domingo, 28 de novembro de 2010

I Domingo do Advento: "Vede a figueira e todas as árvores: quando começam a desabrochar, conheceis que está perto o verão". (Ev.)




Durante todo o tempo do advento a Igreja não perde de vista o duplo aparecimento do Senhor: Seu nascimento em Belém, cujo esplendor sempre atual se deve estender até o fim dos tempos, e seu regresso no dia do Juízo final para "condenar às chamas os pecadores e convidar os justos à bem-aventurança" (Hino de matinas). A missa do dia de hoje fala-nos destas duas vindas de Jesus: de misericórdia (1ª vinda) e da justiça (2ª vinda). Alguns passos referem-se indiferentemente a ambas (Intróito, Oração, Gradual, Alleluia), outros fazem apenas alusão ao nascimento do Salvador na humildade do presépio (comunhão, Post-comunhão), e outras finalmente falam de sua vinda como rei em todo o esplendor de seu poder e majestade (Epístola e Evangelho). Os acolhimentos que fizemos a Jesus, agora que ele nos vem salvar, ditará o que ele nos há de fazer quando ele nos vier julgar. Preparemo-nos, portanto, para a festa do Natal por meio de santas expiações e pela emenda de nossas vidas, para estarmos preparados para o julgamento final do qual dependerá, por toda eternidade, o nosso destino. Tenhamos confiança, pois "nenhum dos que esperam em Cristo será confundido" (Intróito, Gradual, Ofertório).



Era na basílica de Santa Maria Maior que todo o povo romano estacionava no primeiro domingo do Advento, para assistir a missa solene celebrada pelo Papa. Escolhia-se essa Igreja por ter sido Maria quem nos deu Jesus e por se conservarem aí as relíquias do presépio no qual a Santíssima Virgem colocou seu divino filho.




Evangelho de Domingo:




Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas: Naquele tempo: Disse Jesus a seus díscípulos: Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra a aflição e a angústia apoderar-se-ão das nações pelo bramido do mar e das ondas.
Os homens definharão de medo, na expectativa dos males que devem sobrevir a toda a terra. As próprias forças dos céus serão abaladas.
Então verão o Filho do Homem vir sobre uma nuvem com grande glória e majestade.
Quando começarem a acontecer estas coisas, reanimai-vos e levantai as vossas cabeças; porque se aproxima a vossa libertação.
Acrescentou ainda esta comparação: Olhai para a figueira e para as demais árvores.
Quando elas lançam os brotos, vós julgais que está perto o verão.
Assim também, quando virdes que vão sucedendo estas coisas, sabereis que está perto o Reino de Deus.
Em verdade vos declaro: não passará esta geração sem que tudo isto se cumpra.
Passarão o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão.
Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

25 de Novembro - São João da Cruz, Doutor e Confessor

[sao%20joao%20da%20cruz.jpg]Ele nasceu com o nome de João de Ypes de Alvares em Fontiveros, Castilha, Espanha. Foi criado por sua mãe após a morte de seu pai, quando ainda era menino. Ele estudou no Colégio Jesuíta em Medina, e já era aprendiz com a idade de 15 anos no hospital de Nossa Senhora da Conceição. Em 1563 ele entrou para o Monastério dos Carmelitas em Medina do Campo e tomou o nome de João de São Mathias, e após o noviciado foi enviado para o monastério Carmelita perto da Universidade de Salamanca. Ele estudou ali de 1564 a 1568 e foi ordenado em 1567.João sentiu que os Carmelitas estavam com excesso de frouxidão e ele considerou passar para a Ordem mais dura dos Cartuzianos, mas foi dissuadido por Santa Tereza d‘Ávila. Ela logo depois lançava a famosa reforma na Ordem das Carmelitas. João imediatamente conseguiu permissão para aderir ao rígido ascetismo da regra original da ordem e imediatamente se juntou a Santa Teresa em sua causa. Os dois se tornaram bons amigos e eles em pouco tempo estabeleceram o primeiro monastério dos Descalços em Duruelo, adotando ao mesmo tempo o nome de João da Cruz. O resto de sua vida foi devotado a promoção, reformas e escritos. De 1571 ele foi o reitor do monastério em Alcala ,de 1572 a 1577 foi o confessor do convento da Incarnação em Ávila e conseguiu em 1579 a separação das Carmelitas em Carmelitas Calçadas Descalças, duas comunidades separadas, sendo a Segunda com regras bem mais duras. De 1579 a 1582 ele foi o Reitor do Colégio que ele fundou em Baeza e depois Reitor em Granada e Prior em Segovia.
Através dos anos João sofreu grandes provações. Sofreu vários julgamentos e severas oposição às suas reformas mesmo dentro da Ordem, especialmente daqueles frades que recusavam a validade dos Carmelitas Descalços e tramavam intrigas e esquemas contra Santa Tereza d’Ávila e São João da Cruz. Em 1577, por exemplo, ele ficou preso em uma cela no Monastério de Toledo, escapando após nove meses com um corda feita de pedaços de pano e subiu para a liberdade no dia da Festa da Ascensão. Ele se refugiou no Monastério de El Calvário em Andaluzia.
Ele viveu em constante ameaça da Inquisição Espanhola e foi muito maltratado por Nicola Doria eleito superior da Ordem dos Carmelitas Descalços em 1583. A política de Doria era tão cruel que João se opôs a ele no Conselho Geral em 1591. Isto levou a Doria a retirar dele todos os postos e bani-lo para o Monastério de La Peneula, em Andaluzia. João morreu em 14 de dezembro de 1591 no Monastério de Ubeba. Ele fundou a Ordem dos Hospitaleiros de São João da Cruz destinada a atender os pobres e doentes.
Conhecido como Doutor em Teologia Mística, João era um místico, teólogo e poeta que compôs ricos trabalhos onde encontramos profundas expressões místicas em tratados, em forma de poemas com comentários teológicos. Estes renomados poemas incluem o "Cântico Espiritual ", "Ascensão ao Monte Carmel", "Chama de Amor" e "Noite Sombria da Alma". Através destes trabalhos João apresenta o desenvolvimento da alma humana através da purgação, iluminação e união com Jesus. Ele permanece um dos mais expressivos e profundos teólogos místicos da historia da Igreja. Foi beatificado em 1675, canonizado em 1726 pelo Papa Benedito XIII e declarado Doutor da Igreja em 1926 pelo Papa Pio XI.
(Fonte: http://www.cademeusanto.com.br/sao_joao_cruz.htm)

25 de Novembro - Santa Catarina de Alexandria, Virgem

Santa Catarina nasceu no ano 300, em Alexandria, no Egito, numa época em que existia uma forte perseguição aos cristãos. Pertencente a uma família nobre, estudou filosofia, teologia e outras ciências. Além de muito inteligente e culta, era dotada de singular beleza. Fascinado por seus encantos, o imperador Maximino Daia procurou divorciar-se de sua esposa a fim de se casar com Catarina. Diante de sua recusa, ele convocou cinqüenta sábios com o objetivo de convencê-la de que Jesus não era Deus e fazê-la abandonar a sua fé. Entretanto, a Santa não somente refutou as posições dos sábios, como converteu-os ao cristianismo. Furioso pela derrota, Maximino mandou executar todos os sábios e torturá-la sob uma roda com pontas de ferro que, em contato com o seu corpo, quebrou-se ao meio e nada fez contra ela - por causa disso, Santa Catarina é invocada pelos que trabalham com rodas. Foi ordenado, então, que ela fosse decapitada. Quando deceparam sua cabeça, do seu pescoço começou a brotar leite ao invés de sangue -daí, ser ela invocada pelas mães que, tendo pouco leite, precisam amamentar seus filhos. Os relatos de seu martírio continuam. Contam que os anjos desceram dos céus e levaram seu corpo para o Monte Sinai, onde mais tarde teria surgido um mosteiro consagrado à sua memória. Em exaltação à Santa Catarina, foram levantadas numerosas igrejas em toda a Europa. Por sua sabedoria, a Santa é invocada como protetora pelos estudantes, intelectuais e filósofos. Literatura e arte celebraram os louvores e imortalizaram sua figura. A Universidade de Paris escolheu-a como padroeira. E o Brasil honra-se em tê-la protetora de um Estado, que leva seu nome.
O dia 25 de novembro é dedicado a Santa Catarina de Alexandria.


