terça-feira, 31 de maio de 2011

31 de Maio – FESTA DE NOSSA SENHORA RAINHA


Elias, O Profeta
Por uma espécie de instinto sobrenatural, o povo cristão em todos os tempos reconheceu a realeza da Mãe daquele que é o "Rei dos reis e Senhor dos Senhores". Deste comum sentir fizeram-se intérpretes autorizados, no decorrer dos séculos, os Santos padres. Os Doutores da Igreja, os Sumos Pontífices. Desta crença encontramos claro testemunho nos esplendores da arte sagrada e na liturgia. Os teólogos, por seu turno, não se têm cansado de mostrar a conveniência do título de realeza da Mãe de Deus, tão intimamente associada com a obra redentora de seu Divino Filho, ela a Medianeira de todas as graças.

No sentido de corresponder os votos unânimes de fiéis e pastores, São Pio XII, pela Carta Encíclica Ad Caeli Reginam, de 11 de Outubro de 1954, que seus corações todo mundo cristão vinha já prestando à Soberana Rainha do Céus e da Terra.

A Epístola apresenta-nos o reinado da Sabedoria, cujas prerrogativas a Liturgia aplica a Santíssima Virgem. O Evangelho anuncia o reinado de Cristo, fonte do reinado de sua Mãe.

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

2ª, 3ª e 4ª Feira das Rogações


Em conseqüência das calamidades públicas que no século V caíram sobre a diocese de Viena, no Delfinado, São Marmeto organizou uma procissão solene de penitência nos três dias que precedem imediatamente a Ascensão. Mais tarde, em 511, o concílio de Orleans estendeu este costume a toda França e Leão III em 816 adotou-o em Roma, donde passou a toda Igreja.

A ladainha dos santos, os salmos e as orações são tudo uma oração de súplica, recebendo por este motivo o nome de rogações. Tem por fim afastar os flagelos da justiça divina e atrair as bênçãos e a misericórdia de Deus.

As ladainhas são um modelo admirável de oração; pequenas jaculatórias dialogadas, brevíssima, e a ressumar sentido e piedade.

Todas a missa de hoje mostra a eficácia da oração do justo, quando é humilde e perseverante. Elias fechou e abriu os céus, orando, e o Senhor diz-nos que Deus escuta e despacha a oração dos que pedem em seu nome e com perseverança. Quando nos sentimos atribulados, confiemos em Deus que Ele nos há de ouvir como ouviu o filho.
Evangelho do dia:



Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São Lucas: Naquele tempo:
Em seguida, ele continuou: Se alguém de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite, e lhe disser: Amigo, empresta-me três pães,
pois um amigo meu acaba de chegar à minha casa, de uma viagem, e não tenho nada para lhe oferecer;
e se ele responder lá de dentro: Não me incomodes; a porta já está fechada, meus filhos e eu estamos deitados; não posso levantar-me para te dar os pães;
eu vos digo: no caso de não se levantar para lhe dar os pães por ser seu amigo, certamente por causa da sua importunação se levantará e lhe dará quantos pães necessitar.
E eu vos digo: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Pois todo aquele que pede, recebe; aquele que procura, acha; e ao que bater, se lhe abrirá.
Se um filho pedir um pão, qual o pai entre vós que lhe dará uma pedra? Se ele pedir um peixe, acaso lhe dará uma serpente?
Ou se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á porventura um escorpião?
Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celestial dará o Espírito Santo aos que lho pedirem.

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

Preparação para a morte: Retrato de um homem que acaba de expirar



ADVERTÊNCIA IMPORTANTE SOBRE O OBJETIVO DESTA OBRA
Pediram-me algumas pessoas que lhes proporcio-nasse um livro de considerações sobre as verdades eternas e que se destinasse às almas zelosas de sua perfeição e do progresso no caminho da vida espiri-tual. Outras reclamavam um compêndio de matérias próprias para as prédicas em missões e exercícios espirituais. Para não multiplicar livros, trabalhos e despesas, entendi ser conveniente escrever a obra presente na forma que se vai ler, a fim de que possa servir para ambos os fins. Encontrarão nela os leigos assunto para meditar, por meio de três pontos em que é dividida cada consideração, e, como qualquer desses pontos pode servir para uma meditação com-pleta, adicionei-lhes afetos e súplicas. Rogo ao leitor que se não enfade ao ver que nestas orações se pe-de continuamente a graça da perseverança e a do amor de Deus, porque estas são as duas graças mais necessárias para alcançar a salvação eterna.
A graça do amor divino — disse São Francisco de Sales — é aquela que contém em si todas as demais, porque a virtude do amor para com Deus traz consigo todas as outras virtudes. Quem ama a Deus é humil-de, casto, obediente, mortificado... possui, enfim, as virtudes todas.
Por isso, dizia Santo Agostinho:
"Ama a Deus e faze o que quiseres," pois aquele que ama a Deus evitará a todo transe ofendê-lo e só procurará agra-5
dar-lhe em tudo.
Quanto à graça da perseverança, é por meio dela que se alcança a salvação eterna. Disse São Bernar-do que o céu foi prometido aos que começam a viver santamente, mas que não é dado senão aos que per-severam até ao fim.
Ora, a graça da perseverança, segundo ensinam os Santos Padres, só se concede àqueles que a pe-dem. Portanto — afirma S. Tomás, — requer-se con-tínua oração para entrar na glória, segundo o disse antes Nosso Salvador:
"Convém orar sempre e não desfalecer" (Lc 18,1). Tal é a causa por que muitos pecadores, ainda que hajam sido perdoados, não perseveram na graça de Deus: alcançam o perdão mas se esquecem de pedir a Deus a perseverança, principalmente no tempo das tentações, e recaem miseravelmente. Ainda que o dom da perseverança seja inteiramente gratuito e não o possamos merecer por nossas obras, podemos, todavia, — diz o Pe. Su-árez, — obtê-lo infalivelmente pela oração, segundo já havia dito Santo Agostinho.
Esta necessidade da oração demonstraremos desenvolvidamente em outro opúsculo, que em breve publicaremos, intitulado:
A Oração, o grande meio, obra essa que, apesar de breve e, portanto, de baixo custo, é fruto de largo trabalho e, no meu pensar, uti-líssima para todos.
Atrevo-me assim a assegurar que, entre todos os 6
livros espirituais, não há nem pode haver nenhum mais útil nem mais necessário para alcançar a salva-ção eterna do que esse que trata da oração.
A fim de que as presentes considerações possam servir para a pregação dos sacerdotes, que têm pou-cos livros ou que não dispõem de tempo para os ler, acrescentei-lhes alguns textos da Escritura e passa-gens dos Santos Padres. Estas citações, ainda que breves, encerram elevado conceito, como convém à pregação da palavra de Deus. É de observar que os três pontos de cada consideração formam um sermão completo. Por isso, procurei recolher, em muitos au-tores, os afetos que me pareceram mais próprios pa-ra mover o ânimo, expondo-os com variedade e con-cisão, a fim de que o leitor escolha aqueles que mais lhe agradem e os desenvolva à sua vontade.
Seja tudo para a glória de Deus.
Viva Jesus, nosso amor, e Maria, nossa esperança.


Pulvis es et in pulverem reverteris.

És pó e em pó te hás de tornar (Gn 3,19)


PONTO I

Considera que és pó e que em pó te hás de con-verter. Virá o dia em que será preciso morrer e apo-drecer num fosso, onde ficarás coberto de vermes. A todos, nobres e plebeus, príncipes ou vassalos, esta-rá reservada a mesma sorte. Logo que a alma, com o último suspiro, sair do corpo, passará à eternidade, e o corpo se reduzirá a pó.

Imagina que estás em presença de uma pessoa que acaba de expirar. Contempla aquele cadáver, estendido ainda em seu leito mortuário: a cabeça in-clinada sobre o peito; o cabelo em desalinho e ba-nhado ainda em suores da morte, os olhos encova-dos, as faces descarnadas, o rosto acinzentado, os lábios e a língua cor de chumbo; hirto e pesado o corpo. Treme e empalidece quem o vê. Quantas pes-soas, à vista de um parente ou amigo morto, muda-ram de vida e abandonaram o mundo.

É ainda mais horrível o aspecto do cadáver quando começa a corromper- se. Nem um dia se passou após o falecimento daquele jovem, e já se 8

percebe o mau cheiro. É preciso abrir as janelas e queimar incenso; é mister que prontamente levem o defunto à igreja, ou ao cemitério, e o entreguem à terra para que não infeccione toda a casa. Mesmo que aquele corpo tenha pertencido a um nobre ou potentado, não servirá senão para que exale ainda fetidez mais insuportável, — disse um autor.

Vês o estado a que chegou aquele soberbo, a-quele dissoluto! Ainda há pouco, via-se acolhido e cortejado pela sociedade; agora tornou-se o horror e o espanto de quem o contempla. Os parentes apres-sam-se a afastá-lo de casa e pagam aos coveiros pa-ra que o encerrem em um esquife e lhe dêem sepul-tura. Há bem poucos instantes ainda se apregoava a fama, o talento, a finura, a polidez e a graça desse homem; mas apenas está morto, nem sua lembrança se conserva.

