segunda-feira, 27 de setembro de 2010

INTRODUÇÃO AO CATECISMO ROMANO: O Símbolo dos Apóstolos



Os cristãos devem crer, em primeiro lugar, as verdades que os santos Apóstolos, guias e mestres da fé, inspirados pelo Espírito Santo, distribuíram nos doze artigos do Símbolo.



Tendo recebido de Deus a ordem de irem como seus embaixadores, pelo mundo inteiro, a pregar o evangelho a toda criatura, acharam os apóstolos que se devia compor uma fórmula de fé cristã.



Serviria esta para que todos tivessem a mesma crença e a mesma linguagem, e não houvesse separações entre os que foram chamados à unidade da fé, mas fossem todos perfeitamente no modo de pensar e de sentir.



Esta profissão de fé e esperança cristã, que acabavam de redigir, os apóstolos chamam lhe Símbolo, ou porque de forma das várias proposições que cada um deles apresentou, ou porque devia servir de santo-e-senha para identificar os desertores, os irmãos falsos e intrusos, adulterados do evangelho, e assim distingui-los daqueles que verdadeiramente tomavam um santo compromisso na milícia de Cristo.



Muitas das verdades que a religião propõe aos fiéis, com a obrigação de aceitá-las numa fé inabalável, quer cada uma delas em particular, quer todas em seu conjunto.



Mas a primeira verdade é mais essencial, que todos devem acreditar, por ser propriamente a base e o resumo da revelação, consiste naquilo que o próprio Deus nos ensinou acerca da unidade da essência divina, da distinção das três pessoas, das operações que lhe são atribuídas de maneira mais particular.



Divide-se o Símbolo em três partes principais, como já dizia os artigos cristãos, quando se punha a explicá-lo com amor e cuidado. A primeira parte trata da primeira pessoa da natureza divina, e da prodigiosa obra da criação. A segunda trata da segunda pessoa e do mistério da redenção dos homens. A terceira afinal descreve, em várias fórmulas adequadas, a terceira pessoa, autor e princípio de nossa santificação.



As proposições dos Símbolo chamam-se artigo, de acordo com uma analogia que nossos santos padres usavam com freqüência. Na verdade assim como os membros do corpo humano se distinguem pelas articulações, assim também podemos chamar artigos às verdades que nessa profissão de fé de crer, distintas e separadas uma das outras.

(Fonte: Catecismo da Igreja Católica - Editora Vozes - 1962)

domingo, 26 de setembro de 2010

São Cosme e Damião (26 de Setembro)


Cosme e Damiao foram dois irmãos e médicos, martirizados,eram chamados de Anaryroi ou seja "os sem dinheiro" por causa dos seus serviços de caridade. Ele estudaram medicina na Síria e ficaram famosos pelas sua habilidades, as quais eles usavam para curar pessoas sem cobrar nenhuma taxa ou consulta. Algumas das suas curas são tidas como milagrosas. Durante a perseguição aos cristão, os irmãos foram presos e levados a frente de Lysias, governador de Cilicia em Cyrrhus( moderna Turquia). Eles foram torturados e por fim decapitados.
Diz a tradição que eles, milagrosamente não sentiam as torturas com fogo, água, óleo fervendo, ou a roda por isso foram finalmente decapitados.

As relíquias de Cosme e Damião, mais tarde foram levadas para Roma. Na Idade Média muitas lendas as mais lindas, sempre os envolveram. Na arte litúrgica da igreja eles são mostrados como médicos, segurando instrumentos cirúrgicos. Eles são os patronos dos médicos, junto com São Lucas, e padroeiros de Florença, dos químicos e farmacêuticos. Alguns escolares afirmam eles eram gêmeos e com isso eles são considerados tambem padroeiros dos gemeos.
São muito venerados na Grécia, Rússia e na Igreja Ortodoxa.

A sua festa é celebrada no dia 26 de setembro.

Atenção.

Na época da escravatura os escravos africanos criaram uma maneira engenhosa de enganar o Senhor do Engenho. Invocavam os seus deuses Orixá, Oxalá, Ogum como Sebastião, Jorge e Jesus, e ainda outros como Crispim, etc. Isto é chamado de sincretismo.

Erê e Curumim eram invocados como Cosme e Damião e sua festa é celebrada por eles no dia 27 de setembro, dia de São Vicente de Paulo.
Parece que o costume de distribuir doces as crianças, no dia 27, tambem foi um costume introduzido pelo Candomblé. Na UBAMDA eles são venerados como IBECÍ protetor das crianças.

Fonte: http://www.cademeusanto.com.br/sao_cosme_e_damiao.htm

18º Domingo Depois de Pentecostes: "Meu filho, teus pecados te são perdoados". (Ev.)


Este domingo que vem a seguir ao Sábado das Têmporas de Setembro, era a princípio vacante. A liturgia da vigília prolongava-se com efeito até de manhã, de maneira que não sobrava tempo para os ofícios dominicais. As lições que se lêem no ofício são do livro de Judite. Todos conhecem a história desta mulher famosa que salvou a Judéia, cortando a cabeça de Holofernes, general dos exércitos Assírios. Holofernes, enviado por Nabucodonosor para conquistar a Palestina, tinha cercado Betúlia. Vencidos pela fome e pela sede, os sitiados tinham deliberado render-se, quando Judite apareceu a encorajá-los. Façamos penitência, dizia, e imploremos o perdão de Deus, porque estes flagelos com que nos castiga são para nos corrigir e não para nos perder. Depois, quando veio a tarde, vestiu-se com as suas melhores galas e fez-se introduzir no acampamento dos inimigos, sob o pretexto de lhes entregar a cidade. E elevada à presença de Holofernes, o general, seduzido pela sua beleza, recebeu-a com grande contentamento e ordenou que em sua honra, se preparasse um banquete.

