domingo, 31 de março de 2013

DOMINGO DE PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR - SOLENIDADE DAS SOLENIDADES (Oitava da Páscoa)





Exatamente como o Natal, é em Santa Maria Maior em que se faz a estação desta festa, a maior de todo o ano. A Igreja não separa nunca Jesus de Maria e glorifica com a mesma apoteose o Filho e a Mãe. Jesus Rescuscitado se dirige em primeiro lugar ao Pai, em homenagem de sujeição incondicional, enquanto a Igreja, por seu lado, levanta a Deus um hino de sentido reconhecimento e lhe suplica que venha em socorro dos filhos que lutam contra o mundo o demônio e a carne, a caminho da nova pátria do Céus. Mas para isto é necessário comer o cordeiro com os Ázimos da virtude, duma vida santa e impoluta. O Evangelho apresenta-nos as santas mulheres correndo ao sepulcro para ungir com o nosso amor e a nossa fidelidade à virtude o coração do mestre, não morto, porque é imortal, mas alanceado, dilacerado pelos crimes do nosso tempo e, possivelmente, da nossa má conduta.

Epitola do dia

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios Naqueles dias (1Cor 5,7-8): Purificai-vos do velho fermento, para que sejais massa nova, porque sois pães ázimos, porquanto Cristo, nossa Páscoa, foi imolado. Celebremos, pois, a festa, não com o fermento velho nem com o fermento da malícia e da corrupção, mas com os pães não fermentados de pureza e de verdade.



Victimae Paschali:


Victimae paschali laudesimmolent Christiani.Agnus redemit oves: Christus innocens Patri reconciliavit peccatores. Mors et vita duello conflixere mirando: dux vitae mortuus, regnat vivus. Dic nobis Maria, quid vidisti in via? Sepulcrum Christi viventis, et gloriam vidi resurgentis: Angelicos testes, sudarium, et vestes. Surrexit Christus spes mea: praecedet suos in Galilaeam. Scimus Christum surrexisse a mortuis vere: tu nobis, victor Rex, miserere. Amen. Alleluia.






Evangelho de Domingo de Páscoa:
Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São Marcos (16, 1-7): Naquele tempo: Passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé compraram aromas para ungir Jesus. E no primeiro dia da semana, foram muito cedo ao sepulcro, mal o sol havia despontado. E diziam entre si: Quem nos há de remover a pedra da entrada do sepulcro? Levantando os olhos, elas viram removida a pedra, que era muito grande. Entrando no sepulcro, viram, sentado do lado direito, um jovem, vestido de roupas brancas, e assustaram-se. Ele lhes falou: Não tenhais medo. Buscais Jesus de Nazaré, que foi crucificado. Ele ressuscitou, já não está aqui. Eis o lugar onde o depositaram. Mas ide, dizei a seus discípulos e a Pedro que ele vos precede na Galiléia. Lá o vereis como vos disse.


Feliz Páscoa!
happy Easter
Buona Pasqua
feliz Pascua
Joyeuses Pâques
Frohe Ostern
Καλό Πάσχα
Христос воскрес
Wesołych Świąt
felix Pasche
復活節快樂
عيد فصح سعيد
 
Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

sábado, 30 de março de 2013

SÁBADO SANTO - A GRANDE VIGÍLIA PASCAL (TRÍDUO SANTO)

 

 