Ultima Quinta-Feira do Tempo Comum - Dia Nacional de Ação de Graças

Hoje é o dia nacional de ação de graças no Brasil. Todo o dia é dia de rendermos graças ao Senhor Onipotente criador do Céu e da Terra, mas o dia de hoje foi criado de forma a recordar esta nossa obrigação para com Deus Nosso Senhor. Render graças é reconhecer que tudo e todos tem sua origem em uma única pessoa. Devemos hoje render graças por mais um ano que está preste a findar e por outro que se aproxima. Nesta última quinta-feira depois de Pentecostes, devemos olhar para o Céu e render graças por toda nossa existência e pelos bens que Deus nos tem proporcionado. Hoje é um dia de reflexão em que ao reconhecermos que os bens são provenientes de Deus, também devemos reconhecer que os males são causados pela desordem originária do pecado. Os males da sociedade, e que também são nossos, são provenientes da miséria humana, fruto do egoísmo que impele que outros possam ter acesso aos bens que Deus nos concede. Rendamos graças a Deus e peçamos também para que nosso coração se torne semelhante ao coração generoso de Deus, que faz o bem sem olhar a quem e que faz brilhar o Sol para os justos e para os maus.
TE DEUM
Te Deum laudamus: te Dominum confitemur.
Te æternum Patrem omnis terra veneratur.
Tibi omnes Angeli, tibi Cæli, et universæ Potestates: Tibi Cherubim et Seraphim incessabili voce proclamant: Sanctus, Sanctus, Sanctus Dominus Deus Sabaoth.
Pleni sunt cæli et terra majestatis gloriæ tuæ.
Te gloriosus Apostolorum chorus, Te Prophetarum laudabilis numerus, Te Martyrum candidatus laudat exercitus.
Te per orbem terrarum sancta confitetur Ecclesia, Patrem immensæ majestatis: Venerandum tuum verum et unicum Filium: Sanctum quoque Paraclitum Spiritum. Tu Rex gloriæ, Christe.
Tu Patris sempiternus es Filius, Tu, ad liberandum suscepturus hominem, non horruisti Virginis uterum.
Tu, devicto mortis aculeo, aperuisti credentibus regna cælorum. Tu ad dexteram, Dei sedes, in gloria Patris. Iudex crederis esse venturus.
(Ao versículo seguinte, todos se inclinam) Te ergo quæsumus, tuis famulis subveni, quos pretioso sanguine redemisti.
Æterna fac cum Sanctis tuis in gloria munerari.
Salvum fac populum tuum, Domine, et benedic hereditati tuæ.
Et rege eos, et extolle illos usque in æternum.
Per singulos dies benedicimus te; Et laudamus Nomen tuum in sæculum, et in sæculum sæculi.
Dignare, Domine, die isto sine peccato nos custodire.
Miserere nostri domine, miserere nostri.
Fiat misericordia tua, Domine, super nos, quemadmodum speravimus in te.
In te, Domine, speravi: non confundar in æternum.
V. Benedicamus Patrem, et Filium, cum Sancto Spiritu.
R. Laudemus, et superexaltemus eum in sæcula.
V. Benedictus es, Domine, in firmamento cæli.
R. Et laudabilis, et gloriosus, et superexaltatus in sæcula.
V. Domine, exaudis orationem meam.
R. Et clamor meus ad te veniat.
V. Dominus vobiscum.
R. Et cum spiritu tuo.
Oremus.
Deus, cujus misericordiæ non est numerus, et bonitatis infinitus est thesaurus: + piissimæ maiestati tuæ pro collatis donis gratias agimus, tuam semper clementiam exorantes; * ut, qui petentibus postulata concedis, eosdem non deserens, ad præmia futura disponas. Per Christum Dominum nostrum.
R. Amen.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

SÃO SEBASTIÃO DO RIO DE JANEIRO - UNIÃO DE ORAÇÕES CONTRA O MAL

“Se um pastor quiser se salvar, precisa, quando encontrar alguma desordem na paróquia, saber calcar aos pés o respeito humano, o temor de ser desprezado e o ódio dos paroquianos [e denunciar o mal]”.


São João Maria Vianney





A Imagem de nosso Santo Padroeiro não poderia se encaixar de forma tão perfeita a sua cidade protetora. Seu corpo jovem, robusto, pode se dizer uma referência a beleza e a juventude de nossa cidade, as suas chagas presente em seu corpo, pode ser interpretada pela violência que assola toda a população principalmente nestes últimos dias em que o mal tem reinado através da batalha do Estado contra o Crime organizado. E por último vemos seu olhar em direção ao Supremo Senhor, que roga a Deus pedindo perdão e suplicando pelos seus irmãos na fé. Convido ao caro leitor do Blog em uma corrente de união em oração a São sebastião. Deixe seu comentário, sua prece, sua súplica e vamos pedir  proteção de nosso padroeiro contra os filhos das trevas. São Sebastião derrube o mal em nossa cidade!



Oração a São Sebastião
Deus onipotente, que conheceis a nossa enfermidade, fraqueza, agonia ,ânsia e tribulações desta vida, fazei que a todos nos valha a intercessão de São Sebastião seu glorioso mártir e protetor dos cristãos.
São Sebastião, meu intercessor ,vós que sofrestes os ferimentos e recebestes no corpo as flechas da indiferença e da vingança ,sofrendo vil e infamante processo, pela gloria de Nosso Senhor Jesus Cristo, dignai-vos a interceder para que possa obter do Altíssimo a graça de (citar aqui a graça desejada), e ainda a graça da salvação da minha alma para vossa maior gloria.
Honra e gloria vos renderei em todos os dias de minha vida Amem.

Oração a São Sebastião II
(Contra peste e contágio de doenças e guerra)
Onipotente e eterno Deus, que pelos merecimentos de São Sebastião ,vosso glorioso mártir, livrastes os vossos fieis de doenças contagiosas e do mal da violência, atendei as minhas súplicas para que, recorrendo agora da nossa necessidade a vós , afim de alcançar semelhante favor ,mereçamos , por sua valiosa intercessão , sermos livres do flagelo da peste e de toda moléstia do corpo e da alma.


Por Jesus Cristo, Senhor Nosso, Amem.

São Sebastião Rogai por nós!
Nossa Senhora da Conceição Aparecida Rogai por nós!


segunda-feira, 22 de novembro de 2010

22 de Novembro, Apresentação de Nossa Senhora

[2+presentation-of-mary.jpg]Depois de celebrarmos no dia 08 de Setembro o Natal da Senhora e, quatro dias depois o seu Santo nome de Maria que lhe foi imposto, vamos celebrar hoje a apresentação no templo dessa filha da benção. As três primeiras festas do ciclo marial são eco do ciclo Cristológico que igualmente celebra o natal do Senhor (25 de Dezembro), o Santíssimo Nome de Jesus (2 de Janeiro) e a Apresentação ao templo (2 de Fevereiro). A festa de hoje já se celebrava no Oriente no século VI. Gregório XI introduziu-a em Avinhão em 1562. Sixto V declarou-a de obrigação para toda a Igreja em 1850, e Clemente VIII elevou-a a uma categoria maior. O oferecimento da Senhora no templo confunde-se com o de Jesus; e o nosso deve confundir-se com o dela naquela unidade perfeita que Deus quer realizar por meio de Jesus Cristo.
Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960

domingo, 21 de novembro de 2010

24º e Último Domingo depois de Pentecostes: "Então aparecerá no céu o sinal do filho do homem". (Ev.)