Ao ouvir a notícia de sua morte, limitam-se uns a dizer que era homem honrado; outros, que deixou à família grande riqueza. Contristam- se alguns, porque a vida do falecido lhes era proveitosa; alegram-se ou-tros, porque vão ficar de posse de tudo quanto tinha. Por fim, dentro em breve, já ninguém falará nele, e até seus parentes mais próximos não querem ouvir falar dele para não se lhes agravar a dor que sentem. Nas visitas de condolências, trata-se de outro assun-to; e, quando alguém se atreve a mencionar o faleci-do, não falta um parente que advirta: Por caridade, não pronuncies mais o seu nome! Considera que as-9

sim como procedes por ocasião da morte de teus pa-rentes e amigos, assim os outros agirão na tua. Os vivos entram no cenário do mundo para desempe-nhar seu papel e ocupar os lugares dos mortos; mas do apreço e da memória destes pouco ou nada cui-dam.

A princípio, os parentes se afligem por alguns di-as, mas se consolam depressa com a parte da he-rança que lhes couber e, talvez, parece que até a tua morte os regozija. Naquela mesma casa onde exalas-te o último suspiro, e onde Jesus Cristo te julgou, passarão a celebrar-se, como dantes, banquetes e bailes, festas e jogos. E tua alma, onde estará então?


AFETOS E SÚPLICAS

Agradeço-vos, meu Jesus Redentor, o não me terdes deixado morrer quando incorrera no vosso desagrado! Há quantos anos já, mereci estar no inferno! Se eu tivesse morrido naquele dia, naquela noite, que teria sido de mim por toda a eternidade? Senhor, dou-vos graças por esse benefício. Aceito minha morte em satisfação de meus pecados e a-ceito-a tal qual me quiserdes enviar; mas, já que haveis esperado até esta hora, esperai mais um pouco ainda. Dai-me tempo de chorar as ofensas que vos fiz, antes que chegue o dia em que tereis de julgar-me.

Não quero resistir, por mais tempo, ao vosso chamado. Talvez, estas palavras que acabo de ler, 10

sejam para mim vosso último convite! Confesso que não mereço misericórdia. Tantas vezes me tendes perdoado, e eu, ingrato, tornei a vos ofen-der! Senhor, já que não sabeis desprezar nenhum coração que se humilha e se arrepende (Sl 50,19), eis aqui um traidor, que arrependido recorre a vós! Por piedade, não me repilais de vossa presença (Sl 50,13). Vós mesmo dissestes: "aquele que vem a mim, não o desprezarei" (Jo 6,37). É verdade que vos ofendi mais que os outros, porque mais que os outros fui favorecido por vossa luz e vossa graça. Mas anima-me o sangue que por mim derramastes, e me fez esperar o perdão se me arrepender since-ramente. Sim, Sumo Bem de minha alma, arrepen-do-me de todo o coração de vos ter desprezado.



Perdoai-me e concedei-me a graça de vos amar para o futuro. Basta de ofensas. Não quero, meu Jesus, empregar o resto de minha vida em injuriar-vos; quero unicamente empregá-la em chorar sem cessar os ultrajes que vos fiz, e em amar-vos de todo o coração. Ó Deus, digno de amor infinito! Ó Maria, minha esperança, rogai a Jesus por mim!

Fonte: Preparação para a Morte - Santo Afonso Maria de Ligório - Considerações sobre as verdades eternas - Tradução de Celso de Alencar - Versão PDF de FL. Castro - 2004

domingo, 29 de maio de 2011

30 de Maio – Santa Joana D'arc, Virgem e Martir


Elias, O Profeta
Nascida em Domremy , Champagen , França em 1412 , morreu em Rouen em 31 de maio de 1431. O pai de Joana, Jaques D’Arc era um fazendeiro e Joana nunca aprendeu a ler ou a escrever. Quando ela tinha 13 ou 14 anos ela teve a sua primeira experiência mística. Ela ouviu uma voz chamando-a e acompanhada de uma luz. Ela recebeu as visões quando cuidava das ovelhas do seu pai. Visões posteriores eram compostas de mais vozes e ela foi capaz de identificar as vozes como sendo de São Miguel, Santa Catarina de Alexandria e Santa Margarete entre outras. Em 1428 suas mensagens tinham um fim especifico. Era para se apresentar-se para Robert Bauricourt , que comandava o exercito do rei na cidade próxima. Joana convenceu um tio a leva-la, mas Robert riu dela e comentou com o seu pai que ele deveria disciplina-la.Mas as visões continuaram e secretamente ela deixou sua casa e retornou a Vancoulers. Baudricourt duvidou dela, mas modificou sua posição quando chegaram as noticias de sérias derrotas nas batalhas de Herrings do lado de fora de Orleans em fevereiro de 1429 exatamente conforme Joana havia predito. Ele enviou Joana com uma escolta para o falar com o Rei e ela escolheu viajar disfarçada com roupas de homem para sua própria proteção. Em Chinon, o rei Carlos estava disfarçado, mas ela o identificou e por sinais secretos eles se comunicavam e ela o convenceu a acreditar na origem divina das sua visões e da sua missão.Ela pediu uma tropa de soldados para ir a Orleans .O seu pedido foi muito questionado na corte e ela foi enviada para ser examinada por um painel de teólogos em Poities. Após um exame de três semanas o painel aconselhou a ao rei Carlos que fizesse uso dos seus serviços. Diz a tradição que um dos membros do painel era um cardeal que conhecia a verdadeira aparência de Santo Miguel, muito bem guardado nos arquivos de Roma e quando perguntou a Joana com era São Miguel, ela o descreveu exatamente como estava descrito no arquivo secreto em Roma. A ela foi dada a tropa e um estandarte especial feito para ela com a inscrição "Jesus:Maria" e o símbolo da Santíssima Trindade na qual dois anjos presenteavam a ela uma flor de lis e Joana vestia um armadura branca e sua tropa entrou em Orleans em 29 de abril .Sua presença revigorou a cidade e em 8 de maio as forças inglesas que cercavam a cidade foram capturadas.Ela foi ferida no peito por uma flecha o reforçou a sua reputação de guerreira.Ela começou uma campanha em Loire com o Duque d’ Alençon, e eles se tornaram grandes amigos.A campanha teve grande sucesso em parte graças ao elevado moral das tropas, com a presença de Joana e as tropas britânicas se retiraram para Paty e de lá para Troyes. Joana agora estava tentando fazer com que o rei aceitasse a sua responsabilidade e lutou pela sua coroação em 17 de julho de 1429. E a missão de Joana, conforme as suas visões, estava completada.Daí em diante devido ao fato que Carlos não forneceu se nem suporte nem sua presença conforme prometido, Joana sofreu varias derrotas. 
O ataque a Paris falhou e ela foi ferida na coxa. Durante a trégua de inverno Joana ficou na corte onde ela continuava sendo vista com ceticismo .Quando as hostilidades recomeçaram ela foi para Compiegne onde os franceses estavam resistindo ao cerco dos Burbundians. A ponte movediças foi fechada muito cedo e Joana e suas troas ficaram do lado de fora. Ela foi capturada e levada ao Duque de Burgundy em 24 de maio. Ela ficou prisioneira até o fim do outono. O rei Carlos não fez nenhum esforço em liberta-la. Ela havia previsto que o castelo seria entregue ao ingleses e assim aconteceu. Ela foi vendida aos lideres ingleses na negociação. Os ingleses estavam determinados a ficarem livres do poder de Joana sobre os soldados franceses . Como os ingleses não podiam executa-la por estar em uma guerra eles forjaram uma maneira de julga-la como herege .Em 21 de fevereiro de 1431 ela apareceu a um tribunal liderado por Peter Cauchon, bispo de Beauvais, o qual tinha esperança que os ingleses o ajudariam a faze-lo Arcebispo de Rouen. Ela foi interrogada sobre as vozes, sua fé e sua vestimenta masculina. Um sumário falso e injusto foi feito e suas visões foram consideradas impuras em sua natureza, uma opinião suportada pela Universidade de Paris. O tribunal declarou que, se ela se recusasse a retratar, seria entregue aos seculares como um herege . Mesmo sob tortura ela recusou a se retratar. Quando finalmente ela foi trazida para uma sentença formal no Cemitério de Santo Ouen, diante de uma enorme multidão ela retratou-se apenas um pouco e de forma bastante incerta e foi devolvida a prisão e voltou a vestir as roupas masculinas que havia concordado em abandonar. Ela teve a coragem de declarar que tudo que ela havia dito antes era verdade e que ela havia recuperado a sua coragem e que Deus havia na verdade enviado ela para salvar a França dos ingleses.Assim no dia 30 de março de 1431 ela foi levada a praça pública do mercado em Rouen e queimada viva. Joana não tinha completado 20 anos. Suas cinzas foram atiradas no Sena. Em 1456 sua mãe e dois irmãos apelaram para a reabertura do caso, com o que o Papa Calistus III concordou.O julgamento e o veredicto foram anulados e ela foi canonizada como uma santa virgem e mártir. Ela era chamada La Pucelle "a Virgem de Orleans" .Na arte litúrgica da Igreja Santa Joana é mostrada como uma garota numa armadura, com uma espada, ou uma lança e as vezes com uma bandeira com as palavras "Jesus:Maria" e as vezes com um capacete .Nas pinturas mais antigas, ela tinha longos cabelos caindo nas suas costas, para mostrar que ela era virgem. Ela as vezes ela é mostrada incentivando o rei , ou seguida de uma tropa ou em roupas femininas com um espada. Popularmente venerada por séculos, foi finalmente beatificada em 1909 e canonizada em 1920. Foi declarada oficialmente padroeira da França em 1922.