A Igreja ao recordar as sete dores de Maria Santíssima, aplica-lhes o canto que se ouviu em Israel, quando Judite livrou o povo eleito. Maria é com efeito a nova Judite que decepa a cabeça do general assírio, do dragão infernal. Nestes dias lê a Igreja no Ofício divino estas passagens gloriosas da epopéia israelita, que são figuras do que mais tarde havia de acontecer numa ordem espiritual e mais elevada. A libertação do povo judeu da sujeição assíria, levada a efeito por Judite, representa a libertação humanidade operada por Jesus. É muito oportuna esta missa nesta época de Têmporas, que são tempos de perdão, por sê-lo de penitência em que Deus se deixa aplacar e vencer dos pobres mortais. Desse perdão e dessa paz consoladora, que se frue da casa do Senhor são legítimos dispensários os sacerdotes a quem Jesus concedeu o poder sublime de dizerem: "Os teus pecados te são perdoados". Os novos ungidos pelos Senhor serão encarregados também de pregar a palavra de Deus, de celebrar o Santo Sacrifício e de preparar por este modo a humanidade para se apresentar confiadamente diante do supremo juiz. É por este motivo, precisamente, que a Igreja insistirá durante estes domingos no pensamento da vinda do Senhor.

A epístola de hoje ( ICor 1,4-8) é também para meditar. Que contas tão estreitas não terá de prestar o cristão de tantas graças que recebe! E como dispensamos herança tão rica, como desperdiçamos tantas graças, os sacramentos, a pregação da palavra de Deus! Que contas serão as nossas?

Evangelho de Domingo:

Continuação do Santo Evangelho segundo São Mateus: Naquele tempo: Subindo Jesus para uma pequena barca, tornou a passar o lago, e voltou para a sua cidade. E, eis que lhe apresentaram um paralítico, que jazia no leito. E, vendo Jesus a fé que eles tinham, disse ao paralítico: Filho, tem confiança, te são perdoados os pecados. E logo alguns dos escribas disseram no seu interior: Este blasfema. E, Jesus visto os seus pensamentos, disse: Porque pensais mal em vossos corações? Que é mais fácil dizer: te-são perdoados os pecados, ou dizer: Levanta-te e caminha? Pois, para que saibais que o filho do homem tem poder sobre a terra de perdoar os pecados: Levanta-te, disse então ao paralítico, toma o teu leito, e vai para tua casa. E ele levantou e foi para sua casa. E, vendo isto, as multidões temeram e glorificaram a Deus, que deu tal poder aos homens.

sábado, 25 de setembro de 2010

INTRODUÇÃO AO CATECISMO ROMANO: A Fé



Nas sagradas escrituras, o termo "fé" admite várias significações. Aqui vamos falar daquela virtude pela qual assentimos plenamente a tudo quanto nos foi revelado por Deus.


Ninguém terá justo motivo de duvidar que essa fé seja necessária para a salvação, mormente por estar escrito que "sem fé não é possível agradar a Deus".

Realmente, o fim de que se propõe ao homem para sua bem-aventurança, é tão elevado que não poderia descobrir a agudeza do espírito humano. Era, pois, necessário que o homem recebesse de Deus tal conhecimento.

Ora tal conhecimento não é outra coisa senão a própria fé, cuja virtude nos leva a ter por certo o que a autoridade da santíssima Mãe Igreja declara ser revelado por Deus. Nenhuma dúvida pode ter os fiéis das afirmações que vem de Deus, porque Deus é a própria verdade. Este critério nos faz compreender a diferença entre a fé que temos em Deus, e a fé que se dá aos autores de história humana.

A fé tem graus de extensão, e admite vários graus de grandeza e dignidade, como se depreende da sagrada escritura:"Homem de pouca fé!" - E ainda :"Fé sem obras é morta". - "A fé que opera pela caridade".
 

Entanto, a fé é uma só virtude, e aos diversos graus que possa ter entram perfeitamente na mesma definição. Quantos frutos, e quantas vantagens de dela se tiram, é o que veremos ao ver na explicação dos Artigos do Símbolo. Na próxima aula vamos iniciar uma série de estudos sobre a nossa fé a partir do Símbolo Apostólico.

sábado, 18 de setembro de 2010

IN HOC SIGNO VINCES (com este sinal vencerás)



Caríssimos irmãos, este mês que está prestes a se encerrar comemoramos uma das mais importantes festas de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Exaltação da Santa Cruz, Festa muito importante da Igreja quem vem trazer até nós as lembranças da paixão de Senhor. Em meio a ataques de um governo esquerdista que se apóia numa definição deturpada de Estado Laico tenta abolir o maior símbolo da nossa fé em lugares públicos, negando nossa história e negando nossa Sagrada fé. Reflitamos se é realmente este governo que quer perseguir a verdade apoiando se na demagogia democrática, que mais parece a ditadura da maioria, para depois não nos arrependermos futuramente quando o desastre tiver suas conseqüências tenebrosas.

