o amalecita Amam, muito conhecido pelo ódio que alimentava contra os Judeus. Invejoso da preponderância que 08 Judeus, por intermédio de Mardoqueu e de Ester, exerciam no ânimo do monarca, o amalecita convenceu o rei de que os Judeus conspiravam contra a paz do reino, e fez levantar em todo o pais as forcas para as execuções. Ester então, violando o decreto preventivo do tirano, de que ninguém se aproximasse dele naquele; dias, entrou à sua presença e lamentou que ela e o seu povo fossem entregues assim ao extermínio. Conhecendo Assuero por este meio que Ester era judia e sobrinha de Mardoqueu, perguntou irritado: “ e quem ousa falar isso?”E então Ester respondeu: “O nosso inimigo, o cruel Amam”. Então o rei, enfurecido contra o ministro, mandou revogar o decreto promulgado contra os Judeus, e suspender Amam na mesma forca que ele preparara para Mardoqueu. Assim salvou Ester o seu povo. Isto mostra como Deus vigia por aqueles que esperavam nele. E as coisas ainda não mudaram “Eu sou salvação do povo, diz o Senhor, e se ele chamar por Mim, ouvi-lo-ei”. Quando a tribulação me oprimia, Vós, Senhor, dáveis-me coragem, e contra a cólera dos meus inimigos levantáveis a Vossa mão direita. Amam, que Assuero condenou tão severamente, é como aquele homem


do Evangelho que entrou no banquete sem a veste nupcial,e que o rei condenou às trevas exteriores. Deus tratará assim também todos os que, pertencendo ao corpo d a Igreja pela fé do Batismo, entraram na sala do banquete sem a veste das virtudes cristãs. Falta-lhes na alma a graça vivificante. São estranhos nas assembléias dos vivos. E é aqui visado particularmente o grande preceito da caridade: Rejeitando a mentira, digam todos a verdade a respeito do seu próximo. São membros uns dos outros. Que o Sol se Dão ponha sobre a vossa cólera. Os que não cumprirem este preceito serão lançados pelo juiz soberano nas trevas do Inferno, onde haverá pranto e ranger de dentes. Assuero encolerizado mandou prender Amam. “O rei, diz O Evangelho. Encolerizou-se e enviou três. seus assassinos para exterminar os assassinos e lhes queimar a cidade . “Mais dum milhão de Judeus morreu no cerco de Jerusalém. A cidade foi destruída e o Templo incendiado Amam foi substituído por Mardoqueu. Os convidados das núpcias foram substituídos pelos; que. se encontravam nas estradas e nas encruzilhadas e nos caminhos. Os Judeus foram substituídos pelos pagãos. Foi para estes últimos que os Apóstolos cheios do Espírito Santo se voltaram no dia de Pentecostes. E no juízo final, que estes domingos Simbolizam, serão promulgadas as sentenças definitivas, núpcias eternas aos bons eternas, e os pecadores serão lançados nas trevas exteriores.

 Epístola do Domingo:

Leitura de São Paulo Apóstolo aos Efésios (4, 23-28) - Irmãos: revesti-vos do homem novo, criado à imagem de Deus, em verdadeira justiça e santidade. Por isso, renunciai à mentira. Fale cada um a seu próximo a verdade, pois somos membros uns dos outros. Mesmo em cólera, não pequeis. Não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento. Não deis lugar ao demônio. Quem era ladrão não torne a roubar, antes trabalhe seriamente por realizar o bem com as suas próprias mãos, para ter com que socorrer os necessitados.


Leitura do Evangelho:


Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 22, 1-14): Naquele tempo: Jesus tornou a falar-lhes por meio de parábolas: O Reino dos céus é comparado a um rei que celebrava as bodas do seu filho. Enviou seus servos para chamar os convidados, mas eles não quiseram vir. Enviou outros ainda, dizendo-lhes: Dizei aos convidados que já está preparado o meu banquete; meus bois e meus animais cevados estão mortos, tudo está preparado. Vinde às bodas! Mas, sem se importarem com aquele convite, foram-se, um a seu campo e outro para seu negócio. Outros lançaram mãos de seus servos, insultaram-nos e os mataram. O rei soube e indignou-se em extremo. Enviou suas tropas, matou aqueles assassinos e incendiou-lhes a cidade. Disse depois a seus servos: O festim está pronto, mas os convidados não foram dignos. Ide às encruzilhadas e convidai para as bodas todos quantos achardes. Espalharam-se eles pelos caminhos e reuniram todos quantos acharam, maus e bons, de modo que a sala do banquete ficou repleta de convidados. O rei entrou para vê-los e viu ali um homem que não trazia a veste nupcial.  Perguntou-lhe: Meu amigo, como entraste aqui, sem a veste nupcial? O homem não proferiu palavra alguma. Disse então o rei aos servos: Amarrai-lhe os pés e as mãos e lançai-o nas trevas exteriores. Ali haverá choro e ranger de dentes. Porque muitos são os chamados, e poucos os escolhidos.
Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

12 DE OUTUBRO, SOLENIDADE DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA PRINCIPAL PADROEIRA E RAINHA DO BRASIL









Desde o descobrimento do Brasil cultiva-se  aqui a  devoção de Nossa  Senhora. Os portugueses descobridores do país tinham-na aprendido e usado desde a  infância; os primeiros  missionários  recomendavam e propagavam-na. Aonde se fundavam cidades, construíram-se igrejas em honra de Nossa Senhora Aparecida e celebravam-se com grandes solenidades as  suas festas. Foi certamente em recompensa desta constante devoção que a Virgem Santíssima quis  estabelecer no Brasil um centro de  sua  devoção, um trono de graças, um santuário em nada inferior aos grandes  santuários de  outros países.



                            Data  o ano  de  1717 a  origem da  romaria de  Nossa  Senhora  Aparecida.  Três pescadores, de nome  Domingos  Garcia, João Alves e Felipe Pedroso, moradores  nas margens do rio Paraíba, no município de Guaratinguetá/SP,  estavam um dia  pescando em suas canoas, sem conseguir durante longas horas pegar peixe algum.  Lançando João Alves mais uma vez a  sua rede na altura do Porto de  Itaguaçu, retirou das águas o corpo de uma  imagem, mas sem cabeça e,  lançando mais abaixo de novo a  rede, colheu também a cabeça. Envolveu-a  em um pano e continuou a pesca. Desde aquele momento foi tão abundante a  pescaria, que  em poucos lances encheram as canoas e tiveram de suspender o trabalho para não naufragarem.  Eram certamente extraordinários  esses fatos:  O encontro da imagem, da qual nunca se soube que  a  tivesse  atirado à água, o encontro da cabeça a  qual naturalmente devia ser arrastada mais  longe pela  correnteza da água, e  além disto dificilmente podia ser colhida em rede de  pescador,  enfim, a  pesca abundante que seguiu o  encontro da imagem. Os pescadores limparam, pois, com grande  cuidado e respeito a misteriosa  figura e  com grande satisfação verificaram que era uma imagem de Nossa  Senhora da Conceição. Colocaram-na no oratório de  sua pobre morada e  diante dela  começaram a  fazer suas devoções  diárias. 



                           Não tardou a Virgem Santíssima a  mostrar por novos sinais que tinha escolhido essa  imagem  para distribuir favores especiais aos seus devotos. Diversas vezes as pessoas  que à noite faziam diante dela as  suas orações, viam luzes de repente apagadas e depois de um pouco reacendidas sem nenhuma intervenção humana. Logo, já não eram somente os pescadores os  que vinham rezar  diante da imagem, mas também muitas outras pessoas das vizinhanças. Construiu-se dentro em pouco um oratório e após alguns anos,  com a intervenção do  vigário da paróquia, uma capelinha. As graças que Nossa Senhora ali concedia aumentavam e  com elas  cresceu a concorrência do povo. Impunha-se a  construção de uma capela maior,  e em lugar mais elevado.   Estava ali perto o Morro dos Coqueiros, o mais vistoso de todos os  altos que margeiam o Paraíba. Ali, pois,  no cume do morro foi começada em 1743 a  construção de uma capela espaçosa, a qual foi terminada em 1745; no dia 26 de julho foi benta e celebrou-se nela a  primeira Missa. A imagem de Nossa Senhora da Conceição, já  então chamada por todos de Aparecida, estava em seu lugar definitivo e o morro que escolheu para fixar sua residência, tomou por ela seu nome. 