Sua festa e celebrada no dia 30 de maio.

sábado, 28 de maio de 2011

V Domingo depois da Páscoa: "Deixo o mundo e vou para o Pai" (Ev.)

A liturgia continua a cantar o triunfo de Cristo e a liberdade do povo cristão que ele resgatou.
Nesta semana das rogações convida-nos particularmente a unir com a sua a nossa prece, como nos diz na missa das ladainhas e até a oração e o evangelho de hoje. Mas é preciso pedir em nome do Senhor e pedir coisas realmente de valor e interesse para nós, a salvação em primeiro lugar, evidentemente, e então sem falta nos concederá o que pedimos; para que seja perfeita a nossa alegria e para que crendo que ele saiu de Deus, mereçamos entrar com ele na glória do Pai.
Cautela, pois, não nos iludamos. A epístola de São Tiago frisa este ponto com insistência. Não basta orar, é preciso orar bem.

Evangelho de Domingo:



Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São João: Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos:
Naquele dia não me perguntareis mais coisa alguma. Em verdade, em verdade vos digo: o que pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo dará.
Até agora não pedistes nada em meu nome. Pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja perfeita.
Disse-vos essas coisas em termos figurados e obscuros. Vem a hora em que já não vos falarei por meio de comparações e parábolas, mas vos falarei abertamente a respeito do Pai.
Naquele dia pedireis em meu nome, e já não digo que rogarei ao Pai por vós.
Pois o mesmo Pai vos ama, porque vós me amastes e crestes que saí de Deus.
Saí do Pai e vim ao mundo. Agora deixo o mundo e volto para junto do Pai.
Disseram-lhe os seus discípulos: Eis que agora falas claramente e a tua linguagem já não é figurada e obscura.
Agora sabemos que conheces todas as coisas e que não necessitas que alguém te pergunte. Por isso, cremos que saíste de Deus.

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

Nossa Senhora do Sábado - Nossa Senhora da Cabeça


Nossa Senhora da Cabeça

Esta devoção mariana, de origem espanhola, teve início na Andaluzia, mais precisamente na Serra Morena, onde se encontra o Pico da Cabeça.

O pastor Juan de Rivas, depois de participar das guerras entre os mouros e os reis de Castela, mutilado e sem poder carregar armas, retirou-se à Serra Morena para apascentar um pequeno rebanho de sua propriedade. No dia doze de agosto de 1227, por volta da meia-noite, ouviu, em meio a fortes luzes que iluminavam o monte da Cabeça, o som aprazível de uma campainha.

Vencido o temor, aproximou-se do monte e viu, no meio de uma fogueira, a Virgem Maria. A esplendorosa Senhora lhe pediu para ir à cidade de Andújar dizer a todos que era vontade de Deus que ali se construísse um templo. Juan prometeu cumprir o que era pedido, mas manifestou sua insegurança: não acreditariam nele. Adivinhando seus pensamentos, a Virgem restituiu-lhe o braço perdido. Tal prodígio serviria de prova contra aqueles que duvidassem da veracidade de suas palavras.

Sem conter sua alegria, Juan dirigiu-se ao povoado para contar o prodígio. A população delirante foi ao monte para ver a imagem. Nossa Senhora da Cabeça foi proclamada padroeira da vila. Com a ajuda de cidades vizinhas construíram um belo santuário no lugar da aparição.

Maria Santíssima será invocada sob este título em outros locais da Espanha. Conta a tradição que alguns soldados procedentes de Andújar levavam sob sua proteção uma imagem da Virgem da Cabeça. Quando passaram na vila de Casas Ibáñez, os soldados pediram abrigo para si e para a imagem. A população os acolheu. Uma vez restabelecidos prosseguiram viagem. Com o objetivo de agradecer a hospitalidade, deixaram a imagem na casa de alguma daquelas famílias que foram tão receptivas. Os ibañeses, sensibilizados com o presente e agradecidos pelos favores que começaram a ser concedidos pela Virgem, resolveram construir-lhe uma ermida. A imagem passou a ser propriedade de todos e seu culto se espalhou pelas redondezas.

No Rio de Janeiro, em sua ex-catedral, ainda hoje se venera uma imagem de Nossa Senhora da Cabeça, à qual os devotos oferecem ex-votos em forma de cabeças de cera de todos os tamanhos. Tal devoção data dos tempos da fundação da cidade.
Quando de seu surgimento na Espanha, a devoção a Nossa Senhora da Cabeça não era associada à parte do corpo humano a qual este título mariano nos remete. "Cabeça" era apenas o nome do monte onde Maria Santíssima foi vista. Aqui no Brasil, ela costuma ser invocada para males que atacam o cérebro.

Os fiéis que padecem de cefaléia e as mães de filhos com problemas escolares a ela recorrem para a solução de seus males.

As imagens espanholas de Nossa Senhora da Cabeça não trazem a cabeça de cera masculina que encontramos na imagem que se encontra na ex-catedral do Rio de Janeiro.

Fone: http://www.cademeusanto.com.br/NS_da_Cabeca.htm

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Sexta-Feira da Cruz de Nosso Senhor


Do desprezo de toda criatura, para que se possa achar o Criador.


1. A alma: Senhor, muita graça ainda me é necessária para chegar a tal ponto, que nenhum homem nem criatura alguma me possa estorvar.Pois, enquanto me detém alguma coisa, não posso voar à vós livremente. Aspirava a esta liberdade o profeta, quando dizia: Quem me dera asas como a pomba, para poder voar e descansar! (Sl 54,7). Que há de mais sereno que o olhar singelo, e quem é mais livre que o homem sem desejo terrestre? Por isso importa elevares-te acima de todas as criaturas, e renunciares totalmente a ti mesmo, e naquele arroubo da alma perseverares e compreenderes que o Autor de todas as coisas não tem semelhança com as criaturas. E quem não estiver desprendido das criaturas, não poderá livremente atender às coisas divinas. Por isso se encontram tão poucos contemplativos, porque raros são os que sabem desapegar-se de todo das coisas perecedoras.



Para isso é mister graça poderosa, que levante a alma e a arrebate acima de si mesma. Enquanto o homem não for elevado em espírito, livre de todas as criaturas e todo unido a Deus, pouco vale quanto sabe e quanto possui. Imperfeito permanecerá por muito tempo e preso à terra quem algo estimar que não seja o único, imenso e terno Bem. Porque tudo que não é Deus é nulo, e deve ser tido em conta de nada. Há grande diferença entre a sabedoria de um homem iluminado e devoto e a ciência de um letrado e estudioso. Muito mais nobre é a doutrina que vem do céu, por inspiração divina, do que aquilo que o engenho humano adquire à custa de muito esforço.



2. Muitos há que desejam a vida contemplativa, mas não tratam de exercitar-se nas coisas que ela exige. O grande obstáculo é que se detêm nos sinais e coisas sensíveis, cuidando pouco da perfeita mortificação. Não sei o que é, nem que espírito nos move, nem que pretendemos nós que passamos por homens espirituais quando empregamos tanto trabalho e cuidado nas coisas vis e transitórias, ao passo que raras vezes nos recolhemos plenamente a considerar nosso interior.



3. Ai! Que, depois de curto recolhimento, logo nos dissipamos, sem ponderar nossas ações em rigoroso exame. Não reparamos para onde se inclinam nossos afetos, nem deploramos quão defeituoso é tudo em nós. Por ter corrompido toda a carne o seu caminho (Gn 6,12), veio o grande dilúvio. Estando, pois, corrompido o nosso afeto interior, forçosamente se há de corromper a ação que dele se segue, patenteando bem a fraqueza interior. Só do coração puro procede o fruto da boa vida.



4. Muitos indagam quanto fez uma pessoa, mas de quanta virtude foi animada nem tanto se cura. Com diligência investigam se alguém é forte, rico, formoso, hábil, bom escritor, bom cantor, bom artista; mas quão pobre seja de espírito, quão paciente e manso, quão piedoso e espiritual, disso não se faz caso. A natureza só considera o exterior do homem, mas a graça olha o interior. Aquela muitas vezes se engana, esta espera em Deus, para não ser iludida.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Respeito aos direitos humanos e liberdade religiosa devem ser critério para as ajudas econômicas


Imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo Destruída em um país
 mulçumano. Prova da falta de respeito as minorias religiosas.
LONDRES, 18 Mai. 11 / 12:46 pm (ACI)

O Diretor da organização internacional católica Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), Neville Kyrke-Smith, assinalou que o governo deve considerar o respeito aos direitos humanos, entre os quais está a liberdade religiosa, como critério para decidir a quem prestar ajuda econômica no exterior.

As declarações de Kyrke-Smith sucedem logo que o Secretário de Defesa do Reino Unido, Dr. Liam Fox, tivesse feito uma proposta para que 0,7 por cento do produto bruto interno fosse dedicado à ajuda internacional.

Para o diretor da AIS no Reino Unido, o respeito aos direitos humanos e a liberdade religiosa "tem que ser uma parte essencial do diálogo e a discussão em termos de construir uma sociedade civil. Isto está fortemente entrelaçado com a Declaração Universal de Direitos humanos e nunca pode ser esquecida quando se considera a ampliação de uma ajuda".

Kyrke-Smith fez esta afirmação logo que o Cardeal escocês Keith O’Brien, Arcebispo de St. Andrews e Edimburg, denunciou que o governo britânico pôs em marcha uma política externa "anti-cristã".

O Cardeal criticou o governo pela intenção do governo de duplicar a ajuda que dá ao Paquistão de mais de 445 milhões de libras (mais de 720 milhões de dólares).