[98a5aa6e.jpg]
O ciclo litúrgico termina com esta ultima semana do ano eclesiástico, e com ela a história do mundo, que nos veio revelando desde a origem, no Advento até o seu término no último domingo depois de Pentecostes.
O breviário e o missal chamam a atenção para o fim do mundo e para o juízo final. Eis que o Senhor vai sair do seu lugar - diz o profeta Miqueias nas lições das orações de Matinas (Ofício divino). Descerá e pisará os altos da Terra. Destruirá as montanhas. E os vales fundir-se-ão como a cera na chama e como as águas que rolam para o abismo. E fará tudo isso por causa dos crimes de Jacó e dos pecados da casa de Israel. Depois de fulminar Israel com estas ameaças, o Profeta há de revelar a promessa de salvação. Cristo nascerá em Belém, e seu reino, o reino de Jerusalém celeste não terá fim. Os profetas Nahum, Abacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias, que se leram durante a semana, confirmam o vaticínio de Miqueias. E Jesus no Evangelho começa por evocar a profecia de Daniel, que anuncia a a ruína total e definitiva do templo de Israel pelas armas romanas. Aquela abominável desolação era o castigo que o povo merecera por haver elevado ao auge, a sua infidelidade, rejeitando a pedra angular, que era Jesus Cristo. E nós sabemos como a profecia se realizou alguns anos após a morte do Salvador. A angústia foi tanta que se o assédio durasse por mais algum tempo nenhum judeu teria escapado da morte. Deus abreviou, porém, aqueles dias, para que se convertesse os que se salvassem depois desta prova tão rude. Assim acontecerá no fim do mundo "Tunc, então", quer dizer, quando Cristo voltar as atribulações serão mais angustiantes ainda. De novo reinará a abominação da desolação, porque "o homem da iniqüidade da oposição levantar-se-á, segundo o apóstolo, contra tudo que está ligado a Deus, e há de se sentar no templo e exigir um culto de divindade". Mas ainda Deus aqui abreviará estes dias terríveis por causa dos eleitos. Virá então o Senhor, não como da primeira vez, apagado e humilde num recanto da Terra, mas coroado de glória e fulgurante como um relâmpago. Os eleitos voarão ao seu encontro como as águias. Os cataclismos dos Céus e da terra darão sinais de sua vinda e todas as tribos verão o estandarte flutuante da Redenção e do filho do homem que se aproxima com grande poder e majestade. "Quando os maus desejos se apoderam de vós, comenta São Basílio, queria que pensassem naquele tribunal terrível onde todos de nós iremos ter de comparecer. Conduzidos um a um, nós, que estamos aqui a falar, daremos contas na presença do Universo de todas as ações de nossas vidas. E então aqueles que pecaram gravemente ver-se-ão cercados de anjos terríveis e disformes que os arrastarão para os abismos infernais e de confusão eterna. Isto deveis temer, e penetrados deste temor, servi-vos dele como um freio para cobrir a alma dos vícios e do pecado." E a Santa Igreja, instituindo no pensamento do Santo Doutor, exorta-nos pela boca de São Paulo, anda de maneira digna do Senhor, e há de frutificar de todas as espécies de obras, para que, fortalecidos com a graça divina, soframos com alegria e paciência as contrariedades da vida. Dando graças ao Pai que nos deu parte na herança do seu filho Nosso Senhor Jesus Cristo.
No fim dos tempos, tendo vencido totalmente os inimigos, que ressuscitarão para o castigo, e feito rei incontestável dos eleitos, que esperavam a sua vinda para entrar de corpo e alma na glória, Cristo deporá nas mãos do Pai o reino que conquistou por meio do seu Sangue, como homenagem perfeita da cabeça e dos membros. E será então a verdadeira Páscoa, a passagem plena a terra da promessa, a conquista e a ocupação definitiva da Jerusalém celeste, onde, nesse templo que não é obra humana, louvaremos o nome de Deus para sempre.
Evangelho de Domingo:
Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo São Mateus: Naquele Tempo:
Jesus disse a seus discípulos: Quando virdes estabelecida no lugar santo a abominação da desolação que foi predita pelo profeta Daniel (9,27) - o leitor entenda bem o que é dito - então os habitantes da Judéia fujam para as montanhas.
Aquele que está no terraço da casa não desça para tomar o que está em sua casa.
E aquele que está no campo não volte para buscar suas vestimentas.
Ai das mulheres que estiverem grávidas ou amamentarem naqueles dias!
Rogai para que vossa fuga não seja no inverno, nem em dia de sábado;
porque então a tribulação será tão grande como nunca foi vista, desde o começo do mundo até o presente, nem jamais será.
Se aqueles dias não fossem abreviados, criatura alguma escaparia; mas por causa dos escolhidos, aqueles dias serão abreviados.
Então se alguém vos disser: Eis, aqui está o Cristo! Ou: Ei-lo acolá!, não creiais.
Porque se levantarão falsos cristos e falsos profetas, que farão milagres a ponto de seduzir, se isto fosse possível, até mesmo os escolhidos.
Eis que estais prevenidos.
Se, pois, vos disserem: Vinde, ele está no deserto, não saiais. Ou: Lá está ele em casa, não o creiais.
Porque, como o relâmpago parte do oriente e ilumina até o ocidente, assim será a volta do Filho do Homem.
Onde houver um cadáver, aí se ajuntarão os abutres.
Logo após estes dias de tribulação, o sol escurecerá, a lua não terá claridade, cairão do céu as estrelas e as potências dos céus serão abaladas.
Então aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem. Todas as tribos da terra baterão no peito e verão o Filho do Homem vir sobre as nuvens do céu cercado de glória e de majestade.
Ele enviará seus anjos com estridentes trombetas, e juntarão seus escolhidos dos quatro ventos, duma extremidade do céu à outra.
Compreendei isto pela comparação da figueira: quando seus ramos estão tenros e crescem as folhas, pressentis que o verão está próximo.
Do mesmo modo, quando virdes tudo isto, sabei que o Filho do Homem está próximo, à porta.
Em verdade vos declaro: não passará esta geração antes que tudo isto aconteça.
O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão.Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

18 de Novembro - Dedicação das Basílicas de São Pedro e São Paulo em Roma

[450px-Roma_-_Basilia_di_San_Paolo_fuori_le_mura_4.jpg]

Depois de celebrar no dia 05 de Agosto a dedicação de Santa Maria Maior, e no dia 29 de Setembro, a dedicação de São Miguel, a 09 de Novembro a de São João do Latrão e finalmente no final do ano litúrgico, todas as catedrais e dioceses comemoram a dedicação das Basílicas de São Pedro e São Paulo. Todos estes aniversários ocorrem no tempo depois de pentecostes, período em que nos damos mais atenção ao refletir sobre a Igreja, dos quais estes templos são imagens vivas. A Basílica Vaticana de São Pedro e São Paulo fora dos muros, mandadas construir por Constantino no lugar onde constava ter sido o martírio dos dois apóstolos, cede importância apenas a São João do Latrão. São Pedro eleva-se no lugar do circo de Nero e guarda debaixo do altar-mor os restos do chefe da Igreja. É o centro do Cristianismo. Já notável no século IV, foi ampliada mais tarde e finalmente reconstruída no século XVI. Júlio II e Leão X convocaram os mais talentosos artistas do renascimento, e da inspiração de Bramante e Miguel Ângelo saiu a Igreja mais vasta e mais rica do Universo. Foi consagrada por Urbano VIII no dia 18 de novembro de 1626. A Basílica de São Paulo fica no extremo oposto da cidade. Tendo sido completamente destruída no incêndio de 1823, foi reconstruída a mando dos Pontífices Gregório XVI e Pio IX. Este último Pontífice consagrou-a no dia 10 de Dezembro de 1854 e reuniu o aniversário das duas dedicações sob a data primitiva de 18 de Novembro.
[files.jpg]
Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Dom Vital Maria, Bispo - por Dom Eugênio Cardeal Sales

Hoje é dia da República, que é feriado apesar de ter sido um golpe de estado promovido pelo Marechal da Fonseca, sem atuação da população e sim da elite reinante insatisfeita com certas atuações do Império, mas vale resaltar alguns episódios em que o nosso Imperador Dom Pedro II cometeu erros ao aliar-se a marçonaria e um deles foi o que aconteceu com Dom Vital:

Dom Vital sofreu a amargura da injustiça, mas se tornou um modelo fecundo como Pastor fiel às orientações da Igreja. Seu exemplo de fidelidade à doutrina do Sucessor de Pedro é um valioso estímulo a todos nós, do clero e do laicato."

por Dom Eugênio Cardeal Sales





Dom Vital nasceu no Município de Pedras de Fogo, Paraíba, a 27 de novembro de 1844. Foi aluno em Recife e do Seminário de Olinda. Continuou seus estudos na França e ingressou no Convento dos Capuchinhos, em Versailles. Chamava-se Antonio e, na ordem, recebeu o nome de Frei Vital Maria. Completou sua formação em Toulouse e foi ordenado sacerdote a 2 de agosto de 1868. Nesse mesmo ano retornou ao Brasil e, em São Paulo, exerceu diversos cargos, inclusive o de Professor de Teologia. Aí recebeu, a 21 de maio de 1871, o nomeação para Bispo de Olinda. Ao pedido “para que o livrem de semelhante fardo, em razão da idade e da indignidade”, Pio IX respondeu: “Hás de estrenuamente defender a causa de Deus e nada omitir que possa dizer respeito à salvação e proveito do rebanho a ti confiado”. Uma diretriz marcada por uma premonição.

Ao tomar posse, a 24 de maio do ano seguinte, já se percebiam os sinais de borrasca. Publicações anti-clericais chamavam-no de “ultramontano”. Em novembro desse mesmo ano, escreveu uma Carta Pastoral defendendo a Igreja, atacada pela imprensa. Dom Vital incomodava, por tentar corrigir graves falhas na vida diocesana. A resposta ao Bispo foi o anúncio pomposo de uma Missa e publicações dos nomes de maçons pertencentes a Irmandades, inclusive sacerdotes. O Pastor reage com prudência. Uma circular confidencial procura levá-los a obedecer à determinação da Igreja. Quase todos os eclesiásticos observaram a ordem dada. O interdito canônico a essas associações foi precedida de caridosa exortação, que explicitava “a pena imposta permanece em vigor, até à retratação da Irmandade, que fica em pleno gozo de seus direitos, na parte temporal e na administração de seus bens”.

Houve recurso à Coroa. Pressionado pelo Governo Imperial, Dom Vital responde ao Ministro João Alfredo: “Se a minha resistência vai dar lugar a cenas tristes, só conheço um meio: peça o Governo Imperial à Santa Sé que me mande, quanto antes, para meu convento”. Chegando ao Rio de Janeiro, encarcerado no Arsenal de Marinha, recebe a visita de Dom Pedro Maria de Lacerda, Bispo do Rio, que lhe diz emocionado: “Vejo em Vossa Excelência um prisioneiro de Cristo; meu Clero e Cabido serão felizes pondo-se às suas ordens.” A amizade fraterna e a comunhão na defesa da verdade e da liberdade da Igreja uniram desde então Dom Vital e a diocese do Rio de Janeiro.