A Igreja, que vai anualmente renovando na liturgia os sucessos da vida do Salvador, dos quais nos convida a participar, celebra nas festas da Páscoa o aniversário de Jesus vitorioso sobre a morte. É o acontecimento central de toda a história, para onde converge toda a vida radiosa do Redentor, e o ponto culminante da vida da Igreja no seu ciclo litúrgico.A Ressurreição do Salvador é prova irrefragável da sua divindade, porque era necessário, com efeito, ser Deus para poder, como dizia Jesus, "dar a vida e tomá-la de novo", e a base indestrutível da nossa fé.A Páscoa é a sanção definitiva da vitória da humanidade sobre a morte, a carne e o mundo. Porque, de direito, nós morremos e ressuscitamos com Jesus Cristo; de fato é a virtude operante dos mistérios da redenção que fecunda e transforma a vida íntima da Igreja e dos fiéis.Todos os anos, a Igreja, ao recordar-nos a ressurreição do Senhor e o batismo que nos permitiu a participação definitiva deste grande mistério, mergulha-nos, por assim dizer, num banho novo que nos regenera e transforma para a vida nova da graça. Por este motivo a Páscoa Cristã, mais que o aniversário de um acontecimento histórico, é o prolongamento da ressurreição do Senhor. O Martirológico Romano, com efeito, proclama "que a ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo é a solenidade das solenidades e a nossa páscoa", fórmula que encerra a réplica perfeita do mistério do Natal. Porque se no Natal devemos nascer com o Senhor para a vida divina que desceu com ele à terra, na Páscoa com igual razão devemos ressuscitar para a vida nova que nos mereceu com a sua Paixão. Isto permite-nos compreender que a Igreja tenha escolhido a Páscoa para se dedicar com carinho verdadeiramente maternal à formação daqueles que são, na frase de São Paulo, os filhos "rescém-nascidos" das chagas do Senhor, alimentando-os com o pão novo e instruindo-os nas coisas da vida sobrenatural. "Se ressuscitastes com Cristo, procurai o que é do alto, da vida nova a que fostes chamados, e não o que é da terra". "Mortificai os apetites da carne, despojai-vos do homem velho, revesti-vos do novo". Quando puserdes a túnica branca do batismo, pensais que deveis conservar sempre a brancura da vossa alma, diz Santo Agostinho.O tempo pascal deve ser, pois, para nós todos um período de renovação. Deve ser a imagem da vida no céu. A vida sobrenatural e a vida dos batizados deve ser a terra a antevisão, a ante-experiência dulcíssima da ressurreição final e da posse definitiva da pátria celeste, onde Jesus nos precedeu para nos preparar o lugar.A liturgia convida-nos a acompanhar as várias aparições do Senhor: no sepulcro em Emaús, na Galiléia e no Cenáculo; e apresenta-no-lo lançando os fundamentos da Igreja e preparando os Apóstolos para o mistério da Ascensão. No dia seguinte ao Sábado, ainda com o lusco-fusco, Maria Madalena e mais duas santas mulheres foram ao sepulcro. Era o primeiro dia da semana judaica: o Domingo de Páscoa. Um anjo havia movido a pedra que tapava o sepulcro e os guardas fugiram com medo. Madalena, ao ver o túmulo aberto e vazio, corre a advertir Pedro e João, que ficaram em Jerusalém, de que tinham roubado o Senhor. Entretanto o anjo havia anunciado as outras duas que Jesus ressuscitara. Pedro e João voam ao sepulcro e constatam dolorosamente a falta do Mestre. O corpo de Jesus não estava ali. Tinham no roubado certamente. Madalena, que regressara depressa, quer ver de novo o sepulcro. Talvez se tivesse enganado. E senão há de ver e beijar pelo menos o local onde repousara o corpo de seu amigo. E viu, não Cristo morto nem o lugar vazio, mas o Cristo vivo e ressuscitado. À tarde deste mesmo dia, dois discípulos que desciam para Emaús, vêem também o Mestre e veem anunciar a boa nova aos apóstolos