Paquistão, explica a AIS, viu nos últimos meses uma série de atentados contra os cristãos, como o homicídio do Ministro Shabhaz Bhati, quem foi baleado por vários membros do Al Qaeda à saída de sua casa; e do governador do estado de Punjab, Salman Tasir, também assassinado por ser cristão.
Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=21801

quarta-feira, 25 de maio de 2011

CATECISMO ROMANO - EU ACREDITO EM DEUS Pai todo-poderoso, criador do Céu e da Terra

Por via de regra, a Sagrada Escritura emprega muitas expressões para indicar o sumo poder e a imensa majestade de Deus. Mostra-nos, assim, com quanto respeito devemos venerar seu Nome Santíssimo.

Deus declara de si mesmo: "Eu sou o Senhor Todo-Poderoso" (Gen 17,1). Quando ensinava os filhos a José, Jacob rezou por eles: "Meus Deus, o Todo-Poderoso, vo-lo torne propício!"(Gen 43,14) - No Apocalipse também está escrito: "O Senhor Deus, que é, e que era, e que há de vir: o Todo-Poderoso"(Apoc 1,8). Noutra passagem fala "do grande dia de Deus Todo-Poderoso"(Apoc 16,44).

Algumas vezes, enuncia-se o mesmo atributo por meio de paráfrases. Assim acontece nas seguintes passagens: "A Deus, nada é impossível"(Lc 1,37). "Porventura, a mão do Senhor já não terá força?"(Num 11,23) - "Em Vossa mão está usar de poder, quando quiserdes"(Sap 12,18). - E outras mais, do mesmo sentido, que se resumem indubitavelmente nesta única palavra: Todo-Poderoso.

O conceito de Todo-poderoso nos dá a entender que nada existe, nada se pode pensar ou imaginar que Deus não tenha a virtude de realizar. Apesar de poder tudo, Deus não pode todavia mentir, nem enganar, nem ser enganado, nem pecar, nem perecer, nem ignorar coisa alguma. São deficiências que ocorrem numa natureza, cuja operação é imperfeita.

Além disso, não há nada o que mais concorra para firmar nossa fé e esperança do que a convicção, profundamente gravada em nossas almas, de que a Deus nada é Impossível (Lc. 1,37).

Tudo o que nos for necessário crer, por grandes e admiráveis que fossem os mistérios, por mais que transcendam as leis ordinárias da natureza, a razão humana os aceitará com facilidade, uma vez que tenha uma noção exata da onipotência de Deus. Quanto mais sublimes as verdades que vem de Deus, tanto maior sua presteza em aceitá-las.

Quando tem de se esperar algum benefício, [o cristão] nunca arrefece ante a grandeza do bem almejado. Sente pelo contrário, sua coragem e esperança crescerem com a idéia de que a Deus Todo-Poderoso nada é Impossível.

Se neste artigo dizemos que o Pai é Todo-Poderoso, ninguém caia no erro de pensar que só a ele atribuímos este predicado, de sorte que não seja também comum ao filho e ao Espírito Santo. Como afirmamos que o Pai é Deus, que o filho é Deus, e que o Espírito Santo é Deus; assim também dizemos que 0 Pai é Todo-Poderoso, que o filho é Todo-Poderoso, que o Espírito Santo é Todo-Poderoso, sem contudo asseverarmos que haja três onipotências, mas sim um só Onipotente.

Esta fé leva-nos afinal a reconhecer e proclamar os intensos benefícios de Deus para conosco. Quem pensa em Deus Onipotente não poderá ser tão desagradecido que não diga muitas vezes: "Grandes coisas operou em mim, aquele que é poderoso (Luc 1,49).



(Fonte: Catecismo da Igreja Católica - Ed. Vozes - 1962)

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Continuam os abusos contra cristãos no Paquistão

Cristãos mortos na Etiópia assim como no Paquistão
 e em muitos países Islâmicos
Roma, 23 Mai. 11 / 02:55 pm (ACI)

Fontes da agência Fides informaram que os abusos contra a minoria cristã no Paquistão continuam e agora as vítimas foram duas enfermeiras e duas famílias cristãs da região de Punjab, que foram maltratadas e despojadas de suas terras, respectivamente, por mãos de muçulmanos.

Fides informou esta sexta-feira 20 que as enfermeiras cristãs Nusrat Bibi e Muneeran Bibi, do Fatima Memorial Hospital, foram agredidas e detidas ilegalmente em uma habitação do hospital por um funcionário muçulmano durante nove horas, nas que foram acusadas de roubo para serem intimidadas, golpeadas e sexualmente acossadas.

"Condenamos esta violência física e psicológica que afeta as jovens cristãs indefesas. Insistimos ao governo a comprometer-se em construir uma sociedade mais tolerante e respeitosa dos direitos de todos", assinalou Haroon Barkat Masih, Diretor da Fundação Masihi, que defende as minorias religiosas e vela também pelo caso da cristã Asia Bibi, condenada à morte acusada de blasfêmia.

No outro caso, duas famílias cristãs de Jalal Pur Jattan perderam seus lares e terras, ocupadas e arrebatadas à força por um latifundiário muçulmano e ex-membro do parlamento provincial de Punjab.

O sacerdote Naveed Dominic disse que a polícia foi alertada da violência, mas se negou a intervir. "Inclusive a Igreja local foi advertida para não interferir", denunciou.

O Pe. Khalid Rashid Asi, da diocese de Faisalabad, em Punjab, disse à Fides que "a situação dos direitos humanos no Paquistão é muito difícil e preocupante. Neste contexto geral, as minorias cristãs sofrem o abuso e a negação de seus direitos fundamentais, no nível social, econômico e religioso".

Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=21831

Mais de 70 mil pessoas presentes na beatificação da Irmã Dulce dos Pobres em Salvador

SALVADOR, 23 Mai. 11 / 01:04 pm (ACI)

Milhares de pessoas acompanharam ontem (22), em Salvador (BA), a cerimônia de beatificação da Irmã Dulce, a religiosa que dedicou sua vida a ajudar os pobres conhecida como o ‘Anjo Bom do Brasil’. Com a beatificação, a religiosa será chamada de agora em adiante ‘Bem-Aventurada Dulce dos Pobres’ e sua festa foi fixada no dia 13 de agosto.

A cerimônia, iniciada às 17 horas no Parque de Exposições de Salvador, foi acompanhada por 77 mil pessoas e diversas autoridades, entre elas, a presidente da República Dilma Rousseff, o governador da Bahia, Jaques Wagner e o presidente do Senado, José Sarney. A Eucaristia foi presidida pelo cardeal Dom Geraldo Majella Agnelo, representando o Papa Bento XVI. Com a beatificação, a religiosa passou a ser chamada de ‘Bem-Aventurada Dulce dos Pobres’.

Segundo informou hoje o Portal Canção Nova Notícias, a Santa Missa começou com a leitura do pedido de beatificação, feito pelo Arcebispo da capital baiana, Dom Murilo Krieger.
“O Arcebispo Metropolitano de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil pede a Vossa Eminência Reverendíssima de proclamar Bem-Aventurada a Venerável Serva de Deus Dulce Lopes Pontes, professa da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus”, solicitou o prelado.

Logo em seguida, o bispo da diocese de Irecê (BA), Dom Tommaso Cascianelli, leu uma resumida biografia da Bem-Aventurada e, Dom Geraldo, a Carta Apostólica (carta na qual o Papa autoriza a beatificação), primeiro em latim e depois em português. No documento, Bento XVI afirmou que “tendo consultado a Congregação das Causas dos Santos, por nossa autoridade apostólica, damos a faculdade para que a Venerável Serva de Deus Dulce Lopes Pontes (…) seja chamada de hoje em diante com o nome de Bem-Aventurada, com sua festa fixada no dia 13 de agosto”.

Após a leitura, a foto de Irmã Dulce foi descerrada, levando a multidão à euforia. Paralelamente, a miraculada Cláudia Cristiane Santos de Araújo, seu marido, Francisco Assis de Araújo, e o filho Gabriel entraram em procissão para apresentar aos fiéis a relíquia da nova beata. A sobrinha de Irmã Dulce, Maria Rita Pontes, e a voluntária mais antiga das Obras Sociais da freira, Iraci Lordello, também entraram em procissão. O rito de beatificação terminou com o agradecimento de Dom Murilo ao representante do Sumo Pontífice.

Entre as autoridades religiosas presentes, destaque para o Núncio Apostólico do Brasil, Dom Lorenzo Baldisseri, o Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer e os postuladores da causa de beatificação e canonização, frei Paolo Lombardo e Paolo Vilotta. Além deles, a cerimônia contou ainda com mais de 500 religiosos, entre padres, arcebispos, bispos, diáconos e seminaristas.

Em 1988, foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz. Com a saúde extremamente debilitada, a religiosa morreu em 1992, com 77 anos de idade. Com o processo de canonização, os restos mortais foram levados para a Capela do Convento Santo Antônio. Depois de receber o título de venerável, foram transferidos para a Capela das Relíquias, ambos em Salvador.