O julgamento teve aspectos dramáticos e comoventes. O Sucessor do Apóstolos foi condenado, como incurso no Artigo 96 do Código Penal, a quatro anos de prisão, com trabalhos forçados, por crime inafiançável. A 22 de dezembro de 1873 Dom Vital foi recolhido à Fortaleza de São João.

Pelas pressões do Duque de Caxias, foi anistiado pelo Decreto nº 5.933, de 17 de dezembro 1875 e reconhecida a inocência. A seguir, viaja a Roma, em visita “ad limina”. Ao ser recebido pelo Papa Pìo IX, este o abraçou com afeto e disse: “Aprovo tudo o que Vossa Excelência fez, desde o princípio”.

Regressou à Diocese em 6 de outubro de 1876 e recebido triunfalmente. Iniciou, com entusiasmo, suas atividades pastorais. No entanto, agravou-se seu estado de saúde e embarcou para a Europa, em busca de tratamento. Escreveu ao Papa, com sua renúncia à Diocese, sem resultado. A medicina não conseguiu descobrir a enfermidade, que provocou misteriosos sintomas.

Dom Vital morreu em Paris, a 4 de julho de 1878. Ao receber o Viático, diz: “Perdôo de coração aos meus inimigos e ofereço a Deus o sacrifício da minha vida”. Monsenhor de Ségur, na oração fúnebre, por ocasião das exéquias, afirmou que Dom Vital morreu envenenado. Assim terminou esse triste episódio, que é denominado a “Questão Religiosa”. Com ela, foram dados os primeiros passos para a correção de graves obstáculos ao florescimento da vida da Igreja no Brasil. Foi o início de um despertar.

A desejada Beatificação será um reconhecimento de uma vida heróica, a serviço do Evangelho. Dom Vital sofreu a amargura da injustiça, mas se tornou um modelo fecundo como Pastor fiel às orientações da Igreja. Seu exemplo de fidelidade à doutrina do Sucessor de Pedro é um valioso estímulo a todos nós, do clero e do laicato. Agiu com prudência, corajoso sem ser audacioso, obedeceu ao apelo que, no futuro, seria feito por João Paulo II, no dia de sua eleição: “Não tenhais medo".

 Fonte: (http://www.sociedadecatolica.com.br/modules/smartsection/item.php?itemid=17)

domingo, 14 de novembro de 2010

6º Domingo Depois da Epifania "Revelarei coisas ocultas desde a Criação do Mundo" (Ev.)

Deus, diz São Paulo, falou-nos pelo seu Filho, a quem constitui herdeiro de tudoe do qual sendo esplêndor da glória do Pai e a figura da sua substância e conservando tudo por meio da sua palavra, quis operar a purificação dos pecados, e está sentado a direita de Deus Pai. "A nenhum dos anjos disse Deus: Tu és meu Filho e hoje te gerei". E quando o enviou ao Mundo disse: "Que os anjos todos o Adorem". O Apóstolo, comenta Santo Atanásio, declara Jesus superior aos anjos para evidenciar a diferença que existe entre a natureza de Filho e das criaturas. A missa de hoje revela igualmente a Divindde de Nosso Senhor Jesus Cristo, tão claramente expressa no ofício de Matinas, como acabamos de ver. É Deus, porque revela as coisas ocultas em Deus e que o mundo ignora. A sua palavra é divina por ter o condão de apaziguar as tempestades das paixões e capaz de produzir na alma de quem a receber maravilhas de fé, de esperança e de caridade. A Igreja também é divina pois, pega em raiz divina, na palavra do Senhor e está admiravelmente figurada nas três medidas de farinha que a força expansiva do fermento leveda, e no grão de mostarda, a mais pequena das sementes, que em breve se torna árvore frondosa, onde as aves do céu gostam de nidificar.
Meditemos com frequência no Evangelho para que nos penetre e nos transforme como crescente e se forme, na nossa alma e na nossa vida, árvore frondosa a vergar de frutos de santidade. Desta maneira trabalhemos no alargamento do reino de Deus.
Leitura da Santa Epístola de São Paulo Apóstolo aos Tessalonicenses: (ITess. 1, 2-10) Irmãos: Não cessamos de dar graças a Deus por todos vós, e de lembrar-vos em nossas orações. Com efeito, diante de Deus, nosso Pai, pensamos continuamente nas obras da vossa fé, nos sacrifícios da vossa caridade e na firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, sob o olhar de Deus, nosso Pai. Sabemos, irmãos amados de Deus, que sois eleitos. O nosso Evangelho vos foi pregado não somente por palavra, mas também com poder, com o Espírito Santo e com plena convicção. Sabeis o que temos sido entre vós para a vossa salvação. E vós vos fizestes imitadores nossos e do Senhor, ao receberdes a palavra, apesar das muitas tribulações, com a alegria do Espírito Santo, E vós vos fizestes imitadores nossos e do Senhor, ao receberdes a palavra, apesar das muitas tribulações, com a alegria do Espírito Santo, Em verdade, partindo de vós, não só ressoou a palavra do Senhor pela Macedônia e Acaia, mas também se propagou a fama de vossa fé em Deus por toda parte, de maneira que não temos necessidade de dizer coisa alguma. De fato, a nosso respeito, conta-se por toda parte qual foi o acolhimento que da vossa parte tivemos, e como abandonastes os ídolos e vos convertestes a Deus, para servirdes ao Deus vivo e verdadeiro, e aguardardes dos céus seu Filho que Deus ressuscitou dos mortos, Jesus, que nos livra da ira iminente. Deo Gratias
Continuação do Santo Evangelho segundo São Mateus: Naquele tempo, Jesus em seguida, contou-lhes esta parábola: O Reino dos céus é comparado a um grão de mostarda que um homem toma e semeia em seu campo.É esta a menor de todas as sementes, mas, quando cresce, torna-se um arbusto maior que todas as hortaliças, de sorte que os pássaros vêm aninhar-se em seus ramos.Disse-lhes, por fim, esta outra parábola. O Reino dos céus é comparado ao fermento que uma mulher toma e mistura em três medidas de farinha e que faz fermentar toda a massa.Tudo isto disse Jesus à multidão em forma de parábola. De outro modo não lhe falava,para que se cumprisse a profecia: Abrirei a boca para ensinar em parábolas; revelarei coisas ocultas desde a criação (Sl 77,2)
(Fonte: Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.)

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Ataque de muçulmanos a cristãos deixa 500 mortos na Nigéria



O ataque de muçulmanos da etnia fulani contra cristãos da etnia berom neste domingo, perto de Jos, no norte da Nigéria, deixou ao menos 500 mortos, segundo balanço informado pelo porta-voz do governo do Estado de Plateau, Gregory Yenlong.
O ataque é o mais recente episódio do confronto étnico-religioso na região, que opõe cristãos e animistas a pastores muçulmanos fulanis na disputa pela exploração de terras de cultivo.
Armados com revólveres, metralhadoras e machados, pastores da etnia fulani invadiram casas das cidades de Dogo Na Hauwa, Ratsat e Jeji neste domingo e mataram todos que encontraram pela frente.
Em apenas três horas, ao menos 500 pessoas, entre elas muitas mulheres e crianças, foram mortas e queimadas, segundo testemunhas, que descrevem cenas de horror e violência.
"Mais de 500 pessoas foram mortas neste ato abominável perpetrado por pastores fulanis", disse Dan Majang, responsável pela comunicação do Estado de Plateau, citado pela agência de notícias France Presse.
Majang disse ainda que 95 pessoas foram detidas depois do ataque.
A hipótese das autoridades é de que o massacre, ocorrido a menos de 2 quilômetros da casa do governador de Plateau, Jonah Jang, tenha sido resposta dos pastores aos confrontos religiosos de janeiro passado --que deixaram 326 mortos. O incidente foi considerado pelos membros da etnia fulani uma ação organizada dos cristãos para assassinar muçulmanos.
O governo de Plateau anunciou um funeral coletivo para as vítimas. O presidente interino da Nigéria, Goodluck Jonathan, se reuniu com as agências de segurança do Estado e afirmou que os soldados estão em alerta vermelho.
O massacre aconteceu mesmo com a imposição de um toque de recolher, que vigora na região das 18h às 6h desde janeiro passado.
Os conflitos envolvendo cristãos e muçulmanos na Nigéria deixaram mais de 12 mil mortos desde 1999, quando foi implantada a sharia (lei islâmica) em 12 Estados do norte do país.
Relato
Peter Gyang, morador de Dogo Nahawa, a aldeia mais afetada, perdeu sua mulher e dois filhos no ataque. "Eles fizeram disparos para assustar as pessoas e logo as mataram a machadadas", disse ele a jornalistas.
"O ataque começou aproximadamente às 3h e durou até às 6h. Não vimos nenhum policial", disse.
Shamaki Gad Peter, responsável por uma organização defensora dos direitos humanos em Jos, disse que o ataque era "aparentemente" coordenado. "Os criminosos lançaram ataques de forma simultânea. Muitas casas foram queimadas", disse Peter, depois de visitar três aldeias.
"O nível de destruição é enorme", completou.
Moradores citados pelo jornal "The Guardian" disseram que centenas de corpos ainda estavam nas ruas neste domingo, horas após o ataque.
Testemunhas citadas pelo jornal "The Nation" disseram que os criminosos eram entre 300 e 500.
Com Efe e France Presse