que por sua vez lhe dizem de sua aparição a Pedro. Depois apareceu no Cenáculo. E depois de oito dias volta a aparecer-lhes para reprender e confirmar na fé a incredulidade de Tomé. Depois da oitavas de Páscoa, regressando os Apóstolos a Galiléia, o Senhor aparece nas praias do mar aos sete que pescavam e revela-se igualmente a quinhentos discípulos numa montanha que previamente lhes designara e que terá sido o Tabor ou, com maior probabilidade, qualquer colina nas margens do lago, como as das bem-aventuranças.O Evangelho do Segundo Domingo depois da Páscoa refere-nos a parábola do Bom pastor, e muito a propósito, a seguir o batismo dos neófitos. Os três domingos seguintes e o da vigília da Ascensão são tirado dos capítulos 16 e 17 de São João, quer dizer, do discurso da Ceia, em que o Senhor fala aos Apóstolos da Ascensão, da vinda do Espírito Santo e da sua nova presença entre os discípulos.O Tempo Pascal é, por assim dizer, um longo dia de festa que vai da vigília Pascal até o Sábado depois de Pentecostes, e em que se celebram sucessivamente os mistérios da ressurreição e da Ascensão do Salvador, tendo por Epílogo a Solenidade de Pentecostes. A data da Páscoa de que dependem as demais festas móveis, foi objeto das decisões conciliares. Tendo o Senhor padecido e julgado na Páscoa Judaica e devendo a solenidade do novo mistério substituir na idade nova os velhos ritos judaicos, houve a Igreja por bem conservar para a Páscoa Cristã o modo de contar dos judeus. Ora entre o ano lunar, que eles seguem, e o Solar há uma diferença de onze dias, que obriga a festa da Páscoa a oscilar entre 22 de Março e 25 de Abril.Durante o tempo pascal, a Igreja adorna-se com profusão e os órgãos que na quaresma se conservavam emudecidos ressoam de novo nas abóbadas engalanadas dos templos. O Alleluia, que é o cântico por excelência do ciclo pascal, enche as almas de alegria e plenitude. Ao asperges substitui-se o Vide aquam, evocativo da água e do sangue que correram do lado de Jesus símbolo do Batismo e da Eucaristia. Não há jejum e o Regina Coeli recita-se de pé, como convém a vencedores. Até a Ascensão o Círio Pascal, símbolo da presença visível de Jesus, ilumina e aquece com a sua chama radiosa a assembléia dos fiéis; e os paramentos brancos, sinal da graça da ressurreição, alegram as funções do culto.Outrora, a Igreja proibia no tempo pascal as festas dos santos menos notáveis para não distrair a atenção dos fiéis da contemplação de Jesus Triunfante. Mas para os apóstolos e mártires compôs-se missa especial, por terem sido eles quem de mais perto se associou as lutas e vitórias de Cristo. Os Mártires sobretudo, nesta parte do ano, formam o cortejo do divino ressuscitado. A liturgia da noite pascal era em outros tempos das mais importantes do ano. Durante a tarde do Sábado Santo, reunia-se os fiéis na Igreja de São João do Latrão, para o último escrutínio dos catecúmenos. Depois, à noite, começava a vigília ou a vela Pascal, que terminava ao romper da alva com o batismo solene: submergidos ou sepultados com Cristo nas águas batismais, os neófitos nasciam para a vida na graça a hora em que o Salvador saía triunfante do sepulcro, ao alvorecer do dia de Páscoa. Seguia-se a Missa: toda a comunidade dos fiéis celebrava o sacrifício da redenção, nas ações de graças e nas alegrias da ressurreição. No século XIII, começou a celebração da vigília pascal a ser antecipada para o sábado de manhã. Pela recente reforma feita pela Santa Sé, passou-se de novo para o meio da noite de Páscoa. Voltando assim ao seu verdadeiro lugar, a antiga liturgia readquire todo o seu significado e permite ao povo cristão reviver, com mais perfeita compreensão, o mistério de graça e de luz em que se renova, de ano para ano, a vida dos batizados.
 