Saudando os fiéis de língua portuguesa ontem ao final do Regina Caeli, o Papa Bento XVI recordou a beatificação da Irmã Dulce Lopes Pontes, que “deixou atrás de si um prodigioso rastro de caridade ao serviço dos últimos, levando o Brasil inteiro a ver nela 'a mãe dos desamparados'"

Para assistir a homilia e ver os melhores momentos da canonização visite o Portal de Notícias da Rede Canção Nova em:

http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=281845
Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=21826

domingo, 22 de maio de 2011

22 de Maio – Santa Rita de Cássia, Religiosa

Santa Rita nasceu em Rocca Porena perto de Spoleto, Itália em 1381 e expressou bem cedo o desejo de ser freira. Seus parentes já idosos insistiram para que ela se casasse com a idade de doze anos com um homem descrito como sendo um homem cruel e rude. Ela passou 18 anos extremamente infeliz, teve dois filhos e finalmente ficou viúva quando o seu marido foi morto numa briga. Ambos os filhos logo morreram e Rita tentou sem sucesso entrar para o convento agostiniano que havia em Cascia. Ela foi recusada porque pelas regras do convento só se aceitavam virgens.
Mas Rita continuou a rezar e a pedir, e uma noite ela foi milagrosamente transportada para dentro do convento com todas as suas enormes portas fechadas e trancadas. Quando as irmãs a viram lá dentro, decidiram que era desejo de Deus que ela fosse aceita e assim em 1413 ela entrou para o Ordem e logo ganhou fama pela sua austeridade, devoção, oração e caridade.
No ano seguinte, ocorreu outro milagre. Havia lhe ordenado a Superiora, em nome da obediência, que regasse todos os dias um pé seco de uva, mas em um ano, já daquele ramo morto brotaram cachos de uvas abundantes e saborosas. E a videira, apesar de velha, de vários séculos, ainda hoje está viçosa.
Certo dia ela recebeu visões e teve ferimentos na testa que pareciam uma coroa de espinhos que seria uma estigmata (provavelmente um dos estigmas de Cristo).
Os ferimentos melhoraram de modo a permitir que ele fosse a Roma numa peregrinação em 1450, mas reapareceu logo que ela retornou e com ela ficaram até a sua morte.
Pouco antes de morrer, uma visitante, sua parente, perguntou se queria algo e ela pediu que lhe trouxessem rosas de sua terra natal. "Impossível" disse a parente "agora é pleno inverno". Santa Rita respondeu : " Vá e encontrarás o que peço".
Ao chegar a parente, em Rocca Porena, no jardim em frente a sua casa, havia no meio da neve, uma bela roseira com lindas flores de onde colheu as rosas que Santa Rita havia pedido.
Ao falecer outro milagre. Os sinos do mosteiro repicavam milagrosamente sozinhos sem alguem por perto a tocar.
Segundo a tradição seu corpo estaria incorrupto até a presente data. Ela morreu em 22 de março em Cascia e muitos milagres foram relatados como sendo devido a sua invocação e intercessão. Foi canonizada em 1900. Ela é venerada na Espanha, Estados Unidos, França, Portugal e em outros países como sendo a "santa das causas impossíveis".
No Brasil, ela é a padroeira das causas impossíveis junto com São Judas Thadeu.
Na arte litúrgica da Igreja ela é mostrada com uma freira orando diante de um crucifixo, ou com uma coroa de espinhos, ou recebendo uma coroa de rosas da Virgem Maria, ou recebendo uma coroa de espinhos dos santos. O seu emblema são as rosas. E em alguns locais as rosas são bentas no dia de sua festa.
É protetora contra a esterilidade, e infertilidade e das causas impossíveis, e padroeira das viúvas.
Ela é considerada a mais popular das santas. Uma pesquisa feita por um instituto de pesquisa italiano chegou a conclusão ela é a mais popular de todas as santas.
Sua festa é celebrada no dia 22 de maio.
Fonte: (http://www.cademeusanto.com.br/santa_rita_de_cascia.htm)

sábado, 21 de maio de 2011

IV Domingo depois da Páscoa: "Se eu não for, o Espírito consolador não virá a vós; mas eu vo-lo enviarei."(Ev.)

A liturgia de hoje louva a justiça divina, que se manifestou no triunfo do Senhor, e pela descida do Espírito Santo, que, de volta ao céu, o Senhor prometera. Deus que dera testemunho de seu filho, ressuscitando-o dos mortos, condena o mundo que o crucificou. Este testemunho brilhante da justiça divina deve-nos consolar as almas das amarguras e das dificuldades da vida presente.
Jesus abriu-nos o caminho; Ele é o caminho, a verdade e a vida. Enquanto vivermos nesta terra temos de beber sem dúvida o amargor do exílio, de amargar com a perseguição e a hostilidade dos elementos adversos, mas quando desabrochar no dia pleno e luminoso, que antevemos, a aurora que nos leva, se não olharmos para trás, para esses pedaços de noite e dia por onde passamos, havemos de sentir com certeza como foi breve o caminho e suave o sofrimento que nos conduziram a tão grande vitória.
São Tiago exorta-nos a sofrer com paciência, com paciência cristã evidentemente, as arestas e as fadigas da jornada, porque a paciência, diz o apóstolo, dá perfeição a obra, à obra da nossa santificação, e assemelha-nos a Deus "em quem não há vicissitude nem mudança".

Evangelho de Domingo:



Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São João: Naquele tempo: Disse Jesus a seus discípulos:
Agora vou para aquele que me enviou, e ninguém de vós me pergunta: Para onde vais?
Mas porque vos falei assim, a tristeza encheu o vosso coração.
Entretanto, digo-vos a verdade: convém a vós que eu vá! Porque, se eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se eu for, vo-lo enviarei.
E, quando ele vier, convencerá o mundo a respeito do pecado, da justiça e do juízo.
Convencerá o mundo a respeito do pecado, que consiste em não crer em mim.
Ele o convencerá a respeito da justiça, porque eu me vou para junto do meu Pai e vós já não me vereis;
ele o convencerá a respeito do juízo, que consiste em que o príncipe deste mundo já está julgado e condenado.
Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora.
Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão.
Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará.

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

Nossa Senhora do Sábado - Nossa Senhora de Lourdes, França



Em 11 de fevereiro de 1858, na vila francesa de Lourdes, às margens do rio Gave, Nossa Mãe, Santa Maria manifestou de maneira direta e próxima seu profundo amor para conosco, aparecendo-se a uma menina de 14 anos, chamada Bernadete (Bernardita) Soubirous.

A história da aparição começa quando Bernadete, que nasceu em 7 de janeiro de 1844, saiu, junto com duas amigas, em busca de lenha na Pedra de Masabielle. Para isso, tinha que atravessar um pequeno rio, mas como Bernadete sofria de asma, não podia entrar na água fria, e as águas daquele riacho estavam muitas geladas. Por isso ela ficou de um lado do rio, enquanto as duas companheiras iam buscar a lenha.

Foi nesse momento, que Bernadete experimenta o encontro com Nossa Mãe, experiência que marcaria sua vida, “senti um forte vento que me obrigou a levantar a cabeça. Voltei a olhar e vi que os ramos de espinhos que rodeavam a gruta da pedra de Masabielle estavam se mexendo. Nesse momento apareceu na gruta uma belíssima Senhora, tão formosa, que ao vê-la uma vez, dá vontade de morrer, tal o desejo de voltar a vê-la”.

“Ela vinha toda vestida de branco, com um cinto azul, um rosário entre seus dedos e uma rosa dourada em cada pé. Saudou-me inclinando a cabeça. Eu, achando que estava sonhando, esfreguei os olhos; mas levantando a vista vi novamente a bela Senhora que me sorria e me pedia que me aproximasse. Ms eu não me atrevia. Não que tivesse medo, porque quando alguém tem medo foge, e eu teria ficado alí olhando-a toda a vida. Então tive a idéia de rezar e tirei o rosário. Ajoelhei-me. Vi que a Senhora se persignava ao mesmo tempo em que eu. Enquanto ia passando as contas ela escutava as Ave-marias sem dizer nada, mas passando também por suas mãos as contas do rosário. E quando eu dizia o Glória ao Pai, Ela o dizia também, inclinando um pouco a cabeça. Terminando o rosário, sorriu para mim outra vez e retrocedendo para as sombras da grupa, desapareceu”.

Em poucos dias, a Virgem volta a aparecer a Bernadete na mesma gruta. Entretanto, quando sua mãe soube disso não gostou, porque pensava que sua filha estava inventando histórias –embora a verdade é que Bernadete não dizia mentiras–, ao mesmo tempo alguns pensavam que se tratava de uma alma do purgatório, e Bernadete ficou proibida de voltar à gruta Masabielle.

Apesar da proibição, muitos amigos de Bernadete pediam que voltasse à gruta; com isso, sua mãe disse que se consultasse com seu pai. O senhor Soubiruos, depois de pensar e duvidar, permitiu que ela voltassem em 18 de fevereiro.

Desta vez, Bernadete foi acompanha por várias pessoas, que com terços e água benta esperavam esclarecer e confirmar o narrado. Ao chegar todos os presentes começaram a rezar o rosário; é neste momento que Nossa Mãe aparece pela terceira vez. Bernadete narra assim a aparição: “Quando estávamos rezando o terceiro mistério, a mesma Senhora vestida de branco fez-se presente como na vez anterior. Eu exclamei: ‘Aí está’. Mas os demais não a via. Então uma vizinha me deu água benta e eu lancei algumas gotas na visão. A Senhora sorriu e fez o sinal da cruz. Disse-lhe: ‘Se vieres da parte de Deus, aproxima-te’. Ela deu um passo adiante”.