Muitos dos Hereges dizem que nós adoramos um símbolo que não é cristão, a cruz de Nosso Senhor. Argumentam estes hereges que surgem aos milhares, que Jesus já ressuscitou e que não faz o menor sentido reproduzir imagens de cristo crucificado. Será? Acredito-me que eles subestimam demais os dois mil anos de história do cristianismo achando que somente agora que a verdade está em suas mãos? O que realmente parece contraditório? Uma religião fundada por um indivíduo anônimo que se autodenomina pastor ou bispo, (como se eu auto me intitula-se rei ou imperador sem descendência ou parentesco com a família real do Brasil, ou então médico sem diploma.), ou uma Igreja que trouxe consigo até os dias atuais a verdadeira fé apostólica pelos seus sucessores, preservando a sã doutrina contida nas sagradas escrituras e na tradição? Fica a cargo de o leitor responder esta pergunta. Outros aparecem com um vil argumento de que a Igreja após o III século se corrompeu com a cultura pagã de Roma e da Grécia antiga. Será mesmo? E outros chegam a audácia de argumentar que desde o primeiro século a doutrina de Cristo tenha sido corrompida para que a religião auxiliasse o poder e a ganância de muitos.

Começaremos a responder tais argumentos a partir da primeira pergunta com relação à corrupção da doutrina da Igreja após o terceiro século com a cultura greco-romana pagã. Se estes hereges sabem ler a bíblia, e acreditamos fielmente que sim, não foi o próprio Cristo que disse a Pedro: Chegando ao território de Cesaréia de Filipe, Jesus perguntou a seus discípulos: No dizer do povo, quem é o Filho do Homem? Responderam: Uns dizem que é João Batista; outros Elias; outros Jeremias ou um dos profetas. Disse-lhes Jesus: E vós quem dizeis que eu sou? Simão Pedro respondeu: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo! Jesus então lhe disse: Feliz és Simão, filho de Jonas, porque não foi à carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus. (Mateus 16, 13-19) Então compreendemos que a partir daí Cristo ordenou Simão, um de seus discípulos a ser o primeiro chefe da Igreja, nomeando-o como Cefas ou Pedro que quer dizer Rocha. É óbvio que após o martírio de Pedro os Bispos trataram-se de nomear seu sucessor que vem atravessando séculos de história até os dias atuais com Bento XVI. Os hereges ao afirmarem que a Igreja se corrompeu, estão dizendo que durante séculos as portas do inferno prevaleceram sobre a Igreja, porém vimos que Jesus Nossos Senhor afirmou: as portas do inferno não prevalecerão contra ela! Jesus Cristo mentiu? Falhou em sua mensagem? Foi um falso profeta, pois ao dizer que a Igreja se corrompeu, estão dizendo que Nosso Senhor foi um falso Profeta, e ao afirmarem isto sabemos que eles não são de Deus, pois o que vem de Deus foi o que Simão ou Pedro afirmou: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo! Caríssimos, não nos deixemos enganar pelos falsos pastores que muitos são e que pregam não a favor do reino, mas dos benefícios que a figura de Cristo explorado nas mentes simples e humildes para lhes arrancar benefícios e lhes proporcionar grandes fortunas. Eles transmitem ódio a Igreja Verdadeira, sendo assim não podem ser os verdadeiros discípulos do Senhor. Pois está escrito: Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. (São João 13,35) A verdadeira fé ou Igreja é a que está sob a liderança do sucessor de Pedro, pois é óbvio que Pedro, chefe da Igreja iria morrer e teria que haver algum sucessor para liderar o rebanho após sua morte. Já com relação à segunda pergunta, é mais dirigida aos agnósticos e céticos que dizem que a Igreja deturpou a mensagem de Nosso Senhor transformando ele numa divindade que iria substituir as antigas divindades pagãs, o que também não faz o menor sentido. Hoje nossos governantes são verdadeiros céticos, porém o povo na sua maioria cristão e nem por isso o Estado é considerado cristão e sim laico. A eles que cabem provar que Cristo não foi Deus, pois quem acusa é quem tem que provar. Sua Divindade é afirmada em várias passagens da sagrada Escritura. Mas eu prefiro esta parta os céticos: Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé. (I Coríntios XV, 14). Como poderiam os apóstolos morrerem e muitos outros cristãos darem sua vida por uma mentira? Eu que pergunto aos céticos, faz sentido isso? Há uma explicação lógica para isso? Não venham argumentar que atualmente existem pessoas que morem por Maomé. Estes mesmos morrem porque estão em um regime fechado pelo Talibã e suas mentes são lavadas com doutrinas falsas e preparados desde cedo a morrerem não por causas religiosas e sim por interesses políticos bem diferentes dos apóstolos que presenciaram e morreram acreditando que Cristo era o próprio Deus Crucificado, morto e ressuscitado na esperança de seu encontro novamente no reino dos céus.