08/03/2010 - 08h22

Fonte: http://noticias.bol.uol.com.br/internacional/2010/03/08/ataque-de-muculmanos-a-cristaos-deixa-500-mortos-na-nigeria.jhtm

terça-feira, 9 de novembro de 2010

9 de Novembro Dedicação da Arquibasílica do Santíssimo Salvador


Dentre as ricas e grandiosas basílicas romanas em que se celebram majestosamente as cerimônias do culto após as perseguições, destaca-se logo no primeiro plano aquela cuja dedicação comemoramos hoje. Situada no Monte Célio, o palácio lateranense pertencia então a Fausta, mulher de Constantino. Depois de se converter o imperador legou-o ao Papa para domicílio privado, fundando anexa ao palácio a igreja de Latrão que se tornou mãe de todas as igrejas do mundo. No dia 4 de novembro do ano 324, São Silvestre consagrou-a sob o título de Basílica do Santíssimo Salvador. Foi a primeira consagração pública de uma igreja. Muito depois já no século XII, foi dedicada a São João Batista, a quem já era dedicada o batistério adjacente, e daí ficou a se chamar de basílica de São João de Latrão. Nesta basílica e no palácio contíguo, reuniram-se, desde o século IV ao século XVI, mais de 25 concílios, dos quais cincos foram ecumênicos. Nesta mesma basílica eram celebradas as mais solenes festas do ano litúrgico. Lá se conferia as ordenações e os batismos aos catecúmenos no dia da Páscoa. O quinto domingo da quaresma se tinha início nela, onde também se iniciava a procissão do Domingo de Ramos e a Terça das rogações. As cerimônias de quinta-feira santa, Sábado Santo, Sábado In Albis e a vigília de Pentecostes eram realizadas nessa basílica. Tendo sido destruído o primeiro edifício, restaurou-o de novo Bento XIII em 1726. O aniversário desta última consagração foi fixado, como o da primeira, no dia 9 de novembro.
Omnium Urbis et Orbis Ecclesiarum Mater et Caput

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

CATÓLICOFOBIA – A BESTA E SUAS ARMAS CONTRA TUDO QUE VEM DA IGREJA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO.

(II São Pedro 2,2)
Muitos os seguirão nas suas desordens e serão deste modo a causa de o caminho da verdade ser caluniado.

Eles estão em todas as partes, manipulados pela mídia e por seus representantes e mestres o católofóbicos, estão transformando o mundo em um lugar extremamente hostil a nossa verdadeira fé. Católica, Apostólica e Romana. São Ateus, agnósticos, seguidores de religiões protestantes e neopagans, satanistas, líderes políticos, Marçons, Lideranças em defesa dos direitos homossexuais, de aborto, Eutanásia entre outros, que se incomodam até com um crucifixo em uma repartição pública.

Um grupo de 50 pessoas, convocado pelo sindicato CGT de Barcelona, tentou em vão neste sábado (6) se aproximar da Sagrada Família, catedral que receberá o Papa Bento XVI. Mesmo assim, protagonizou uma manifestação ruidosa contra a visita do Sumo Pontífice, que chegou no sábado à cidade de Santiago de Compostela. (Fonte Site: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/11/espanhois-protestam-contra-a-presenca-do-papa-em-barcelona.html). O ódio ao Papa representante de nossa fé e nossa religião católica é uma ofensa a nó CATÓLICOS, somos membros deste corpo místico a IGREJA, que sofre perseguição deste tipo. Querem julgar a Igreja por erros de membros antecessores e esquecem que desde os primeiros até os atuais católicos são vítimas de ódio e perseguição. Pura hipocrisia e conduta de má fé este o fazem, Apóiam tudo o que não prestam (aborto, eutanásia, casamento gay, prostituição, fornicação, destruição das famílias, divórcio e etc.), esquecem o grande valor e patrimônio deixado pela Igreja nesses 2000 mil anos de história. Fora o movimento GLBT que promete efetuar em frente à Catedral um “Beijaço gay”. Porque eles querem afrontar nossa autoridade máxima na terra, o sucessor de Pedro? De onde vem este ódio? Onde estão os católicos para protestarem a favor do nosso Pontífice?