Em seguida, a Virgem disse a Bernadete: “Venha aqui durante quinze dias seguidos”. A menina prometeu que sim e a Senhora expressou-lhe “Eu te prometo que serás muito feliz, não neste mundo, mas no outro”.

Depois deste intenso momento que cobriu a todos os presentes, a notícia das aparições correu por todo o povoado, e muitos iam à gruta crendo no ocorrido embora outros zombassem disso.

Entre os dias 11 de fevereiro e 16 de julho de 1858 houve 18 aparições. Estas se caracterizaram pela sobriedade das palavras da Virgem, e pela aparição de uma fonte de água que brotou inesperadamente junto ao lugar das aparições e que deste então é um lugar de referência de inúmeros milagres constatados por homens de ciência.


As seguintes aparições

Na quarta aparição, no domingo, dia 21 de fevereiro, a Santíssima Virgem lançando um olhar de tristeza sobre a multidão, disse à menina vidente: “É necessário rezar pelos pecadores”.

Em seguida, em 25 de fevereiro, a Santa Mãe disse-lhe: “Vai e toma água da fonte”, a menina pensou que lhe pedia que fosse tomar água do rio Gave, mas a Mãe indicou-lhe que procurasse no chão. Bernadete começou a escavar e a terra se abriu e começou a brotar água. Desde então aquele manancial mina água sem cessar, uma água prodigiosa onde foram alcançadas curas milagrosas de milhares e milhares de doentes. Este manancial produz cem litros de água por dia continuamente desde aquela data até hoje.

No dia seguinte, a Virgem Maria destacou: “É necessário fazer penitência”, então Bernadete começou naquele momento a fazer alguns atos de penitência. A Virgem, disse-lhe também:: “Rogarás pelos pecadores...Beijarás a terra pela conversão dos pecadores”. Como a Visão retrocedia, Bernadete a seguia de joelhos beijando a terra.
Mais adiante, em 2 de março, a Virgem diz a Bernadete que diga aos sacerdotes que Ela deseja que se construa ali um templo e que sejam feitas procissões.

Em 25 de março, ao vê-la mais amável do que nunca, Bernadete pergunta várias vezes: Senhora, quer me dizer o seu nome? A Virgem sorri e por fim, com a insistência da menina, eleva suas mãos e seus olhos ao céu e exclama: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

Na aparição do dia 5 de abril, a menina permanece em êxtase, sem se queimar com a vela que se consome entre suas mãos.

Finalmente, em 6 de Julho, festa da Virgem do Carmo, Nossa Senhora apareceu mais bela e mais sorridente do que nunca e inclinando a cabeça em sinal de despedida, desapareceu. E Bernadete nunca mais voltou a vê-la nesta terra. Até essa data a Virgem apareceu a Bernadete 18 vezes, desde o dia 11 de fevereiro.

Em 1876, foi edificada ali a atual Basílica, um dos lugares de peregrinação do mundo Católico. Bernadete foi canonizada pelo Papa Pio XI em 8 de dezembro de 1933.

Desta maneira, Lourdes tornou-se um dos lugares de maior peregrinação do mundo, milhões de pessoas vão todos os anos e muitos doentes foram curados em suas águas milagrosas.

A festa de Nossa Senhora de Lourdes é celebrada no dia de sua primeira aparição, 11 de fevereiro.


A Mensagem da Virgem

A Mensagem que a Santíssima Virgem deu em Lourdes, pode ser resumida nos seguintes pontos:

1.- É um agradecimento do céu pela definição do dogma da Imaculada Conceição, que tinha sido declarado quatro anos antes por Pio IX (1854), ao mesmo tempo que assim apresenta Ela mesma como Mãe e modelo de pureza para o mundo que está necessitado desta virtude.

2.- Derramou inumeráveis graças físicas e espirituais, para que nos convertamos a Cristo em sua Igreja.

3.- É uma exaltação às virtudes da pobreza e humildade aceitas cristanamente, ao escolher a Bernadete como instrumento de sua mensagem.

4.- Uma mensagem importantíssima em Lourdes é o da Cruz. A Santíssima Virgem repete que o importante é ser feliz na outra vida, embora para isso seja preciso aceitar a cruz. "Eu também te prometo fazer-te ditosa, não neste mundo, mas no outro"

5.- Em todas as aparições veio com seu Rosário: A importância de rezá-lo.

6.- Importância da oraçao, da penitência e humildade (beijando o solo como sinal disso); também, uma mensagem de misericórdia infinita para os pecadores e do cuidado com os doentes.

7.- Importância da conversão e a confiança em Deus.


Os primeiros milagres

26 de fevereiro

A água milagrosa operou o primeiro milagre. O bom pároco de Lourdes havia pedido um sinal, e em vez do pequeno que havia pedido, a Virgem acabava de dar um sinal muito grande, e não somente a ele, mas a toda a população.

Havia em Lourdes um pobre operário dos canteiros, chamado Bourriette, que vinte anos antes havia tido o olho esquerdo severamente atingido por uma explosão de uma mina. Era um homem muito honrado e muito cristão, que mandou a filha buscar água na nova fonte e se pôs a rezar, embora estivesse um pouco suja, esfregou os olhos com ela. Começou a gritar de alegria. As trevas haviam desaparecido, não lhe restava mais do que uma leve nuvem, que foi desaparecendo enquanto lavava.

Os médicos haviam dito que ele jamais se curaria. Ao examiná-lo novamente não sobrou outra alternativa que chamar o ocorrido por seu nome: milagre. E o maior foi que o milagre havia deixado as cicatrizes e lesões profundas da ferida, mas havia devolvido mesmo assim a vista.

Muitos milagres continuam ocorrendo em Lourdes, havendo no santuário sempre uma multidão de doentes.

4 de março

Seguindo seu costume, Bernadete, antes ir à gruta, assistiu á Santa Missa. No final da aparição, teve a grande tristeza, a tristeza da separação. Voltaria a ver a Virgem?

A Virgem sempre generosa, não quis que terminasse o dia sem uma manifestação de sua bondade: um grande milagre, um milagre maternal.

Um menino de dois anos estava já agonizando, chamava-se Justino. Desde que nasceu teve uma febre que ia pouco a pouco destruindo sua vida. Seus pais, nesse dia, o deram por morto. A mãe em seu desespero o pegou e o levou para a fonte. O menino não dava sinais de vida. A mãe o colocou 15 minutos na água que estava muito fria.

Ao chegar em casa, notou que se ouvia com normalidade a respiração do menino.

Ano dia seguinte Justino acordou com a fronte fresca e viva, seus olhos cheios de vida, pedindo comida e suas pernas fortalecidas.

Este fato comoveu a toda a comarca e logo toda a França e Europa; três médicos de grande fama certificaram o milagre, chamando-o de primeira ordem.


Santa Bernadete

Santa Marie Bernard –Bernadete– Soubirous nasceu em 7 de janeiro, de 1844, no povoado de Lourdes, França. Era a primeira de vários irmãos. Seus pais viviam em um sótão úmido e miserável, e o pai tinha por ofício coletar o lixo do hospital.

Desde pequena, Bernadete teve uma saúde bem delicada por causa da falta de alimentação suficiente, e do estado lamentavelmente pobre da casa onde morava. Nos primeiros anos sofreu de cólera que a deixou muito enfraquecida. Em seguida, por causa também do clima terrivelmente frio no inverno, a santa adquiriu aos dez anos uma asma.

Tempos depois das aparições, Bernadete foi admitida na Comunidade de Filhas da Caridade de Nevers. Em julho de 1866 começou seu noviciado e em 22 de setembro de 1878 pronunciou seus votos, faleceu alguns meses depois, no dia 16 de Abril de 1879.

A vida da jovenzinha, depois das aparições esteve cheia de enfermidades, penalidades e humilhações, mas com tudo isto foi adquirindo um grau de santidade tão grande que ganhou enorme prêmio para o céu.

Em seus primeiros anos com as freiras, a jovem Santa sofreu muito, não somente pela falta de saúde, com também por causa da Madre superiora do lugar que não acreditava em suas doenças, inclusive dizia que coxeava a perna, não pelo tumor que tinha, mas para chamar a atenção.

Em sua comunidade, a santa dedicou-se a ser enfermeira e sacristã, e mais tarde, por nove anos esteve sofrendo ma dolorosa doença. Ao chegar-lhes os agudos ataques exclamava “O que peço a nosso Senhor não é que me conceda saúde, mas que me conceda valor e fortaleza para suportar com paciência minha enfermidade.

Para cumprir o que recomendou a Santíssima Virgem, ofereço meus sofrimentos como penitência pela conversão dos pecadores”.

Quando lhe faltava pouco para morrer, chegou um Bispo para visitá-la disse que estava a caminho de Roma, que escrevera uma carta ao Santo Padre para que lhe enviasse uma benção, e que ele a levaria pessoalmente. Bernadete, com mão estremecida, escreve: “Santo Padre, quanto atrevimento, que eu uma pobre irmãzinha escreva ao Sumo Pontífice. Mas o Senhor Bispo mandou que o fizesse. Peço uma benção especial para esta pobre doente”. De volta da viagem, o Bispo trouxe uma benção especialíssima do Papa e um crucifixo de prata como presente do Santo Padre.

Em 16 de abril de 1879, estando muito mal de saúde e tendo apenas 35 anos, exclamou emocionada: “Eu vi a Virgem. Sim, a vi, a vi! Que formosa era!” E depois de alguns momentos de silêncio disse emocionada: “Rogai Senhora por esta pobre pecadora”, e apertando o crucifixo sobre seu coração faleceu.