A Cruz deverá ser sempre o símbolo da nossa fé, pois como afirma as sagradas escrituras: Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar o Evangelho; e isso sem recorrer à habilidade da arte oratória, para que não se desvirtue a cruz de Cristo. (I Coríntios 1,17); A linguagem da cruz é loucura para os que se perdem, mas, para os que foram salvos, para nós, é uma força divina. (I Coríntios 1,18); Se é verdade, irmãos, que ainda prego a circuncisão, por que, então, sou perseguido? Assim o escândalo da cruz teria cessado! (Gálatas 5,11); Os que vos obrigam à circuncisão são homens que se querem impor, só para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo. (Gálatas 6,12); Quanto a mim, não pretendo, jamais, gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo. (Gálatas 6,14); e reconciliá-los ambos com Deus, reunidos num só corpo pela virtude da cruz, aniquilando nela a inimizade. (Efésios 2,16); E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. (Filipenses 2,8); Porque há muitos por aí, de quem repetidas vezes vos tenho falado e agora o digo chorando, que se portam como inimigos da cruz de Cristo, (Filipenses 3,18); e por seu intermédio reconciliar consigo todas as criaturas, por intermédio daquele que, ao preço do próprio sangue na cruz, restabeleceu a paz a tudo quanto existe na terra e nos céus. (Colossenses 1,20); cancelando o documento escrito contra nós, cujas prescrições nos condenavam. Aboliu-o definitivamente, ao encravá-lo na cruz. (Colossenses 2,14); Espoliou os principados e potestades, e os expôs ao ridículo, triunfando deles pela cruz. (Colossenses 2,15); Em vez de gozo que se lhe oferecera, ele suportou a cruz e está sentado à direita do trono de Deus. (Hebreus 12,2).
Acredito que as citações acima são suficientes para a reflexão de todos os fiéis católicos e os demais apóstatas da fé. Caríssimos irmãos tenhamos sempre o símbolo da nossa fé presente em nossas casas, Igrejas e penduradas nos nossos pescoços. Como afirmou muitas vezes o Apóstolo Paulo, este sim é o símbolo do verdadeiro cristão e quem nega este símbolo nega a Jesus Cristo e também nega a verdadeira fé. Nosso Senhor não é um Deus que apenas Ressuscitou, mas sim que também sofreu, foi flagelado, coroado com agudos espinhos, cuspido, humilhado, ridicularizado, foi preso na cruz para nossa redenção onde morreu em três horas de agonia para ressuscitar gloriosamente no terceiro dia, conforme as profecias. Façamos nossas orações pela conversão dos hereges, muitos deles dentro da própria Igreja e dos céticos e agnósticos, para que a verdade os libertem de falsas ilusões de que na terra somente colherão vitórias e glórias. Termino com uma das palavras mais sábias de Nosso Senhor: Se alguém quiser vir comigo, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. (São Mateus 16,24).

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Nossa Senhora das Dores


DEVOÇÃO A NOSSA SENHORA DAS DORES

> Meditação das Dores de Nossa Senhora.

Foi o Papa Pio X que fixou a data definitiva de 15 de Setembro, conservada no novo calendário litúrgico, que mudou o título da festa, reduzida a simples memória: não mais Sete Dores de Maria, mas menos especificadamente e mais oportunamente: Virgem Maria Dolorosa. Com este título nós honramos a dor de Maria aceita na redenção mediante a cruz. É junto à Cruz que a Mãe de Jesus crucificado torna-se a Mãe do corpo místico nascido da Cruz, isto é, nós somos nascidos, enquanto cristãos, do mútuo amor sacrifical e sofredor de Jesus e Maria. Eis porque hoje se oferece à nossa devota e afetuosa meditação a dor de Maria. Mãe de Deus e nossa.

A devoção, que precede a celebração litúrgica, fixou simbolicamente as sete dores da Co-redentora, correspondentes a outros tantos episódios narrados pelo Evangelho: a profecia do velho Simeão, a fuga para o Egito, a perda de Jesus aos doze anos durante a peregrinação à Cidade Santa, o caminho de Jesus para o Gólgata, a crucificação, a Deposição da cruz, a sepultura, portanto, somos convidados hoje a meditar estes episódios mais importantes que os evangelhos nos apresentam sobre a participação de Maria na paixão, morte e ressurreição de Jesus.

Vamos nós, cristãos, pedir auxílio à Rainha dos Mártires, para que nos mantenha afastados do pecado, e nos dê força, auxílio e paciência para levarmos a nossa Cruz.

As Promessas aos devotos de Nossa Senhora das Dores



Santa Brígida diz-nos, nas suas revelações aprovadas pela Igreja Católica, que Nossa Senhora lhe prometeu conceder sete graças a quem rezar cada dia, sete Ave-Marias em honra de suas principais "Sete dores" e Lágrimas, meditando sobre as mesmas.

Eis as promessas:

1ª - Porei a paz em suas famílias.
2ª - Serão iluminados sobre os Divinos Mistérios.
3ª - Consolá-los-ei em suas penas e acompanhá-los-ei nos seus trabalhos.
4ª - Conceder-lhes-ei tudo o que me pedirem, contanto que não se oponha à vontade de meu adorável Divino Filho e à santificação de suas almas.
5ª - Defendê-los-ei nos combates espirituais contra o inimigo infernal e protegê-los-ei em todos os instantes da vida.
6ª - Assistir-lhes-ei visivelmente no momento da morte e verão o rosto de Sua Mãe Santíssima.
7ª - Obtive de Meu Filho que, os que propagarem esta devoção (às minhas Lágrimas e Dores) sejam transladados desta vida terrena à felicidade eterna, diretamente, pois ser-lhe-ão apagados todos os seus pecados e o Meu filho e Eu seremos a sua eterna consolação e alegria.

Santo Afonso Ligório nos diz que Nosso Senhor Jesus Cristo prometeu, aos devotos de Nossa Senhora das Dores as seguintes graças:

Eis as Graças:

1ª – Que aquele devoto que invocar a divina Mãe pelos merecimentos de suas dores merecerá fazer antes de sua morte, verdadeira penitência de todos os seus pecados.

2ª - Nosso Senhor Jesus Cristo imprimirá nos seus corações a memória de Sua Paixão dando-lhes depois um competente prêmio no Céu.
3ª - Jesus Cristo guardá-los-á em todas as tribulações em que se acharem, especialmente na hora da morte.
4ª - Por fim os deixará nas mãos de sua Mãe para que deles disponha a seu agrado, e lhes obtenha todos e quaisquer favores.