                           Aparecida tornou-se  desde então conhecida  pelos  Estados vizinhos e  por todo o Brasil. Numerosas caravanas de  romeiros vinham  mesmo de grandes  distâncias, em viagens penosas de  dias e semanas  para visitarem Nossa Senhora Aparecida, lhe renderem graças  e pedirem proteção.  O nome de Nossa Senhora  sempre foi no Brasil por todos invocado em momentos  de  aflição e perigo e sua  devoção é praticada em quase  todas as casas. 



                           A capela de  Nossa  Senhora Aparecida, durante o tempo,  foi por diversas  vezes reformada, tornou-se  igreja até chegar a  atual basílica. A partir de 1894, o prelado constatou número insuficiente de sacerdotes e por isso obteve a  vinda de religiosos  da Congregação Redentorista que passaram a exercer a  direção espiritual da igreja e  das romarias. 



                          Novo progresso  trouxe o ano jubilar de 1900, em que por iniciativa do bispo do Rio de Janeiro e do Bispo de São Paulo, foram organizadas peregrinações diocesanas e  paroquiais  ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida.  Desde então, além dos romeiros que vem sós ou em pequenos grupos, chegam anualmente em Aparecida numerosas  peregrinações chefiadas  pelo respectivo bispo ou vigário, contando com milhares de romeiros  vindos de  todos os  pontos do Brasil. 



                           Um grande  dia foi  para os devotos de  Nossa Senhora Aparecida  o dia 08 de  setembro de  1904  (dia de Nossa Senhora da  Imaculada Conceição),  em que a imagem  foi coroada por ordem do Santo Padre.  Assistiram à grande solenidade o Núncio Apostólico e  todo o  episcopado de diversas  regiões do Brasil, além  do presidente da República, através de seu representante.  Todo o episcopado e o povo fizeram solene  consagração a  Nossa  Senhora Aparecida com entusiásticas ovações a Nossa Senhora no momento de  sua  coroação.



                           Depois da coroação, o Santo Padre concedeu ao santuário de  Aparecida  mais outros favores: Ofício e missa própria de Nossa Senhora  Aparecida, indulgências  para os romeiros que vem em peregrinação  ao Santuário. Em 1908 elevou a Igreja de Nossa Senhora à dignidade de Basílica. Por esse motivo ela foi solenemente sagrada a  5 de setembro de 1909 e no ano seguinte foram nela depositados os ossos de São Vicente Mártir, trazidos de Roma com permissão do Papa. 



                           Nas festas e no congresso sempre se manifestou o desejo que Nossa Senhora Aparecida  fosse declarada oficialmente padroeira do Brasil e  o episcopado apresentou este desejo ao Santo Padre.  Acolheu o Papa Pio XI   favoravelmente os pedidos  dos  bispos e  dos católicos  do Brasil e, por decreto de 16 de julho de  1930 proclamou a  Virgem Aparecida Padroeira principal de todo o Brasil.



                           Em 1967,  ao completar-se  250 anos da devoção, o Papa Paulo VI ofereceu ao Santuário o Título de “Rosa de Ouro”,  reconhecendo a  importância da santa devoção.



                           Em 04 de julho de 1980,  o Papa João Paulo II, em sua histórica visita ao Brasil, consagrou  a Basílica de Nossa Senhora Aparecida em solene missa celebrada, revigorando a devoção à Santa Maria, Mãe de Deus.



                           No mês de maio de 2004,  o Papa João Paulo II concedeu indulgências aos devotos de Nossa Senhora Aparecida, por ocasião das comemorações do centenário da coroação da imagem e proclamação de Nossa Senhora como Padroeira do Brasil .