Sacerdote católico assassinado na India

Os Bispos católicos na Índia pediram um inquérito oficial da Comissão Nacional para as Minorias após o homicídio de um sacerdote católico, ocorrido no passado dia 12 de Setembro, no estado de Jharkhand, diocese de Simdega, nordeste da Índia.
Segundo os relatos iniciais, o Pe. Ignazio Bara, de 48 anos, tentava prevenir um confronto entre um grupo tribal e um grupo fundamentalista hindu, numa área dominada por controvérsias de natureza inter-étnica.
O sacerdote, que era também reitor da Escola de Banabira, em Simdega, morreu com um golpe de arma contundente.
O homicídio gerou ainda mais tensão na região. Recentemente, um outro sacerdote católico fora morto no Nordeste da Índia, no estado de Assam, o vigário-geral da diocese de Tezpur, Pe. Mathew Nellickal.
Essa é a fé que pacíficas que os hindus trazem em loja 100% natural, com promessas de paz espiritual e outras bobagens?
Fonte: http://storico.radiovaticana.org/por/storico/2005-09/48854.html
MAIS UM SACERDOTE CATÓLICO É ASSASSINADO NA ÍNDIA
Nova Délhi, 23 set (RV) - Registrada enésima violência contra os cristãos na Índia. Ontem foi assassinado um sacerdote católico em seu mosteiro no norte do país. O religioso vivia num vilarejo a cerca de 40 Km de Nova Délhi. A polícia não exclui a hipótese de roubo concluído de modo trágico. Por sua vez, o arcebispo da capital do Estado de Orissa, Cuttack Bhubaneswar, Dom Raphael Cheenath, denunciou ter recebido uma carta intimidadora de fundamentalistas hinduístas com ameaças de morte contra ele.
De fato, a Índia perde mais um padre católico, talvez vítima da criminalidade comum. Pe. Samuel Francis, de 50 anos, foi encontrado morto ontem, segunda-feira, na capela do mosteiro no qual vivia e ensinava ioga e meditação, localizado no vilarejo de Chota Rampur, no sul da Índia.
O sacerdote foi encontrado morto com as mãos atadas, amordaçado e apresentava feridas na fronte. Ainda não são claros o motivo e a dinâmica do assassinato.
A polícia não descarta que possa se tratar de uma tentativa de furto concluída de modo trágico, uma vez que o mosteiro foi saqueado pelos assassinos antes da fuga. Junto ao sacerdote foi encontrada também morta uma mulher, que sofria parcialmente de distúrbios psíquicos.
O Pe. Davis Varayilan, professor no Colégio Teológico Samanvayan, disse ter conhecido bem o sacerdote assassinado, elogiou a sua "generosidade", o bom coração e a inteligência. "É a enésima tragédia para a Igreja indiana _ disse ele à agência missionária AsiaNews.
No início dos anos 80 o Pe. Samuel Francis era o responsável pela pastoral da juventude da Diocese de Meerut. Era uma pessoa amada e respeitada por todos: hinduístas, muçulmanos, pelos pobres e marginalizados. As exéquias do sacerdote se realizaram nesta terça-feira no vilarejo de Chota Rampur.
A difusão das violências anticristãs na Índia preocupa e surpreende, em particular, aqueles escolheram justamente esse país como terra de missão. É o que confirma o missionário do PIME (Pontifício Instituto das Missões Exteriores) em Bombay, Pe. Carlo Torriani, entrevistado pela Rádio Vaticano:
Pe. Carlo Torriani:- "Neste momento se vê que existe uma organização por trás que ataca também cidades e Estados como Kerala, karnataka, onde os cristãos têm uma certa consistência. Deve-se dizer, porém, que as pessoas estão se perguntando quem é realmente hinduísta: o hinduísmo é uma religião eminentemente tolerante em sua estrutura."
P. Existe neste momento, por parte dos mais moderados, uma proximidade aos cristãos ou existe um clima de isolamento?
Pe. Carlo Torriani:- "Houve manifestações também aqui em Bambay, uma zona relativamente pacífica para nós. Todas as escolas católicas ficaram fechadas para um dia de solidariedade aos cristãos de Orissa e houve também um encontro de oração e de manifestação pacífica do qual participou o representante da Arya Samaj, que é uma antiga organização hinduísta com mais um século de existência."
P. Pode-se dizer que, apesar da situação na Índia, existe ainda um espaço para o diálogo inter-religioso?
Pe. Carlo Torriani:- "Sem dúvida existe esse espaço, aliás, ele certamente servirá para mostrar a boa intenção dos cristãos, ao passo que essas organizações, que fazem provocações, vivem ainda no clima de colonialismo do século passado." (RL)
Fonte: 23/09/2008 19.57.18- http://storico.radiovaticana.org/bra/storico/2008-09/232997_mais_um_sacerdote_catolico_e_assassinado_na_india.html
Ataques a cristãos deixam 100 mortos na Índia
Sábado, 30/08/2008 - 16:04
Roma - Os ataques à comunidade cristã continuam em Orissa e em outros estados da Índia, onde se estimam mais de "cem mortes", enquanto milhares desabrigados pedem ajuda, informou neste sábado a agência católica Asianews.
Segundo o informe, ao menos dez mil pessoas se dirigiram para os centros de assistência nos últimos dias.
As pessoas também procuraram refúgio nos bosques para escapar da violência dos extremistas hindus, e segundo fontes há ao menos "cem mortos".
A Conferência Episcopal Indiana, ao contrário, fala em 20 vítimas.
Os ataques aos cristãos foram desencadeados pelo assassinato de um guru hindu; ao mesmo tempo, aumentam os protestos contra o governo e a polícia, acusados de não fazerem nada para acabar com violência.
Em sinal de protesto, foram fechadas 45 mil escolas, 25 mil igrejas católicas e outras 20 mil igrejas cristãs, informou o site da Conferência Episcopal Indiana.
O Bharatiya Janata Party (BJP), o maior partido de oposição na Índia e próximo aos extremistas hindus, segundo a Asianews, condenou os protestas de ontem, acusando os católicos de "ter obrigado estudantes não cristãos a participar das manifestações de protesto".
http://www.jornaldamidia.com.br/noticias/2008/08/30/Mundo/Ataques_a_cristaos_deixam_100_mor.shtml
E sabe qual foi a resposta para esse ataque infame?
Em julho de 2008, uma severa perseguição contra os cristãos irrompeu no estado indiano de Orissa. Uma freira de 22 anos de idade foi queimada até a morte quando Multidões enfurecidas incendiaram um orfanato em Khuntpali vila do Distrito de Barhgarh, outra freira foi brutalmente estuprada em Kandhamal por uma gangue. Multidões atacaram igrejas, queimaram veículos, casas de cristãos... No episódio o Pe. Chellen Thomas, diretor do centro pastoral, que foi destruído com uma bomba, escapou por pouco após uma multidão hindu tentar lança-lo ao fogo. O resultado final foi um saldo de mais de 500 cristãos mortos, e milhares de outros feridos e desabrigados após terem suas casas reduzidas a cinzas.
Recentemente, um evento estranho e dramático vem ocorrendo em Orissa. Nos últimos meses, as manadas de elefantes selvagens começaram a atacar as aldeias daqueles que foram os piores perseguidores dos cristãos durante os distúrbios. Em uma aldeia, onde, no ano passado, os cristãos tiveram que fugir para salvar suas vidas, enquanto suas casas eram destruídas pelos manifestantes, uma manada de elefantes surgiu da floresta circundante exatamente um ano depois, em julho de 2009, no mesmo dia do ataque. Os elefantes atacaram primeiramente uma máquina de trituradores de propriedade de um dos principais líderes do movimento de perseguição.
Em seguida, passou a destruir sua casa e fazendas. Centenas de moradores foram obrigados a refugiar-se em acampamentos no estado indiano de Orissa, após repetidos ataques pelas furiosas manadas. Semanas depois sete pessoas foram mortas e várias ficaram feridas após outro ataque de elefantes no distrito de Kandhamal.
Mais de 2.500 pessoas que vivem em 45 vilarejos foram afetadas pelos ataques, disse Kumar chefe do distrito Krishen. Segundo o mesmo, os elefantes migraram do santuário Lakheri em um bairro vizinho. Ele informou que a manada teria viajado cerca de 300 km em Kandhamal e entrado no distrito. Oficiais estavam acampados no local dos ataques para tentar descobrir o motivo pelo qual os elefantes teriam saído do seu santuário.
Os moradores dizem que os elefantes atacam suas áreas em rebanhos, causando grande destruição. Ganhando impulso, eles invadiram outras casas de famílias cristãs. As manadas, no entanto, demoliram casas e jardins dos Hindus, deixando intocados os lares Cristãos.
Estes estranhos ataques se espalharam, e de acordo com um relatório, os elefantes já destruíram mais de 700 casas em 30 aldeias, e mataram cinco pessoas. Ninguém nestas áreas tinham visto ou sequer imaginavam manadas de elefantes selvagens como estas. “Os elefantes não são normais, eles parecem estar em uma missão”.
Normalmente, os elefantes menores entram primeiramente na vila. Em seguida reuni-se ao rebanho onde seguindo o elefante maior começam o trabalho.
O ministério Indiano, afirmou: Pensamos que os ataques podem ter algo a ver com uma vingança pelo sangue dos mártires. De fato, o temor de Deus caiu sobre o povo local, que apelidaram os elefantes de ”elefantes cristãos”.
Com pouca ajuda vinda da administração, os moradores fizeram bloqueios nas estradas como medidas preventivas. “Os elefantes destruíram plantações e casas selecionadas”. Os funcionários também expressaram desamparo: “Não há habitat permanente dos elefantes em Sudargarh. Eles vêm de Bihar, Chhattisgarh e Jharkhand onde seu habitat foi encolhido pelos moradores. Mas, não está claro como e porque eles atingiram Orissa.
As informações são da Arquidiocese de Orissa e disponibilizadas pelo Rotary Caeli.O texto foi traduzido e adaptado por mim apesar de meu inglês limitado.
E tem mais...
Ataque a catedral católica em Bagdá termina com 52 pessoas mortas
Foto: Sabar Arah/AFP
Além dos mortos, 67 pessoas ficaram feridas quando forças de segurança tentaram liberar reféns
Da Redação, com AFP
mundo@eband.com.br
A missa em uma igreja no centro de Bagdá, no Iraque, terminou com a morte de 52 pessoas, além de 67 feridos, na noite de domingo, quando um grupo de segurança invadiu o edifício para libertar 100 pessoas que eram feitas reféns pela Al-Qaeda.
Com mortes de civis, policiais e insurgentes, o ataque, cometido na véspera do Dia de Todos os Santos, foi um dos mais violentos contra os cristãos no Iraque.
Mais de 100 pessoas foram feitas reféns no templo de Saiydat al Najat (Nossa Senhora do Perpétuo Socorro) no momento da invasão pelos extremistas. Eles reivindicavam a libertação de todos os membros da Al Qaeda presos no Iraque e no Egito.
Às 21h locais (16h no horário de Brasília), as forças de segurança iraquianas iniciaram a invasão, apoiadas pelas tropas americanas – que apesar do fim da missão de combate em agosto podem utilizar a força se forem atacadas ou receberem um pedido de ajuda de Bagdá.
Segundo a Igreja, os católicos no Iraque, que representavam 2,89% da população em 1980 (378 mil), representavam 0,94% em 2008 (301 mil).
Redação: Helton Simões Gomes
Fonte: http://www.band.com.br/jornalismo/mundo/conteudo.asp?ID=100000363612
E mais...
Igrejas Católicas Atacadas/Perseguição aos Cristãos!
Em Apostasia Conversão Família por DANIEL PORFIRIO — 16 abril 2010 as 7:25 | 1 comentário
A foto acima mostra um atack a uma igreja católica na Malásia
” Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.
Exultai e alegrai-vos, porque grande é o vosso galardão nos céus: porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.” Mt 5:11,12
Estas são algumas fotos de cristãos sendo perseguidos, torturados, e até mesmo sendo mortos por Crerem em Jesus Cristo.
na China,India ,paises muçulmanos e em toda parte do mundo!
igreja na India queimada carro com mercadorias de cristãos queimado
Ultimamente tem aumentado muito o ódio a nosso Divino Salvador. Em diversas nações, basta alguém se dizer cristão para ficar sujeito a uma perseguição atroz.
A organização Renew America publicou em janeiro, no seu site, uma reportagem intitulada O silencioso holocausto de mártires cristãos — uma advertência do que está por vir?. Para que os leitores sintam a gravidade do problema, e também para que rezem na intenção desses mártires a fim de eles persistirem na fidelidade à fé, seguem alguns trechos.
Biblias queimadas por perseguidores de critãos
“Está havendo um holocausto silencioso de mártires cristãos em todo o mundo. Enquanto se relatam, por vezes, fatos individuais de assassinato e mutilação, o padrão geral de violência é ignorado pela mídia, pelas Nações Unidas e pela maioria dos governos nacionais. Os autores das atrocidades pertencem essencialmente a dois grupos: os governos islâmicos fundamentalistas e os controlados pelos comunistas.
menina vítima de queimaduras pelos perseguidores na India
Queima de várias igrejas na Malásia; mortes de cristãos a tiros, após a missa da meia-noite, quando saíam das igrejas; batidas policiais na Arábia Saudita, contra os grupos de oração privada. Todos os ataques tiveram o mesmo resultado: morte e destruição.
igreja queimada na india
Na Arábia Saudita, nenhuma igreja cristã é permitida. A polícia religiosa do país está sempre em estado de alerta em relação às atividades não-muçulmanas, incluindo grupos privados de oração, leituras da Bíblia.
No Egito, assassinato de sete cristãos e uma tentativa de matar o bispo da área; estupros, seqüestros, conversões forçadas ao Islamismo.
menina martire morreu queimada
Perseguição de muçulmanos a cristãos estão documentadas na Nigéria e na Indonésia. Ataques implacáveis contra cristãos levaram 400.000 a 500.000 cristãos iraquianos a fugir do país, e muitos dos restantes são refugiados internos, cidadãos deslocados em sua própria nação, com medo de retornar às suas casas.
igreja queimada
Fanáticos hindus também têm causado sofrimento grave e permanente aos cristãos na Índia, atacando o clero, religiosas, fiéis e igrejas.
* * *
Politicamente inspirada, a opressão dos cristãos continua como uma característica constante do mundo comunista, apesar das ‘reformas’.
Os líderes comunistas do Vietnã deram ordem a cerca de 1.000 policiais para destruírem um grande e centenário crucifixo num cemitério. Alguns fiéis protestaram e foram agredidos. Dois deles foram levados para um hospital, onde lhes foi negado tratamento. O pároco e os membros da congregação paroquial tomaram as vítimas com ferimentos graves e as levaram para outro hospital.
No vizinho Laos, funcionários do governo comunista acusam o Cristianismo de ser uma ‘religião estrangeira que deve ser abominada’; e ameaçaram grupos de cristãos com a morte, caso persistam em suas crenças.
Na China, a Igreja Católica não oficial, que não aderiu ao comunismo, vive sob constante ameaça de ataques. Paroquianos, sacerdotes e bispos convivem com a possibilidade – e por vezes com a realidade assustadora – de serem detidos, sujeitos a interrogatórios prolongados e prisão.
Na neomarxista Venezuela, o virtual ditador Hugo Chávez acusou a Igreja Católica de ser um ‘tumor’ na sociedade venezuelana. Em Cuba e na Nicarágua, a tensão persiste entre a Igreja e o Estado comunista.
Bispos católicos estão enfrentando lutas semelhantes no Equador e na Bolívia, onde clones de Chávez tentam substituir a fé cristã pela doutrina do Partido Comunista, ou então miná-la com apelos às religiões ‘tradicionais’ (pré-colombianas), cujos líderes cooperam com o governo marxista.
A perseguição de militantes islâmicos e comunistas às populações cristãs vulneráveis é um aviso a propósito das coisas que estão por vir para o resto da humanidade”.
* * *