O TERÇO DAS SETE DORES DA VIRGEM MARIA.

Início:

D- Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
R- Amém!
D- Nós vos louvamos, Senhor, e vos bendizemos!
R- Porque associastes a Virgem Maria à obra da salvação.
D- Nós contemplamos vossas Dores, ó mãe de Deus!
R- E vos seguimos no caminho da fé!
Oração Inicial:

Virgem Dolorosíssima, seríamos ingratos se não nos esforçássemos em promover a memória e o culto de vossas Dores particulares graças para uma sincera penitência, oportunos auxílios e socorros em todas as necessidades e perigos. Alcançai-nos Senhora, de Vosso Divino Filho, pelos mérito de Vossas Dores e lágrimas, a graça...(pedir a graça)

1ª Dor - Profecia de Simeão

Simeão os abençoou e disse a Maria, sua mãe: Eis que este menino está destinado a ser ocasião de queda e elevação de muitos em Israel e sinal de contradição. Quanto a ti, uma espada te transpassará a alma (Lc 2,34-35).

1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

2ª Dor - Fuga para o Egito

O anjo do Senhor apareceu em sonho a José e disse: Levanta, toma o menino e a mãe, foge para o Egito e fica lá até que te avise. Pois Herodes vai procurar o menino para matá-lo. Levantando-se, José tomou o menino e a mãe, e partiu para o Egito (Mt 2,13-14).

1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

3ª Dor - Maria procura Jesus em Jerusalém

Acabados os dias da festa da Páscoa, quando voltaram, o menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que os pais o percebessem. Pensando que estivesse na caravana, andaram o caminho de um dia e o procuraram entre parentes e conhecidos. E, não o achando, voltaram a Jerusalém à procura dele (Lc 2,43b-45).

1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

4ª Dor - Jesus encontra a Sua Mãe no caminho do Calvário

Ao conduzir Jesus, lançaram mão de um certo Simão de Cirene, que vinha do campo, e o encarregaram de levar a cruz atrás de Jesus. Seguia-o grande multidão de povo e de mulheres que batiam no peito e o lamentavam (Lc 23,26-27).

1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

5ª Dor - Maria ao pé da Cruz de Jesus

Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua Mãe, a irmã de sua Mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Vendo a Mãe e, perto dela, o discípulo a quem amava, disse Jesus para a mãe: Mulher, eis aí o teu filho! Depois disse para o discípulo: Eis aí a tua Mãe! (Jo 19,15-27a).

1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

6ª Dor - Maria recebe Jesus descido da Cruz

Chegada a tarde, porque era o dia da Preparação, isto é, a véspera de sábado, veio José de Arimatéia, entrou decidido na casa de Pilatos e pediu o corpo de Jesus. Pilatos, então, deu o cadáver a José, que retirou o corpo da cruz (Mc 15,42).

1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

7ª Dor - Maria deposita Jesus no Sepulcro

Os discípulos tiraram o corpo de Jesus e envolveram em faixas de linho com aromas, conforme é o costume de sepultar dos judeus. Havia perto do local, onde fora crucificado, um jardim, e no jardim um sepulcro novo onde ninguém ainda fora depositado. Foi ali que puseram Jesus (Jo 19,40-42a).

1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

Terço das Sete Dores Atuais

da Virgem Maria

A Origem do Terço:

Este terço é uma revelação particular de Nossa Senhora a uma alma vítima. Foi recebido por locução interior (a pessoa agraciada somente ouve a voz de Nossa Senhora em seu íntimo, não a vê, como acontece nas Aparições. Essa milagrosa e misteriosa ação dos Céus junto aos escolhidos de hoje, é idêntica, do ponto de vista teológico, a forma que DEUS PAI se comunicava aos profetas do Antigo Testamento) durante a oração do santo Terço. Nossa Senhora fez questão de mostrar a eficácia desta oração, conforme confirma e relata a alma que recebeu o Terço das Dores Atuais:

"Pedi a Nossa Senhora que me mostrasse que esse Terço era Obra Dela, para poder dar testemunho da eficácia Dele. Rezei-o e pedi a Nossa Senhora que fizesse a pessoa para quem eu rezara o terço, e eu não sabia para quem(1), batesse na minha porta no dia seguinte, pois ai eu saberia quem fora o agraciado. Pois bem, no dia seguinte às 5 horas da manhã, batem a minha porta. Era um conhecido meu, pessoa que quero muito bem, mas que vivia alcoolizado pelas ruas. Ela bateu em minha porta pedindo ajuda, pois estava tão mal que parecia que ia morrer! Acolhi-o, já consciente de que fora para ele a Oração do Terço das Dores Atuais, pois Nossa Senhora queria atraí-lo para seu Infinito Amor! Santa Mãe de Misericórdia!

Esse amigo, com o tempo parou totalmente de beber e mais recentemente, também de fumar. Agora lúcido, vai poder ver de onde vieram essas graças e conosco agradecer a DEUS por esta Mãe tão maravilhosa!"

(1). No início da Oração do Terço da Dores Atuais, a alma agraciada e orante ofereceu a Nossa Senhora na intenção da pessoa que Nossa senhora escolhesse para receber as graças do abençoado e poderoso Terço.

"Reze e propague este Terço das Dores Atuais!"

Sinal da Cruz - Creio...