Fonte: Página do Oriente




Descrição histórica da Imagem de Nossa Senhora Aparecida



A Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida que foi encontrada no rio Paraíba na segunda quinzena de outubro de 1717, é de terracota, isto é, argila que, depois de modelada, é cozida em forno apropriado, medindo 40 centímetros de altura. Hipoteticamente, ela teria, originalmente, uma policromia, como era costume na época, mas não há documentos que comprovem. Quando foi pescada, o corpo estava separado da cabeça e, muito provavelmente, sem a policromia original, devido aos anos em que esteve mergulhada nas águas e no lodo do rio. A cor acanelada com que, hoje, é conhecida ,deve-se ao fato de ter sido exposta, durante anos, ao picumã das chamas das velas e dos candeeiros. Seu estilo é seiscentista, como atestam alguns especialistas que a estudaram. Entre os que confirmam ser a Imagem do Século XVII estão o Dr. Pedro de Oliveira Ribeiro Neto, os monges beneditinos do mosteiro de São Salvador, na Bahia, Dom Clemente da Silva Nigra e Dom Paulo Lachenmayer.


Finalmente, em 1978, após o atentado que a reduzira em quase duzentos fragmentos, foi encaminhada ao Prof. Pietro Maria Bardi – na época diretor do Museu de Arte de São Paulo – que a examinou, juntamente com o Dr. João Marinho, colecionador de imagens brasileiras.
Foi totalmente reconstituída pela artista plástica Maria Helena Chartuni, na época, restauradora do Museu de Arte de São Paulo. Ainda conforme estudos dos peritos mencionados, a Imagem foi moldada com argila paulista, da região de Santana do Parnaíba, situada na Grande São Paulo. O mais difícil foi determinar o autor da pequena imagem, pois não está assinada ou datada. Assim, após um estudo comparativo, os peritos chegaram à conclusão de que se tratava de um escultor, discípulo do monge beneditino Frei Agostinho da Piedade, e também seu colega de Ordem, Frei Agostinho de Jesus. Caracterizam seu estilo: forma sorridente dos lábios, queixo encastoado, tendo, no centro, uma covinha; penteado, flores em relevo, nos cabelos, broche de três pérolas na testa e porte empinado para trás. Todos estes detalhes se encontram na Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, e, por isso, concluíram os peritos, Dom Clemenente da Silva Nigra e Dom Paulo Lachenmayer, que a Imagem foi esculpida pelo monge beneditino Frei Agostinho de Jesus.
A partir de 8 de setembro de 1904, quando foi coroada, a imagem passou a usar, oficialmente, a coroa ofertada pela Princesa Isabel, em 1884, bem como o manto azul-marinho.




Consagração a Nossa Senhora Aparecida:

Ó Maria Santíssima, que em vossa Imagem milagrosa de Aparecida espalhais inúmeros benefícios sobre o Brasil, eu, embora indigno de pertencer ao número dos vossos servos, mas desejando participar dos benefícios da vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis. Consagro-vos a língua, para que sempre vos louve e propague a vossa devoção. Consagro-vos o coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas. Recebei-nos, ó Rainha incomparável, no ditoso número dos vossos servos. Acolhei-nos debaixo da vossa proteção. Socorrei-nos em nossas necessidades espirituais e temporais e, sobretudo, na hora da nossa morte. Abençoai-nos, ó Mãe Celestial, e com vossa poderosa intercessão fortalecei-nos em nossa fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possamos louvar-vos, amar-vos e render-vos graças no céu, por toda eternidade. Assim seja.


Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Salvai o Brasil da dominação protestante e Neopagã!

Novena em honra de Nossa Senhora da Conceição Aparecida: 9º e último dia da novena em honra da Padroeira do Brasil




Jesus disse: Amai-vos uns aos outros como assim vos amei (Jo 15,12). E sua mãe disse: Fazei tudo o que ele vos disser! (Jo 2,5). Essas duas mensagens devem estar gravadas em nossos corações para que tenhamos a certeza de nossa missão de batizados. As devoções a Virgem devem está em acordo com as diretrizes e normas da Igreja. As devoções que fogem da regra e que tomam um caráter supersticioso devem ser banidas. Elas em si desagradam a Deus e também a própria Virgem. Lembremos, para quem conhece a história da Virgem do Carmo, que Nossa Senhora alertou para os fiéis que usam sua devoção de formar incorreta. A Virgem vem guiando seus filhos para que se tornem santos. Nossa vocação primordial é ser santo. Por isso peçamos a intercessão de Nossa Senhora Aparecida para que destrua nossos vícios, nossos medos, nossas misérias. Que Deus faça brotar em nossos corações o espírito de lealdade e apostolado para seu santo serviço e de sua Igreja.