No Brasil, essa perseguição ainda não adquiriu um caráter abertamente sanguinário, mas vai crescendo através de leis, sentenças judiciais e atos do Executivo
Fonte: http://reporterdecristo.com/igrejas-catolicas-atacadasperseguicao-aos-cristaos/
INDONÉSIA: CATÓLICOS CONDENADOS À MORTE NÃO SERÃO MAIS EXECUTADOS
Jacarta, 22 ago (RV) - "Graças a Deus, não se executará a condenação à morte dos três católicos à espera da execução, em Palu, nas ilhas Sulawesi (Célebes), na Indonésia": foi o que disse Mons. Rugambwa Novatus, da Nunciatura Apostólica em Jacarta. "Fui informado há três dias, pela polícia indonésia, que a condenação à morte não será mais executada como fora anunciado" _ disse o sacerdote.
Os três católicos _ Fabianus Tibo, Dominggus Silva e Marinus Riwu _
condenados por causa dos conflitos inter-religiosos no ano 2000, em Poso, nas ilhas Sulawesi, deveriam ter sido executados no dia 12 de agosto, mas a execução fora adiada para o dia 20.
Mons. Novatus disse à agência de notícias ANSA que "se a Corte Suprema rejeitou a última tentativa dos advogados, de apelar da sentença, na realidade parece que a vontade do governo é de não levar a termo a condenação". É mais provável que, por meio de um jogo de contínuas mudanças na data da execução, Tibo e os seus companheiros possam livrar-se da condenação à morte, apesar de isso não significar liberdade.
"Outra possibilidade _ acrescentou Mons. Novatus _ seria a de um ato de clemência do presidente indonésio. Há mais de um ano, a Nunciatura solicitou ao presidente, esse gesto de clemência. Também o Papa interveio, recentemente."
"Tenho a sensação _ explicou Mons. Novatus _ que está crescendo, entre a opinião pública, a tendência a favorecer a abolição da pena de morte que, ainda contemplada pela legislação indonésia. Se a execução dos terroristas de Bali, prevista para esta terça-feira (22), mas adiada diversas vezes, for executada, é possível que uma parte significativa da sociedade indonésia peça a execução dos três católicos, como forma de manter o equilíbrio."
"Entretanto _ concluiu o sacerdote _ aumenta a esperança de que ambas as condenações sejam anuladas, justamente pelo aumento da consciência, na sociedade civil, em favor da erradicação da pena capital no país. (MZ)
Fonte: http://storico.radiovaticana.org/bra/storico/2006-08/92029_indonesia_catolicos_condenados_a_morte_nao_serao_mais_executados.html
E qual será a nossa resposta diante desses absurdos que acontecem contra nossos irmãos e irmãs que são atacados e a mídia, não dá a mínima já preferem estar ao lado dos poderosos? Devemos está preparados pois isso é só o inicio. E esta realidade não está tão longe de nosso Brasil:
Vaticano
Papa recebe Visita Ad Limina dos bispos do Regional Nordeste 3
VATICANO, 02 Set. 10 / 02:02 pm (ACI).- Prossegue a visita Ad Limina Apostolorum dos bispos do Regional Nordeste 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), conformado pelos Estados da Bahia e Sergipe. Esta manhã, o Papa recebeu na residência apostólica, em Castel Gandolfo, o Arcebispo de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil, Cardeal Geraldo Majella Agnello, os bispos auxiliares de São Salvador da Bahia, Dom Josafá Menezes da Silva, Dom João Carlos Petrini e Dom Gregório Paixão Neto, o bispo de Alagoinhas (BA), Dom Paulo Romeu Dantas Bastos, e o Bispo de Amargosa (BA), Dom João Nilton dos Santos Souza.
Em entrevista à Rádio Vaticano, o presidente do Regional, dom Ceslau Stanula, falou sobre o significado da visita e afirmou que esta “é o ato mais importante do nosso serviço episcopal. Aqui nós visitamos as quatro basílicas e o santo padre, o papa. A visita representa o símbolo da nossa unidade como Igreja. Encontramos-nos com vários dicastérios romanos, para com eles trocarmos nossas idéias e ouvir o que eles têm a dizer sobre a experiência da Igreja no mundo inteiro”.
Ainda na quarta-feira, os bispos celebraram a Eucaristia na Basílica Papal de Santa Maria Maior. A missa foi presidida pelo arcebispo de São Salvador (BA) e primaz do Brasil, cardeal Geraldo Majella Agnello e concelebrada por 26 bispos.
Dom Geraldo também pronunciou a homilia da celebração, na qual falou sobre a história da basílica papal de Santa Maria Maior.
“Depois do Concílio de Éfeso, em 431, o papa Cisto III, erigiu em Roma a basílica dedicada à Mãe de Deus, depois chamada de Santa Maria Maior. Essa é a mais antiga Igreja do ocidente dedicada à santíssima virgem [...]”, afirmou o Cardeal. Ele também destacou o significado da visita Ad Limina.
“Faço minhas as doces palavras do salmista Davi. ‘ Vede como é bom, como é suave, os irmãos viverem bem unidos’. Eu também digo: vede como é bom nós termos vindo aqui por motivo da nossa visita ao santo padre; reunidos, somos irmãos’” concluiu Dom Majella.
Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=19967
Católicos acordem enquanto ainda é tempo. Não se calem, pois é omissão que é pecado grave, e não baixem a cabeça, pois o Brasil foi fundado com uma missa e nome de Terra de Santa Cruz.

domingo, 7 de novembro de 2010

5º Domingo depois da Epifania - 24º Pós Pentecostes: "Enquanto dormiam, veio o inimigo e semeou o joio". (Ev.)