Oração a Jesus Crucificado:

Eis-nos aos Vossos pés, oh! dulcíssimo Jesus Crucificado, para Vos apresentar as Dores daquela que, com tanto amor, Vos acompanhou no caminho doloroso do Calvário. Fazei, oh! bom Jesus, que nós saibamos aproveitar a lição que essas dores nos dão, para que realizando a Vossa Santíssima Vontade na Terra, possamos um dia no Céu Vos louvar por toda a eternidade. Amém.
Primeira Dor: "Quando recebo, por meio de Jesus Crucificado, um filho sob meus cuidados, e ele não me recebe..."

Vede, oh! Jesus, que são as dores d'Aquela que mais Vos amou na Terra e que mais Vos ama no Céu.

Pai-Nosso, sete Ave-Marias, Glória ...

Segunda Dor: "Quando preencho a vida deste filho com sinais para ser notada e invocada como protetora e ele não me vê..."

Vede, oh! Jesus, que são as dores d'Aquela que mais Vos amou na Terra e que mais Vos ama no Céu.

Pai-Nosso, sete Ave-Marias, Glória ...

Terceira Dor: "Quando, apesar disso, derramo algumas graças sobre este filho e ele considera que as recebeu por merecimento e esforço próprio..."

Vede, oh! Jesus, que são as dores d'Aquela que mais Vos amou na Terra e que mais Vos ama no Céu.

Pai-Nosso, sete Ave-Marias, Glória ...

Quarta Dor: "Quando me vejo com grandes bênçãos e graças para doar a este filho mas não posso dá-las porque um coração orgulhoso está distante do amor e da misericórdia de Deus..."

Vede, oh! Jesus, que são as dores d'Aquela que mais Vos amou na Terra e que mais Vos ama no Céu.

Pai-Nosso, sete Ave-Marias, Glória ...

Quinta Dor: "Quando este filho começa a ser dominado por Satanás e nenhum de meus outros filhos, principalmente os meus sacerdotes, se interessam em interceder por ele..."

Vede, oh! Jesus, que são as dores d'Aquela que mais Vos amou na Terra e que mais Vos ama no Céu.

Pai-Nosso, sete Ave-Marias, Glória ...

Sexta Dor: "Quando Satanás dominou totalmente a vida de meu filho e nenhum de meus outros filhos reza por ele..."

Vede, oh! Jesus, que são as dores d'Aquela que mais Vos amou na Terra e que mais Vos ama no Céu.

Pai-Nosso, sete Ave-Marias, Glória ...

Sétima Dor: "Quando meu filho perde a vida e deixa de ser meu filho..."

Vede, oh! Jesus, que são as dores d'Aquela que mais Vos amou na Terra e que mais Vos ama no Céu.

Pai-Nosso, sete Ave-Marias, Glória ...

Oração Final:

Virgem Santíssima e Mãe das Dores, nós vos pedimos que junteis os vossos rogos aos nossos, a fim de que Jesus, o vosso divino Filho, a quem nos dirigimos, pelos méritos das vossas dores de Mãe, ouça as nossas preces e nos conceda, com as graças que desejamos, a salvação eterna.

Oh! Virgem dolorosa, que as vossas dores derrubem o império infernal.

Salve Rainha...

terça-feira, 14 de setembro de 2010

FESTA DA EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ


A festa de hoje teve por objetivo único a invenção da Santa Cruz, levada a efeito por Santa Helena, e a dedicação das basílicas constantinianas, consagradas a 14 de setembro de 335. Mais tarde porém, além da memória destes acontecimentos dos quais referimos, foi a restituição da Santa Cruz feita pelos persas, que apoderara-se de Jerusalém e da relíquia da Vera Cruz. Quatorze anos mais tarde o imperador Heráclito derrotou Cósroas e exigiu dele a entrega da preciosa relíquia. Entrando em Jerusalém, quis levar ele mesmo a Santa Cruz com grande pompa real para a repor no Calvário, se sentiu preso por uma força invisível que o não deixou prosseguir. Zacarias Bispo de Jerusalém e testemunha presencial do fato, advertiu então: "com tais vestes estais longe de imitar a Jesus Cristo e a humildade com que levou consigo a Cruz". Heráclito despojou-se então das vestes riquíssimas que envergava, descalçou-se, cobriu-se com um manto ordinário e pode sem dificuldade levar a Santa Cruz até o Calvário. A morte do Senhor na cruz foi simultaneamente o seu trunfo e sacrifício. Ele o predissera na véspera da Paixão: "é agora que o príncipe deste mundo será lançado fora: e quando eu me elevar da terra, tudo atrairei a mim".



São Paulo constata-o por seu lado ao salientar que a exaltação de Cristo assenta no sofrimento e tira para nós a conseqüência: "Devemos gloriar-nos na Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo". Unamo-nos em espírito com os fiéis na Basílica da Santa Cruz de Jerusalém em Roma, que veneram hoje as relíquias da Santa Cruz, em que se operou o mistério da redenção dos homens.

Evangelho do dia:

Continuação do Santo Evangelho segundo São João: Naquele Tempo: Disse Jesus às turbas do Judeus: Agora é o juízo deste mundo; agora será lançado o príncipe deste mundo. E eu, quando for levantado da terra, atrairei tudo a mim. Dizia isto para designar de que morte havia de morrer. Respondeu-lhe a multidão: Nós aprendemos da lei que Cristo permanece eternamente; e como dizes tu que o filho do homem deve ser levantado? Quem é este filho do homem? Respondeu-lhes então Jesus: Ainda por um pouco de tempo está a luz convosco. Andai enquanto tendes luz, para que não surpreendam as trevas; quem caminha nas trevas não sabe para onde vai. Enquanto tendes luz, crede na luz para que sejais filhos da luz.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

INTRODUÇÃO AO CATECISMO ROMANO: A esperança



A partir de hoje o blog começa um módulo especial, o catecismo Romano, no qual iremos abordar temas doutrinários sobre a doutrina da igreja e o pensamento cristão diante das questões que envolve o comportamento do homem moderno. A aula de hoje é sobre a virtude da esperança.