Oração: Ó Virgem, dentre todas a escolhida para ser a mãe de Deus. Digo-vos o Mãe querida que eu jamais mereci e mereço o vosso auxílio, mas porém neste mesmo instante e sempre afirmarei que sempre de ti necessito. Amém.


Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória-ao-Pai...



Consagração a Nossa Senhora:

Ó Maria Santíssima, que em vossa Imagem milagrosa de Aparecida espalhais inúmeros benefícios sobre o Brasil, eu, embora indigno de pertencer ao número dos vossos servos, mas desejando participar dos benefícios da vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis. Consagro-vos a língua, para que sempre vos louve e propague a vossa devoção. Consagro-vos o coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas. Recebei-nos, ó Rainha incomparável, no ditoso número dos vossos servos. Acolhei-nos debaixo da vossa proteção. Socorrei-nos em nossas necessidades espirituais e temporais e, sobretudo, na hora da nossa morte. Abençoai-nos, ó Mãe Celestial, e com vossa poderosa intercessão fortalecei-nos em nossa fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possamos louvar-vos, amar-vos e render-vos graças no céu, por toda eternidade. Assim seja.

Ladainha de Nossa Senhora:

Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, ouvi-nos.

Jesus Cristo, atendei-nos.

Pai Celeste que sois Deus, tende piedade de nós.

Filho Redentor do mundo que sois Deus, tende piedade de nós.

Espírito Santo que sois Deus, tende piedade de nós.

Santíssima Trindade que sois um só Deus, tende piedade de nós

Santa Maria, rogai por nós.

Santa Mãe de Deus,

Santa Virgem das virgens,

Mãe de Jesus Cristo,

Mãe da divina graça,

Mãe puríssima,

Mãe castíssima,

Mãe Imaculada,

Mãe intemerata,

Mãe amável,

Mãe admirável,

Mãe do bom conselho,

Mãe do Criador,

Mãe do Salvador,

Virgem prudentíssima,

Virgem venerável,

Virgem louvável,

Virgem poderosa,

Virgem clemente,

Virgem fiel,

Espelho de justiça,

Sede da sabedoria,

Causa da nossa alegria,

Vaso espiritual,

Vaso digno de honra,

Vaso insigne de devoção,

Rosa mística,

Torre de David,

Torre de marfim,

Casa de ouro,

Arca da aliança,

Porta do Céu,

Estrela da manhã,

Saúde dos enfermos,

Refúgio dos pecadores,

Consoladora dos aflitos,

Auxílio dos cristãos,

Rainha dos Anjos,

Rainha dos Patriarcas,

Rainha dos Profetas,

Rainha dos Apóstolos,

Rainha dos Mártires,

Rainha dos Confessores,

Rainha das Virgens,

Rainha de todos os santos,

Rainha concebida sem pecado original,

Rainha assunta ao Céu,

Rainha do sacratíssimo Rosário,

Rainha da Paz,

Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos Senhor.

Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos Senhor.

Cordeiro de Deus que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.

V/ Rogai por nós, santa Mãe de Deus.

R/ Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
 


Oremos. Senhor Deus, nós Vos suplicamos que concedais aos Vossos servos perpétua saúde de alma e de corpo; e que, pela gloriosa intercessão da bem-aventurada sempre Virgem Maria, sejamos livres da tristeza do século e gozemos da eterna alegria. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Novena em honra de Nossa Senhora da Conceição Aparecida: 8º dia, intercessora pelo Brasil