[SermonOntheMount.jpg]
A Nossa vocação à fé é uma graça. Fomos chamados por misericórdia a fazer parte do corpo místico do Senhor. Sendo ser necessário agora, em virtude deste procedimento do Senhor para conosco, e da nossa própria natureza renovada de membros de Cristo, que usemos de misericórdia com todos. Esta caridade perfeita é difícil, sem dúvida. Supõe-se que a perseverança e o esforço continuado nos faça muitas das vezes deixar sangue no caminho, porque o Reino de Deus na terra está em via de consumação. Ainda não é perfeito. E entre o trigo louro dos campos que vivem a vagar inebriantes de bondade, lá aparece também o joio, que nos morde com ferocidade indomada. Mas não nos compete arrancá-lo. Mas nos compete sim, a transformá-lo em trigo. E poderemos fazê-lo com o nosso sangue e caridade. Às vezes há joio pelo simples fato de que falta alguém que lhe dê caridade.Evangelho de Domingo:
Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus: Naquele Tempo:
Jesus propôs-lhes outra parábola: O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo.
Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu.
O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio.
Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: - Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio?
Disse-lhes ele: - Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: - Queres que vamos e o arranquemos?
- Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo.
Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

INTRODUÇÃO AO CATECISMO ROMANO: Mandamentos e Sacramentos

Mandamentos da lei de Deus
Os mandamentos da lei de Deus são dez: os três primeiros pertencem à honra de
Deus e os outros sete ao proveito do próximo.
1) Amar a Deus sobre todas as coisas.
2) Não tomar seu santo nome em vão.
3) Guardar os domingos e festas.
4) Honrar pai e mãe.
5) Não matar.
6) Não pecar contra a castidade.
7) Não furtar.
8) Não levantar falso testemunho.
9) Não desejar a mulher do próximo.
10) Não cobiçar as coisas alheias.
Estes dez mandamentos se encerram em dois:
Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.
Mandamentos da Igreja
Os mandamentos da Igreja são cinco:
1) Ouvir Missa inteira nos domingos e festas de guarda.
2) Confessar-se ao menos lima vez cada ano.
3) Comungar ao menos pela Páscoa da Ressurreição.
4) Jejuar e abster-se de carne, quando manda a santa madre Igreja.
5) Pagar dízimos, segundo o costume.
Sacramentos
Os sacramentos instituídos por Jesus Cristo são sete :
1) Batismo.
2) Confirmação.
3) Eucaristia.
4) Penitência ou Confissão.
5) Extrema Unção.
6) Ordem.
7) Matrimônio.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

2 DE NOVEMBRO, COMEMORAÇÃO DE TODOS OS FIÉIS DEFUNTOS

A festa de Todos os Santos anda inteiramente ligada à lembrança das almas ainda detidas no purgatório para expiar as faltas veniais e se purificarem da pena temporal que merecem pelos pecados cometidos, mas que no entanto estão confirmada em graça que hão de entrar no Céu um dia. Depois de celebrar com alegria a Igreja Triunfante do Céu, a Igreja da Terra estende sua solicitude maternal ao lugar de tormentos indivisíveis onde vivem as almas em estado de purificação, as quais pertencem igualmente a Igreja e à comunhão dos justos. Hoje, diz o martirológio romano, comemoração de todos os fiéis defuntos. "A nossa e comum piedosa mãe, a Igreja, depois de celebrar condignamente a memória dos seus filhos que já entraram na glória, procura auxiliar com sua poderosa intercessão junto a Jesus Cristo, seu esposo e Senhor, todos aqueles que gemem ainda nas penas do purgatório, para que se abreviem os dias de exílio e se vão reunir a sociedade dos Santos". Em nenhum outro lugar da liturgia se afirma, de modo tão realmente e belo, o misterioso vínculo que une num só corpo a Igreja Militante, Padecente e Triunfante. Nunca de certo se cumpriu de modo palpável o duplo dever de caridade que deriva para todo o cristão do fato da sua mesma incorporação no corpo Místico de Cristo. Em virtude do dogma tão consolador da comunhão dos santos, podem os merecimentos e sufrágios de qualquer de nós pode circular nas veias deste corpo santíssimo e afluir em ondas de vida nova e de consolador auxílio aos membros mais distantes e necessitados. De maneira que, sem lesar os direitos invioláveis da justiça divina que será aplicada em todo o rigor após esta vida, a Igreja pode conjugar as preces da terra e do Céu e suprir com elas o que falta às almas do purgatório, aplicando a estas almas santíssimas os merecimentos de Jesus Cristo por meio do Santo Sacrifício da missa, das indulgências, das esmolas e das demais obras de caridade. A liturgia, que tem como centro o Santo sacrifício do Calvário perpetuado nos nossos Altares, foi em todos os tempos o meio principal de que a Santa Igreja se serviu no cumprimento deste dever para com os que nos precederam. Começamos a encontrar nas missas dos defuntos já no século V. A Santo Odilo, IV Abade do mosteiro de Cluny, se deve portanto a celebre comemoração dos fiéis defuntos que ele instituiu no ano de 978 e mandou ser celebrada no dia seguinte a festa de todos os Santos. A influência desta ilustre congregação francesa estendeu em breve esta celebração em todo o mundo cristão. Por concessão de Bento XIV, todos os padres de Portugal, Espanha e Conquistas podem celebrar até três missas no dia 2 de Novembro. Este privilégio fora estendido por bento XV a toda Igreja Universal no ano de 1915. "As almas do purgatório, diz o Concílio de Trento, podem ser socorridas com sufrágio dos fiéis e de modo particularmente eficaz com a celebração da Santa Missa". E a razão disso reside no fato de que o sacerdote oferece a Deus oficialmente o resgate das almas, quer dizer o sangue de Jesus Cristo, em que o mesmo Senhor Jesus Cristo se oferece ao pai sob as espécies do pão e do vinho no ato do mesmo sacrifício do Senhor. Todos os dias no coração do cânon da missa, o sacerdote, em momento especial, em memória dos que adormeceram no Senhor e pede para eles o refrigério da luz e da paz. Não há pois dia, e missa que a Igreja não ore pelos mortos. Hoje porém, lembra-se particularmente de todos, preocupada com não deixar nenhum dos seu filhos sem o seu maternal socorro. Assistamos a todos a missa do dia 2 de Novembro e peçamos a Deus para os nossos mortos, que nada podem por si, a remissão dos pecados e o repouso eterno. Visitemos também os cemitérios, onde repousam, até que se complete para eles a vitória de Jesus Cristo sob o pecado e ressurjam revestido de glória para cantar os louvores de Deus para sempre.


Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

1º DE NOVEMBRO, SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS



O templo de Agripa fora consagrado no tempo de Augustus a todos os deuses do paganismo e por esse motivo denominado de Panteão. Bonifácio VIII mandou transladar para lá as relíquias de todos os mártires encontrado nas catacumbas e no dia 13 de Maio do ano 610 dedicou esta nova basílica a Todos os Mártires e a Mãe de Deus. A festa desta dedicação foi retomando com o tempo um caráter universal, sendo mais tarde consagrada a Virgem Santíssima e Todos os Santos, celebrada em dias diferentes nas diversas igrejas, e no ano de 835 fora fixada por Gregório IV no dia 1º de Novembro, Gregório VIII transferiu esta data a dedicação do Panteão. A festa de Hoje recorda pois e celebra a vitória do Deus Verdadeiro contra as falsas divindades do mundo pagão. Em razão de sua origem, a missa de hoje vai buscar numerosos textos da liturgia dos mártires. A Santa Igreja coloca-nos debaixo dos olhos a admirável visão do Céu, a visão dos doze mil inscritos (12 por ser um número perfeito e indica a plenitude) de cada tribo de Israel e da multidão sem conta, procedente de todos os povos, línguas e tribos, todos de pé diante do Cordeiro, vestidos de branco e palmas nas mãos. Jesus Cristo, Maria Santíssima, as falanges dos espíritos bem-aventurados distribuídos em nove coros, os apóstolos, os mártires envoltos na púrpura do sangue que verteram, os confessores vestidos de branco, o coro casto das virgens formam um majestoso cortejo.



Compõe-se dos que na terra andaram nos passos de Jesus, dos pobres de espírito, dos mansos, dos aflitos, dos que sofreram fome e sede de justiça, dos misericordiosos, dos puros, dos pacientes, dos que foram perseguidos pelo nome de Jesus. Alegrai-vos lhe dizia o Mestre, porque a vossa recompensa será grande nos Céus. Entre estes milhares de justos que foram discípulos fiéis de Jesus encontramos muitos de nossos parentes, amigos, filhos de nossa terra e de nossa aldeia, e que agora participam da glória de Cristo, Rei dos reis e coroa dos santos. Ao assistimos a missa de hoje lembremo-nos do sacerdócio de Cristo na terra, exercido invisivelmente nos nossos altares e que se identifica com o que é visivelmente no Céu. Os altares da terra onde reside o cordeiro de Deus e nos altares do Céu onde o cordeiro se ostenta de pé e em estado de vítima são um e o mesmo altar.
Confessores
Mártires
Virgens
Apóstolos
Doutores
Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960