Quando tem de esperar algum benefício(o cristão), nunca arrefece ante a grandeza do bem almejado. Sente pelo contrário, sua coragem e esperança crescerem com a idéia de que Deus Todo-Poderoso nada é impossível.

Esta fé e confiança devem alentar-nos, principalmente nas obras extraordinárias que tivermos implorar alguma mercê de Deus. O próprio Nosso Senhor ensinou-nos o primeiro destes deveres, ao censurar a incredulidade dos apóstolos: "Se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: passa daqui para lá, e ele passará. Nada vos será impossível". Quanto ao segundo dever, o apóstolo São Tiago inculca: "Peça com fé sem nenhuma hesitação, pois quem hesita assemelha-se a onda do mar, que o vento move e chicoteia de um lado para o outro. Não cuide, pois, tal homem receber do Senhor tal coisa". (Catecismo Romano I: XIII 123-127)
Oremos: Ó Deus que mostrai aos extraviados a luz da vossa verdade para que possam tornar ao caminho da justiça, dai a todos que professam a fé cristã que repudiem tudo aquilo que se opõe a este nome e sigam o que lhe é conforme. Por Nosso Senhor Jesus Cristo vosso filho na unidade do Espírito Santo. Amem.

Seja bem-vindo ao Catecismo Romano!

domingo, 12 de setembro de 2010

O ataque a Fé Católica, desde o primeiro século até os dias atuais...

Se o mundo vos odeia, sabei que me odiou a mim antes que a vós. (São João 15,18); Não vos admireis, irmãos, se o mundo vos odeia. (I São João 3,13).

Volto a partir de hoje com minhas atividades ao blogger comentando com nossos caríssimos irmãos em Cristo, das perseguições que sofremos, nós que pertencemos ao corpo de Cristo. Perseguições pela mídia anticatólica, principalmente canais televisivos e emissoras de rádio ligadas há certos grupos de Seitas protestantes em sua grande maioria Pentecostais. Tentam desmoralizar a Igreja que é a única voz com poder contra os poderosos deste mundo que querem massacrar a população inerte que não conhece os fatos verídicos do que está acontecendo no mundo. Grupos poderosos tentam destruir a única e verdadeira religião para impor a ditadura do proletariado e do liberalismo para deixarem por si só que a humanidade se perca, levando a grande maioria que são pobres e de classe média ao fundo do poço. Falsos pastores confundem os fiéis e as pessoas, tornando depois o número de pessoas decepcionadas com a fé cristã cada vez mais declarante de seguidores de uma nova forma de crença da qual chamam de Não religião ou Atéia.

Pertencemos à única e verdadeira Igreja de Cristo que está sobe a sã doutrina apostólica proveniente de Cristo, e o sobe o comando do bispo de Roma, seu sucessor, o Papa. Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo. (Efésios 4,5). Cristo fundou uma única Igreja sobre o comando de sua cabeça visível na terra, Pedro o Apóstolo que antes de ser chamado a liderança da Igreja se chamava Simão. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus. (Mt 16,18-19). Os falsos pastores estão desde o início do Cristianismo como mostra as passagens da escritura: Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores. (São Mateus 7,15); Eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, pois, prudentes como as serpentes, mas simples como as pombas. (São Mateus 10,16); Ide; eis que vos envio como cordeiros entre lobos. (São Lucas 10,3); Sei que depois da minha partida se introduzirão entre vós lobos cruéis, que não pouparão o rebanho. (Atos dos Apóstolos 20,29); Estou admirado de que tão depressa passeis daquele que vos chamou à graça de Cristo para um evangelho diferente. De fato, não há dois (evangelhos): há apenas pessoas que semeiam a confusão entre vós e querem perturbar o Evangelho de Cristo. Mas, ainda que alguém - nós ou um anjo baixado do céu - vos anunciasse um evangelho diferente do que vos temos anunciado, que ele seja anátema. Repito aqui o que acabamos de dizer: se alguém pregar doutrina diferente da que recebestes, seja ele excomungado! É, porventura, o favor dos homens que eu procuro, ou o de Deus? Por acaso tenho interesse em agradar aos homens? Se quisesse ainda agradar aos homens, não seria servo de Cristo. Asseguro-vos, irmãos, que o Evangelho pregado por mim não tem nada de humano. Não o recebi nem o aprendi de homem algum, mas mediante uma revelação de Jesus Cristo. (Gálatas 1, 6-12).
Um dos maiores argumentos dos Hereges e Apostatas da verdade é que até o III Século, a Igreja estava seguindo os passos de Cristo e que após o IV século a Igreja se corrompeu. Mas pergunto caríssimos como pode ter se corrompido por séculos a promessa de Cristo era conforme descrita acima ao primeiro papa: as portas do inferno não prevalecerão contra ela (Mt 16). Teria a profecia de Cristo falhado? Teria cristo mentido? Como percebemos, nós sabemos que Cristo é Deus e o cordeiro Imaculado que jamais poderia ter falhado em suas promessas. A meu ver os falsos profetas que tanto atacam a Igreja Uma Santa Católica e Apostólica são tão inspirados pelo Espírito Santo ao fazerem tantas contradições, vejam o exemplo das inúmeras divisões que ocorreram após Lutero e principalmente após o movimento pentecostal. Lutero prega somente a Escritura é fonte de fé, e ao mesmo tempo chamou a carta de São Thiago como carta palha (Sem valor nenhum). Nós Católicos diferentes seguimos o sagrado magistério da tradição vinda dos primeiros séculos, cujo da parte deles houve um rompimento e as Sagradas escritura segundo esta mesma interpretação. Pois dizia o primeiro Papa, São Pedro que: Antes de tudo, sabei que nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal. Porque jamais uma profecia foi proferida por efeito de uma vontade humana. Homens inspirados pelo Espírito Santo falaram da parte de Deus. (II São Pedro 1 20-21).