Nós temos a infelicidade de ver em nosso país que o número de católicos teve uma enorme queda principalmente na última década. Vemos as famílias desestruturadas pelo divórcio que brota de casamentos sem base sólida. Vemos leis que são aprovadas que desafiam as leis divinas e a moral e ética da população decente deste país. Vemos uma igreja com representantes que não estão a sua altura, a escandalizar os pequeninos. A pornografia e a prostituição que ganham espaço. Uma sociedade violenta e longe dos princípios morais e do exercício da santa religião que predominou por muitos anos. A Senhora Aparecida lamenta que o Brasil que ela encontrou há mais de 200 anos já não é o mesmo. Ao invés de progredir o país regrediu a um ideal de vida pagã. Uma sociedade que destruiu os valores morais e ignora a inocência e a pureza tão zelado pela padroeira. Tão dessacralizado e longe do evangelho que um herege ousou e quebrou sua santa imagem. E por qual motivo a Senhora que operou tantos milagres não reagiu? Deus permitiu essa atrocidade com que propósito? A Virgem padroeira do Brasil parece está desapontada com os rumos dos descendentes que a nomearam Padroeira do Brasil. Sua missão é trazer os perdidos a luz. Mas parece que os perdidos preferem caminhar rumo a um caminho torto guiados pelo seu egoísmo e sua soberba.

Oração: Senhora e Mãe Aparecida reinai sobre o Brasil. Destrui a tudo que se opõe a Jesus e sua Igreja. Convertei os que estão nas trevas da heresia, do ateísmo e de outras correntes anticristãs. Para que um dia faça brilhar sobre o Brasil a luz da verdadeira fé. Amém.

Maria Helena Chartuni

Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória-ao-Pai...



Consagração à Nossa Senhora Aparecida:

Ó Maria Santíssima, que em vossa Imagem milagrosa de Aparecida espalhais inúmeros benefícios sobre o Brasil, eu, embora indigno de pertencer ao número dos vossos servos, mas desejando participar dos benefícios da vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis. Consagro-vos a língua, para que sempre vos louve e propague a vossa devoção. Consagro-vos o coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas. Recebei-nos, ó Rainha incomparável, no ditoso número dos vossos servos. Acolhei-nos debaixo da vossa proteção. Socorrei-nos em nossas necessidades espirituais e temporais e, sobretudo, na hora da nossa morte. Abençoai-nos, ó Mãe Celestial, e com vossa poderosa intercessão fortalecei-nos em nossa fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possamos louvar-vos, amar-vos e render-vos graças no céu, por toda eternidade. Assim seja.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Novena em honra de Nossa Senhora da Conceição Aparecida: 7º dia, a sala dos milagres

Uma das obras que mais chama a atenção dos devotos, realmente é a sala dos milagres. Onde devotos de todo o país deixam lembranças das graças alcançadas. É óbvio que nem todos deixam lembranças, creio que se assim o fizessem todos, não haveria espaço para tantas demonstrações de fé e devoção. Deus opera nos seus santo para demonstrar que sua palavra é viva e verdadeira. Deus acompanha sua Igreja e à acompanhará até os dias finais. Por isso Nossa Senhora ao operar milagres, além de demonstra o imenso poder e bondade do criador, pede que sejamos fiéis aos mandamentos de seu amado Filho. Sejamos fiéis para conquistarmos o prêmio dado aos santos e vencedores, a glória celeste.

Oração: Ó Senhora Aparecida, vós que operais inúmeros milagres sendo um instrumento poderoso nas mãos de Deus, pedi ao Senhor que tende piedade de todos nós. Rogai a Deus para que não olhe nossos pecados, já que, por sermos pecadores nada merecemos. Amém.

Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória-ao-Pai...



Consagração à Nossa Senhora Aparecida:

Ó Maria Santíssima, que em vossa Imagem milagrosa de Aparecida espalhais inúmeros benefícios sobre o Brasil, eu, embora indigno de pertencer ao número dos vossos servos, mas desejando participar dos benefícios da vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis. Consagro-vos a língua, para que sempre vos louve e propague a vossa devoção. Consagro-vos o coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas. Recebei-nos, ó Rainha incomparável, no ditoso número dos vossos servos. Acolhei-nos debaixo da vossa proteção. Socorrei-nos em nossas necessidades espirituais e temporais e, sobretudo, na hora da nossa morte. Abençoai-nos, ó Mãe Celestial, e com vossa poderosa intercessão fortalecei-nos em nossa fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possamos louvar-vos, amar-vos e render-vos graças no céu, por toda eternidade. Assim seja.

domingo, 8 de outubro de 2017

Novena em honra de Nossa Senhora da Conceição Aparecida: 6º dia, Promessas e votos

Há muitos fiéis devotos de Nossa Senhora que realizam orações, canções e outras homenagens em honra da Padroeira para agradecer uma ou mais graças obtidas por meio de sua Intercessão. Jesus é o único mediador entre o Pai e homens, isso é dogma de fé. Maria Santíssima é a mediadora entre os homens e Jesus seu filho, como nos apresenta o evangelista na passagem: (Jo 2, 1-11; Ap 5,8; 8,3-4).