Uma imensa multidão assistiu aos funerais de Santa Bernadete. E ela começou a conseguir milhares de Deus em favor dos que lhe pediam ajuda. 30 anos mais tarde, seu cadáver foi exumado, e encontrado em perfeito estado de conservação, alguns anos depois, pouco antes de sua beatificação, efetuada em 12 de Junho de 1925, foi feito um segundo reconhecimento do corpo, que continua intacto.

Santa Bernadete foi canonizada em 8 de Dezembro de 1933. Seu corpo incorrupto ainda pode ser visitado no Convento de Nevers, dentro de um féretro de cristal. A festividade da Santa se celebra em 16 de Abril.


A Igreja e as Aparições da Virgem

Em 18 de janeiro de 1862: o bispo assinou a carta pastoral aprovando as aparições. Seu caráter sobrenatural e a vida tão autêntica da vidente.

1874: o Papa Pio IX concedeu ao santuário o título de Basílica.

1876: coroação solene da estátua da Virgem.

Leão XIII: aprovou o ofício e missa de Lourdes

Pio X chamou o santuário de Lourdes: "sede do poder e da misericórdia de Maria, onde ocorreram maravilhosas aparições da Virgem". Além disso, em 1907, estendeu a celebração da festa de Nossa Senhora de Lourdes a toda a Igreja universal.

Pio XI afirmou: “Lourdes, onde a Virgem apareceu várias vezes à bem-aventurada se Bernadete, onde exortou a todos os homens à penitência”.

Elevou à honra dos altares a Santa Bernadete Soubirous em 8 de Dezembro de 1933.

Pio XII: escreveu a encíclica "A peregrinação à Lourdes", o mais completo de todos os documentos sobre Lourdes".

João XXIII: no encerramento do centenário das aparições de Lourdes, recordava o seguinte: "A Igreja, pela voz de seus Papas, não cessa de recomendar aos católicos que prestem atenção à mensagem de Lourdes"

Finalmente, João Paulo II é o primeiro Papa a peregrinar até Lourdes, em 1983, pelos 125o aniversário das aparições. Ali celebrou a Santa Missa no dia 15 de Agosto, afirmando duas vezes: "Viemos em peregrinação a Lourdes, onde Maria disse a Bernadete: "Eu sou a Imaculada Conceição" e acrescentou: "Aqui falou com uma simples menina de Lourdes, rezou com ela o terço, deu-lhe várias mensagens, e o Papa concluiu dizendo: "a Virgem vem para salvar os pecadores".


Fonte: ACI

sexta-feira, 20 de maio de 2011

20 de Maio – São Bernardino de Siena, Bispo, Confessor

Nasceu em Massa perto de Siena, Toscana, Itália em 8 de setembro de 1380 e morreu em Áquila em 20 de Maio de 1444 , foi canonizado pelo Papa Nicolau V em 1450.
Filho do governador de Massa, Bernardino foi colocado aos cuidados de uma tia após a morte de seus pais em 1386. Ela proveu a sua educação e com 17 anos ele entrou para a congregação de Nossa Senhora em Siena.
Quando a peste atingiu Siena em 1400, Bernardino ofereceu para tomar conta do hospital e sua generosidade, coragem e piedade fizeram dele um herói. Ele também juntou 12 amigos que arriscaram suas vidas para ajudarem com os doentes. Durante os meses mais pestilentos Bernardino organizou um serviço de resgate e trabalhou sem descanso e milagrosamente não contraiu a peste. Vários de seus companheiro morreram ao contraírem a doença e algumas fontes dizem que ele também a contraiu mas conseguiu milagrosamente se salvar. Ele ainda cuidava da sua tia cega e até ela falecer aos 90 anos.
Certa vez orando em frente ao crucifixo, teve uma visão, igual de São Francisco de Assis, na qual o Jesus descia da cruz e vinha ao seu encontro nú, e com todas as dores e chagas.
Ele não pode resistir ao apelo que viu nos olhos de Jesus e deu tudo que tinha e tomou o hábito em 08 de setembro de 1402 e entrou para um Mosteiro Franciscano em Clomaio perto de Siena. Em setembro de 1804 ele foi ordenado e mudou-se para Florença. Nos 12 anos seguintes ele pregou sem cessar. Em Milão em setembro 1 de 1417 ele fez o seu primeiro sermão em uma igreja e sua eloquência e fervor atraíram uma multidão tão grande que teve de fazer o sermão de fora da igreja.
O povo fez ele prometer que voltaria no ano seguinte, antes de deixarem que ele fosse pregar na Lombardia. Ele cobriu metade da Itália, geralmente a pé pregando duas a três horas por dia e freqüentemente dando vários sermões em um só dia geralmente em um púlpito fora da igreja porque as multidões eram tão grande que não cabiam nas igrejas.
Ele atacava a usura de forma feroz e denunciava os governantes e os poderosos. Por outro lado, ele não tinha nenhuma característica comum da época, como acreditar em bruxarias e em nas hostilidades contra Jesus.
Certa vez um jogador profissional reclamou que Bernardino havia acabado com o seu ganha pão pois ninguém mais na cidade queria jogar e Bernardino deu a ele um novo oficio: fazer cartas com as iniciais IHS e elas foram todas vendidas na maior facilidade.
Alguns de seu sermões foram criticados na Universidade de Bolonha pela sua controvérsia e deu a ele algum problema durante 8 anos até que tudo terminou a seu favor. Os seu detratores o acusaram de encorajar praticas supersticiosas. Eles disseram que ele carregava com ele um cartão com o nome de Jesus escrito no cartão e quando ele encontrava um pecador ele mostrava o cartão ao pecador e do cartão saía raios de luz. O denunciaram ao Papa Martinho V. Ele foi absolvido das acusações depois de examinado a sua doutrina e conduta. A luz do seu cartão com as inicias IHS, podia ser uma visão de seu devotado espirito e paixão que tinha por Jesus, que eram transmitido ao pecador. O Papa Marinho V ficou tão impressionado que ofereceu a ele um bispado em Siena em 1427, mas ele agradeceu. Em 1428 ele se tornou o Vigário Geral dos Frades da Ordem da Estrita Observância. Ele reformou as regras envolvendo os frades, pregadores e professores e muitos conventos passaram da Comum para a Estrita Observância. De fato o número de frade passou de 300 para 4000 e os quando os frades evitavam os escolares como sendo ricos, Bernardino forçou que ele fossem aceitos como instrutores de teologia e lei canônica, como parte dos currículos regulares.
Em 1430 ele escreveu trabalhos teológicos em Latin e em Italiano e que cobriam os principais itens doutrinários e morais da Cristianismo alem do seu "Tratado da Santa Virgem". Ele fundou Colégios de teologia em Perugia e Monterido.
Em 1442 ele obteve permissão para renunciar os seu oficio e assistir o Concílio de Florença onde deu importantes contribuições teológicas. Mesmo com a saúde abalada, Bernardino insistiu um uma ultima jornada missionária. Começou em Massa em 1444 onde ele pregou por 50 dias consecutivos Embora estivesse morrendo ainda foi para Nápoles onde pregou, e depois ainda foi para Aquila e Ambruzzi, onde ele finalmente morreu.
A sua tumba em Aquila logo passou a ser um local de peregrinação e de muitos milagres. Ele foi um dos maiores missionários do 15º século e foi canonizado apenas 6 anos após a sua morte. Ele é chamado de "Pregador do Povo" porque seus sermões eram cheios de vívidos exemplos populares, desde a historia de um solteirão até a de uma dona de uma casa de modas.
São Bernardino certa vez escreveu:
"Tantas são as criaturas que servem a Deus quanto são as servem a Maria".
São Bernardino é representado na arte litúrgica da Igreja como um velho franciscano segurando um cartão com o sinal IHS com raios saindo do cartão. Pintores Medievais e da Renascença o pintam com olhos de fogo. Outros mostram ele pregando na Praça de Siena e ainda outros o mostram com uma bandeira com as iniciais IHS ou com três mitras aos seus pés, lembrando o bispado que ele recusou.
É o padroeiro dos anunciantes
Sua festa é celebrada no dia 20 de maio
Fonte: http://www.cademeusanto.com.br/sao_bernardino_de_siena.htm

Sexta-feira da Cruz de Nosso Senhor


Como se há de pedir o auxílio divino e confiar para recuperar a graça


1. Jesus: Filho, eu sou o Senhor, que te conforta no dia da tribulação (Na 1,7). Vem a mim quando te achares aflito. O que mais te impede de receber a consolação é que tarde recorres à oração. Antes que ores com atenção, procuras consolar-te, recreando-te com vários divertimentos exteriores. Daqui vem que pouco proveito tiras de tudo, até que conheças que sou eu quem salva do perigo os que em mim esperam, e que fora de mim não há auxílio valioso, nem conselho útil, nem remédio durável. Uma vez, porém, que recobraste alento depois da tempestade, procura readquirir forças à luz das minhas misericórdias; pois estou perto, diz o Senhor, para tudo restaurar, não só com integridade, mas também com abundância e profusão.



2. Porventura há para mim alguma coisa dificultosa (Jr 32,37), ou sou semelhante àquelas que dizem e não fazem? Onde está a tua fé? Tem firmeza e segurança! Mostra-te corajoso e magnânimo, e a seu tempo te virá a consolação. Espera por mim, espera! Virei e te curarei. É tentação o que te atormenta, é temor vão o que te assusta. Que ganhas com a solicitude de um futuro contingente, senão que tenhas tristeza sobre tristeza? A cada dia basta seu fardo (Mt 6,34). Coisa vã e inútil é entristecer-se ou regozijar-se com as coisas futuras, que talvez nunca venham a realizar-se.