Quanto ao Clero está corrompido, isso podemos ver, mas não podemos fechar os olhos sendo absolutamente hipócritas em ver que em sua grande maioria a nossa sociedade atual está corrompida pelos defensores da “democracia” e da “Liberdade de expressão”, que transformaram o sexo como um produto de “libertação da opressão religiosa”. Se o sexo fosse tal como eles mesmos assim o defendem, não teríamos uma sociedade, penso eu, tão suicida e tão vulnerável a depressão e a homicídios que ocorre numa sociedade liberal, democrática e livre de “padrões opressores das religiões”. A hipocrisia destes que defendem além da liberdade sexual a liberação das drogas e da jogatina, fede, e fede muito como um cadáver em putrefação para os que estão descobrindo o que está a sete palmos de seus idéias. Não são lenços brancos, bandeiras e nem essa democracia demagoga que irá ocasionar um bem futuro para todos, o bem único que estes defendem é para uma grande minoria que vive da desgraça humana. Existem meus caros muita gente poderosa, que estão com medo de serem desmascaradas e por isso atacam covardemente o que temos de mais precioso, a fé: Porque onde está o teu tesouro, lá também está teu coração. (São Mateus 6,21).

Irei fazer a minha conclusão deste artigo com a luz da sã doutrina no novo catecismo Católico:
P.43 PERSEGUIÇÃO
P.43.1 Perseguição da Igreja
§675 Antes do advento de Cristo, a Igreja deve passar por uma provação final que abalar a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha a peregrinação dela na terra" desvendará o "mistério de iniquidade" sob a forma de uma impostura religiosa que há de trazer aos homens uma solução aparente a seus problemas, à custa da apostasia da verdade. A impostura religiosa suprema é a do Anticristo, isto é, a de um pseudo-messianismo em que o homem glorifica a si mesmo em lugar de Deus e de seu Messias que veio na carne.
§769 "A Igreja... só terá sua consumação na glória celeste quando do retomo glorioso de Cristo. Até aquele dia, "a Igreja avança em sua peregrinação por meio das perseguições do mundo e das consolações de Deus". Aqui na terra, sabe que está em exílio, longe do Senhor e aspira ao advento pleno do Reino, "a hora em que ela será, 'na glória, reunida a seu Rei". A consumação da Igreja e, por meio dela, a do mundo, na glória, não acontecerá sem grandes provações. Só então "todos os justos, desde Adão, em seguida Abel, o justo, até o último eleito, serão congregados junto do Pai na Igreja universal"§1816 O discípulo de Cristo não deve apenas guardar a fé e nela viver, mas também professá-la, testemunhá-la com firmeza e difundi-la: "Todos devem estar prontos a confessar Cristo perante os homens e segui-lo no caminho da Cruz, entre perseguições que nunca faltam à Igreja. O serviço e o testemunho da fé são requisitos da salvação: "Todo aquele que se declarar por mim diante dos homens também eu me declararei por ele diante de meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me renegar diante dos homens também o renegarei diante de meu Pai que está nos céus" (Mt 10,32-33).
P.43.2 Perseguição de Cristo
§530 A fuga para o Egito e o massacre dos inocentes manifestam a oposição das trevas à luz: "Ele veio para o que era seu e os seus não o receberam" (Jo 1,11). Toda a vida de Cristo estará sob o signo da perseguição. Os seus compartilham com Ele esta perseguição. Sua volta do Egito lembra o Êxodo e apresenta Jesus como o libertador definitivo.
Por isso até a morte proclamamos que cremos na Igreja Uma, Santa, Apostólica e Romana: Eu vi descer do céu, de junto de Deus, a Cidade Santa, a nova Jerusalém, como uma esposa ornada para o esposo. (Apoc. 21 2) A IGREJA - Tinha grande e alta muralha com doze portas, guardadas por doze anjos. Nas portas estavam gravados os nomes das doze tribos dos filhos de Israel. (Apoc. 21 12) – UNA - Ao oriente havia três portas, ao setentrião três portas, ao sul três portas e ao ocidente três portas. (Apoc. 21 13) – CATÓLICA que em grego significa UNIVERSAL - A muralha da cidade tinha doze fundamentos com os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. (Apoc. 21 14) – APOSTÓLICA - A cidade formava um quadrado: o comprimento igualava à largura. Mediu a cidade com a vara: doze mil estádios. O comprimento, a largura e a altura eram iguais. (Apoc. 21 16) UMA, ou seja, indivisível. Lembrando apenas para nossos leitores e aos nossos inimigos que a Igreja já passou por crises muito grandiosas como a atual e sempre resistiu vitoriosa e não será diferente agora, pois quem a guia é o Espírito Santo.
Pedro da Encarnação (Fontes: Catecismo da Igreja Católica; Bíblia Sagrada, versão Ave Maria)