Maria Santíssima foi agraciada por Deus por ter sido serva fiel, e por isso pedimos sua intercessão junto a Nosso Senhor Jesus Cristo para nossas necessidades materiais e espirituais. Por gozar da visão beatífica de Deus a Virgem a todo instante do seu céu intercede pelos seus filhos.


Oração: Ó virgem mãe de Aparecida, vós que gozais da visão beatífica de Deus, pedi ao mesmo Senhor para que nos livre da cegueira espiritual, para assim enxergarmos que a verdadeira felicidade se encontra no Céu e não na vida terrena. Amém.




Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória-ao-Pai...

Consagração à Nossa Senhora Aparecida:

Ó Maria Santíssima, que em vossa Imagem milagrosa de Aparecida espalhais inúmeros benefícios sobre o Brasil, eu, embora indigno de pertencer ao número dos vossos servos, mas desejando participar dos benefícios da vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis. Consagro-vos a língua, para que sempre vos louve e propague a vossa devoção. Consagro-vos o coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas. Recebei-nos, ó Rainha incomparável, no ditoso número dos vossos servos. Acolhei-nos debaixo da vossa proteção. Socorrei-nos em nossas necessidades espirituais e temporais e, sobretudo, na hora da nossa morte. Abençoai-nos, ó Mãe Celestial, e com vossa poderosa intercessão fortalecei-nos em nossa fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possamos louvar-vos, amar-vos e render-vos graças no céu, por toda eternidade. Assim seja.

sábado, 7 de outubro de 2017

XVIII Domingo Depois de Pentecostes: "Meu filho, teus pecados te são perdoados". (Ev.)




Este domingo que vem a seguir ao Sábado das Têmporas de Setembro, era a princípio vacante. A liturgia da vigília prolongava-se com efeito até de manhã, de maneira que não sobrava tempo para os ofícios dominicais. As lições que se lêem no ofício são do livro de Judite. Todos conhecem a história desta mulher famosa que salvou a Judéia, cortando a cabeça de Holofernes, general dos exércitos Assírios. Holofernes, enviado por Nabucodonosor para conquistar a Palestina, tinha cercado Betúlia. Vencidos pela fome e pela sede, os sitiados tinham deliberado render-se, quando Judite apareceu a encorajá-los. Façamos penitência, dizia, e imploremos o perdão de Deus, porque estes flagelos com que nos castiga são para nos corrigir e não para nos perder. Depois, quando veio a tarde, vestiu-se com as suas melhores galas e fez-se introduzir no acampamento dos inimigos, sob o pretexto de lhes entregar a cidade. E elevada à presença de Holofernes, o general, seduzido pela sua beleza, recebeu-a com grande contentamento e ordenou que em sua honra, se preparasse um banquete.


A Igreja ao recordar as sete dores de Maria Santíssima, aplica-lhes o canto que se ouviu em Israel, quando Judite livrou o povo eleito. Maria é com efeito a nova Judite que decepa a cabeça do general assírio, do dragão infernal. Nestes dias lê a Igreja no Ofício divino estas passagens gloriosas da epopéia israelita, que são figuras do que mais tarde havia de acontecer numa ordem espiritual e mais elevada. A libertação do povo judeu da sujeição assíria, levada a efeito por Judite, representa a libertação humanidade operada por Jesus. É muito oportuna esta missa nesta época de Têmporas, que são tempos de perdão, por sê-lo de penitência em que Deus se deixa aplacar e vencer dos pobres mortais. Desse perdão e dessa paz consoladora, que se frue da casa do Senhor são legítimos dispensários os sacerdotes a quem Jesus concedeu o poder sublime de dizerem: "Os teus pecados te são perdoados". Os novos ungidos pelos Senhor serão encarregados também de pregar a palavra de Deus, de celebrar o Santo Sacrifício e de preparar por este modo a humanidade para se apresentar confiadamente diante do supremo juiz. É por este motivo, precisamente, que a Igreja insistirá durante estes domingos no pensamento da vinda do Senhor.