3. É próprio do homem deixar-se iludir por tais imaginações, mas é sinal de pouco ânimo ceder tão facilmente às sugestões do inimigo. A ele pouco importa se é por meios verdadeiros ou falsos que te seduz e engana, se é com amor dos bens presentes, ou com o temor dos males futuros que te deita a perder. "Não se perturbe, pois, teu coração, nem se amedronte" (Jo 14,27). Crê em mim, e tem confiança em minha misericórdia. Quando te julgas muito longe de mim, mais perto estou, às vezes, de ti. Quando pensas que está tudo quase perdido, muitas vezes está próxima a ocasião de granjeares maior merecimento. Nem tudo está perdido, por te acontecer alguma contrariedade. Não julgues pela impressão do momento, nem te aflijas com qualquer tribulação, venha donde vier, como se não houvesse esperança de remédio.



4. Não te julgues inteiramente desamparado, ainda quando, de tempos a tempos, te mando alguma tribulação ou te privo de alguma consolação desejada; porque é este o caminho por onde se vai ao reino dos céus. E isto, sem dúvida, convém mais a ti e a todos os meus servos, serdes exercitados nas adversidades, do que se tudo vos sucedesse à vossa vontade. Eu conheço os pensamentos escondidos, e sei que muito importa à tua salvação seres, às vezes, privado de toda consolação espiritual, para que não te exalte o bom progresso e te desvaneças do que não és. O que dei posso tirar, e dar de novo, quando me aprouver.



5. É sempre meu o que dou, e quando o tiro; não tomo coisa tua, pois "de mim procede qualquer dádiva boa de todo dom perfeito" (Tg 1,17). Se eu te enviar qualquer pena ou contrariedade, não te revoltes nem desfaleça teu coração; eu posso num momento aliviar-te e transformar tua mágoa em alegria. Todavia, procedendo eu assim para contigo, sou justo e digno de louvor.



6. Se refletires bem e julgares as coisas segundo a verdade, não deves afligir-te tanto com a adversidade, nem desanimar, mas, ao contrário, alegrar-te e dar-me graças. Até deve ser tua única alegria que eu te aflija com dores, sem poupar-te. Assim como meu Pai me amou, também eu vos amo a vós (Jo 15,19), disse eu a meus diletos discípulos, e, entretanto, não os enviei às delícias temporais, mas às grandes pelejas, não às honras, mas aos desprezos, não aos passatempos, mas sim a produzir fruto copioso na paciência. Meu filho, lembra-te bem destas palavras.

Fonte: Imitação de Cristo- (Frei Tomás de Kempis)

quinta-feira, 19 de maio de 2011

CATÓLICOFOBIA: O ódio irracional a Igreja Católica Continua e os erros da russia também...


Estudando um pouco a história da construção da Igreja Católica nestes dois mil anos de história, me indaguei sobre o porquê ela teve grande êxito e nunca conseguiu ser derrubada apesar de inúmeros inimigos, desde pequenas seitas que surgem ao monte como doenças oportunistas em um mundo vulnerável, até os grandes e poderosos inimigos da Religião, os ativistas contra a moral católica, os ateus e agnósticos ativistas e Marçons.

Ateísmo na Europa


Vasculhando diversos blogs e sites de caráter filosófico, científico e até religioso eu percebo um ideal centralizado que senão é a destruição da Igreja Católica. Li artigos em sites ateus, de esquerda, de espiritismo e esoterismo, protestantes e políticos. Li diversas informações nestes mesmos sites que por sinal não tinham fundamento histórico para detalhar um acontecimento histórico, o que na minha opinião fica bastante “feio” colocar informações não verídicas, ou pior informações deturpadas sobre a Igreja, o Papado e seus seguidores. Os ateus ativistas buscam de certa maneira atingir todas as religiões, mas principalmente o cristianismo, e tentam inclusive usar a lógica, ou pelo menos tentam. O fazem agredindo a imagem de Cristo de forma gratuita se esquecendo que em nossa constituição garante liberdade de culto e pena a ofensas ao sentimento religioso, a não ser que eles mesmos considerem o ateísmo uma forma de religião. Um dos países mais ateus do mundo é a Rússia, e acreditem também é o campeão em taxa de suicídios. A França também é uma dos países em que o ateísmo é reinante e a taxa de suicídio parece espantosamente acompanhar este número. O engraçado que li em um grande site de pesquisas, em que, a Igreja Católica ficou reduzida aos países de terceiro mundo, porém esta termologia de “terceiro mundo” não é mais aplicada há muito tempo no campo da geopolítica. O que talvez o nosso caro amigo quisesse dizer é que os países pobres onde se concentram a maior parte da população simples e de pouca instrução seja mais aderente ao catolicismo, o que não é verdade. Muitos filósofos, cientistas, professores, mestres e doutores são católicos e não por ter pouca instrução é claro, mas por opção pessoal de crença e valores. Aliás me pergunto aos ateus, onde se encontra os valores dos ateus? Acredito que seja algo bem perecível, para ter uma taxa de suicídio tão elevada. Mas calma meu amigo ateu, nem todo suicida é ateu, mas todo suicida é bem de regra afirmar alguém perturbado o suficiente que não vê em Deus alguém onde encontrar refúgio e busca este refúgio nas drogas, no Álcool, nos vícios da carne e no consumismo a ter por fim ver que nada disso supre sua necessidade maior buscando no suicídio uma forma de terminar com sua inquietação.

Suicídio no Mundo a cada 100.00 Habitantes - O Azul inferior a 5 e os vermelhos superior a 13


Os protestantes buscam a mesma e velha história de dizer que a Igreja Católica é mais beneficiada no Brasil e tem benefícios do governo. Ora, mas foi à religião do Brasil Colônia, foi à religião que mais influenciou o mundo e o Brasil. Nossas festas juninas, o Natal, A páscoa, A Cruz sagrada como símbolo. Quem fundou os primeiros asilos, abrigos para pobres e doentes, as primeiras universidades, as primeiras escolas, Juntamente o conceito de penitenciária como um lugar para recuperar um infrator. Todos estes e muitos outros elementos são oriundos do Catolicismo da Igreja Romana. No que os protestantes nos influenciaram? Há sim! Influenciaram-nos a vigiar mais e combater o erro! Grande parte do nosso patrimônio cultural e arquitetônico é de influência do pensamento Católico e nada mais justo que a Igreja que abriu mão de ser a religião da república ser sim realmente a religião que mereça todo o crédito do Brasil. Agradeçam seus ingratos pelos jesuítas mortos que defendiam os índios e ensinaram outro modo de viver a eles. Agradeçam aos missionários católicos que fizeram com que nosso território fosse tão vasto quanto é hoje!

Países com taxa elevada de agnósticos e Ateus


Quanto às religiões minoritárias, agradeçam a Igreja Católica que permitiu em nosso país onde ela era exclusiva, abriu mão para que vocês tivessem direito de culto religioso. Uma vez lendo a coluna de Paulo Coelho em que falava de sobre Mahatma Gandhi e a Igreja Católica, descrevendo que ele gostou tanto da Igreja, que queria ir em uma mais próxima, mas foi barrado em uma Igreja só para homens brancos (período da segregação racial devido ao imperialismo do século XIX) e por ter sido barrado seu orgulho foi tão forte que não quis freqüentar a outra paróquia. Eu imagino o que São Francisco de Assis fizesse quando foi mal recebido em Roma, talvez ele tivesse fundado a primeira Seita Protestante medieval?! Ou Santa Rita de Cássia quando foi rejeitada no convento das irmãs agostinianas por ser viúva e não mais virgem, talvez tivesse sido a primeira Exigir sacerdócio feminino na Igreja!? Essa História que deixou de ir a Igreja Católica por causa de contradições entre membros e a sociedade em si é tão estúpida quanto dizer que o Vaticano e o clero deveriam ser anjos e jamais cometerem pecado, já que pregam a moral e os bons costumes. Como se ele não fossem humanos também.



Por isso às vezes prefiro nem me abster aos comentaristas destes sites e blogs que são piores que os autores. Faço minha as palavras de Voltaire: Não concordo com o que dizes, mas defendo até a morte o direito de o dizeres. Acho linda a democracia que temos em nosso país cada um com o direito de dizer o que pensa e acha, por este motivo tenho que defender minha postura de não concordar com heresias de protestantes, mentiras de seguidores de religiões “exóticas” e meias-verdades de ateus e agnósticos que são piores tentando dar uma de “doutores da verdade”. Finalizo com um dos comentários ateus que achei de forma espetacular: “O mesmo Jesus eu mandou amar a Deus e ao próximo (para nós Católicos Nosso Senhor, Redentor e Rei do Universo) também criou o inferno. Nossa que espetáculo! Ele acha que encontrou uma contradição nas palavras do divino mestre! Ele acha! mas não achou nada. Jesus trouxe uma mensagem de amor a seus seguidores e que este deve ser o caminho dos que buscam a verdadeira felicidade, mas os que preferem o caminho do ódio e da servidão a coisas miúdas e mesquinhas este encontrarão o caminho que buscam, seu próprio veneno.


Opinião do Grupo “Em defesa da Santa Fé”

Dados sobre Suicídio: OMS