A epístola de hoje ( ICor 1,4-8) é também para meditar. Que contas tão estreitas não terá de prestar o cristão de tantas graças que recebe! E como dispensamos herança tão rica, como desperdiçamos tantas graças, os sacramentos, a pregação da palavra de Deus! Que contas serão as nossas?







Epístola do Domingo:

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Conrintios (ICor 1, 4-8) - Irmãos: Não cesso de agradecer a Deus por vós, pela graça divina que vos foi dada em Jesus Cristo. Nele fostes ricamente contemplados com todos os dons, com os da palavra e os da ciência, tão solidamente foi confirmado em vós o testemunho de Cristo. Assim, enquanto aguardais a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo, não vos falta dom algum. Ele há de vos confirmar até o fim, para que sejais irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo.




Evangelho de Domingo:
Continuação do Santo Evangelho segundo São Mateus: Naquele tempo: Subindo Jesus para uma pequena barca, tornou a passar o lago, e voltou para a sua cidade. E, eis que lhe apresentaram um paralítico, que jazia no leito. E, vendo Jesus a fé que eles tinham, disse ao paralítico: Filho, tem confiança, te são perdoados os pecados. E logo alguns dos escribas disseram no seu interior: Este blasfema. E, Jesus visto os seus pensamentos, disse: Porque pensais mal em vossos corações? Que é mais fácil dizer: te-são perdoados os pecados, ou dizer: Levanta-te e caminha? Pois, para que saibais que o filho do homem tem poder sobre a terra de perdoar os pecados: Levanta-te, disse então ao paralítico, toma o teu leito, e vai para tua casa. E ele levantou e foi para sua casa. E, vendo isto, as multidões temeram e glorificaram a Deus, que deu tal poder aos homens.

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

Novena em honra de Nossa Senhora da Conceição Aparecida: 5º dia, a devoção a Nossa Senhora Aparecida

Fonte: Padre Rodrigo Maria

A devoção de Nossa Senhora Aparecida começou com o encontro da pequena imagem da Virgem nas margens do rio Paraíba. Após os inúmeros milagres que se sucederam, acreditou-se então que tal imagem tivesse uma bênção especial divina. Deus que se utilizaria da imagem de sua mãe para pescar homens para sua Igreja. Sua devoção crescente até os dias atuais atestam que há uma riqueza espiritual entorno deste venerando ícone. Interessante pensar que uma imagem tão pequena e morena possa ter chegado a onde está. Somente com a intervenção divina e a ação do Espírito Santo que guia e rege a Igreja poderia tê-lo feito.

Oração: Ó Senhora da Conceição Aparecida, Mãe, Rainha e Padroeira do Brasil; olhai para os vossos filhos que nascestes sob vosso olhar e proteção. Guiai-nos com vossa poderosa intercessão para que livres do pecado possamos um dia contemplar a Deus face á face. Amém.
Sala dos Milagres


Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória-ao-Pai...


Consagração a Nossa Senhora Aparecida:

Ó Maria Santíssima, que em vossa Imagem milagrosa de Aparecida espalhais inúmeros benefícios sobre o Brasil, eu, embora indigno de pertencer ao número dos vossos servos, mas desejando participar dos benefícios da vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis. Consagro-vos a língua, para que sempre vos louve e propague a vossa devoção. Consagro-vos o coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas. Recebei-nos, ó Rainha incomparável, no ditoso número dos vossos servos. Acolhei-nos debaixo da vossa proteção. Socorrei-nos em nossas necessidades espirituais e temporais e, sobretudo, na hora da nossa morte. Abençoai-nos, ó Mãe Celestial, e com vossa poderosa intercessão fortalecei-nos em nossa fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possamos louvar-vos, amar-vos e render-vos graças no céu, por toda eternidade. Assim seja.