Leituras da Vigília Pascal:
Leitura do Livro do Gênesis (1, 1-31 e 2, 1-2) : Naqueles dias: No princípio, Deus criou os céus e a terra. A terra estava informe e vazia; as trevas cobriam o abismo e o Espírito de Deus pairava sobre as águas. Deus disse: "Faça-se a luz!" E a luz foi feita. Deus viu que a luz era boa, e separou a luz das trevas. Deus chamou à luz DIA, e às trevas NOITE. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o primeiro dia. Deus disse: "Faça-se um firmamento entre as águas, e separe ele umas das outras". Deus fez o firmamento e separou as águas que estavam debaixo do firmamento daquelas que estavam por cima. E assim se fez. Deus chamou ao firmamento CÉUS. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o segundo dia. Deus disse: "Que as águas que estão debaixo dos céus se ajuntem num mesmo lugar, e apareça o elemento árido." E assim se fez. Deus chamou ao elemento árido TERRA, e ao ajuntamento das águas MAR. E Deus viu que isso era bom. Deus disse: "Produza a terra plantas, ervas que contenham semente e árvores frutíferas que dêem fruto segundo a sua espécie e o fruto contenha a sua semente." E assim foi feito. A terra produziu plantas, ervas que contêm semente segundo a sua espécie, e árvores que produzem fruto segundo a sua espécie, contendo o fruto a sua semente. E Deus viu que isso era bom. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o terceiro dia. Deus disse: "Façam-se luzeiros no firmamento dos céus para separar o dia da noite; sirvam eles de sinais e marquem o tempo, os dias e os anos, e resplandeçam no firmamento dos céus para iluminar a terra". E assim se fez. Deus fez os dois grandes luzeiros: o maior para presidir ao dia, e o menor para presidir à noite; e fez também as estrelas. Deus colocou-os no firmamento dos céus para que iluminassem a terra, presidissem ao dia e à noite, e separassem a luz das trevas. E Deus viu que isso era bom. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o quarto dia. Deus disse: "Pululem as águas de uma multidão de seres vivos, e voem aves sobre a terra, debaixo do
firmamento dos céus." Deus criou os monstros marinhos e toda a multidão de seres vivos que enchem as águas, segundo a sua espécie, e todas as aves segundo a sua espécie. E Deus viu que isso era bom. E Deus os abençoou: "Frutificai, disse ele, e multiplicai-vos, e enchei as águas do mar, e que as aves se multipliquem sobre a terra." Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o quinto dia. Deus disse: "Produza a terra seres vivos segundo a sua espécie: animais domésticos, répteis e animais selvagens, segundo a sua espécie." E assim se fez. Deus fez os animais selvagens segundo a sua espécie, os animais domésticos igualmente, e da mesma forma todos os animais, que se arrastam sobre a terra. E Deus viu que isso era bom. Então Deus disse: "Façamos o homem à nossa imagem e semelhança. Que ele reine sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos e sobre toda a terra, e sobre todos os répteis que se arrastem sobre a terra." Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher. Deus os abençoou: "Frutificai, disse ele, e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a. Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra." Deus disse: "Eis que eu vos dou toda a erva que dá semente sobre a terra, e todas as árvores frutíferas que
contêm em si mesmas a sua semente, para que vos sirvam de alimento. E a todos os animais da terra, a todas as aves dos céus, a tudo o que se arrasta sobre a terra, e em que haja sopro de vida, eu dou toda erva verde por alimento." E assim se fez. Deus contemplou toda a sua obra, e viu que tudo era muito bom. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o sexto dia. Assim foram acabados os céus, a terra e todo seu exército. Tendo Deus terminado no sétimo dia a obra que tinha feito, descansou do seu trabalho.
Segunda Leitura
Leitura do Livro do Êxodo (14,24-31 e 15,1): Naqueles dias: À vigília da manhã, o Senhor, do alto da coluna de fogo e da de nuvens, olhou para o acampamento dos egípcios e semeou o pânico no meio deles. Embaraçou-lhes as rodas dos carros de tal sorte que, só dificilmente, conseguiam avançar. Disseram então os egípcios: “Fujamos diante de Israel, porque o Senhor combate por eles contra o Egito.” O Senhor disse a Moisés: “Estende tua mão sobre o mar, e as águas voltar-se-ão sobre os egípcios, seus carros e seus cavaleiros.” Moisés estendeu a mão sobre o mar, e este, ao romper da manhã, voltou ao seu nível habitual. Os egípcios que fugiam foram de encontro a ele, e o Senhor derribou os egípcios no meio do mar. As águas voltaram e cobriram os carros, os cavaleiros e todo o exército do faraó que havia descido no mar ao encalço dos israelitas. Não ficou um sequer. Mas os israelitas tinham andado a pé enxuto no leito do mar, enquanto as águas formavam uma muralha à direita e à esquerda. Foi assim que naquele dia o Senhor livrou Israel da mão dos egípcios. E Israel viu os cadáveres dos egípcios na praia do mar. Viu Israel o grande poder que o Senhor tinha exercido contra os egípcios. Por isso, o povo temeu o Senhor e confiou nele e em seu servo Moisés.
Então Moisés e os israelitas entoaram em honra do Senhor o seguinte cântico: “Cantarei ao Senhor, porque ele manifestou sua glória. Precipitou no mar cavalos e cavaleiros.
Terceira Leitura
Leitura do profeta Isaías (6, 2-6) Naqueles dias: Os serafins se mantinham junto dele. Cada um deles tinha seis asas; com um par (de asas) velavam a face; com outro cobriam os pés; e, com o terceiro, voavam. Suas vozes se revezavam e diziam: Santo, santo, santo é o Senhor Deus do universo! A terra inteira proclama a sua glória! A este brado as portas estremeceram em seus gonzos e a casa, encheu-se de fumo. Ai de mim, gritava eu. Estou perdido porque sou um homem de lábios impuros, e habito com um povo (também) de lábios impuros e, entretanto, meus olhos viram o rei, o Senhor dos exércitos! Porém, um dos serafins voou em minha direção; trazia na mão uma brasa viva, que tinha tomado do altar com uma tenaz.
Quarta Leitura
Leitura do Livro do Deuteronômio (31, 22-30) : Naqueles dias:Nesse mesmo dia, Moisés redigiu o cântico e o ensinou aos israelitas. O Senhor deu a Josué, filho de Nun, as seguintes ordens: Mostra-te varonil e corajoso, porque tu introduzirás os israelitas na terra que lhes jurei dar; e estarei contigo. Quando Moisés acabou de escrever todo o texto dessa lei, deu aos levitas, que levavam a arca da aliança do Senhor, esta ordem: Tomai este livro da lei e colocai-o ao lado da arca da aliança do Senhor, vosso Deus, para aí servir detestemunho contra ti, porque conheço teu espírito de revolta e sei que tens a cerviz dura. Se hoje, que ainda estou vivo no meio de vós, sois rebeldes ao Senhor, quanto mais o sereis depois de minha morte. Reuni junto de mim todos os anciães de vossas tribos e vossos magistrados: dirigir-lhes-ei estas palavras e tomarei o céu e a terra como testemunhas contra eles. Pois sei que depois de minha morte vos corrompereis certamente e vos desviareis do caminho que vos tracei; sei que virão males sobre vós no decorrer dos tempos, porque fareis o mal aos olhos do Senhor, irritando-o com o vosso proceder.Então pronunciou Moisés até o fim este cântico, em presença da assembléia:
Epístola
Leitura da Epístola de São Apóstolo aos Colossenses (3, 1-4) Naqueles dias: Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus. Afeiçoai-vos às coisas lá de cima, e não às da terra. Porque estais mortos e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, vossa vida, aparecer, então também vós aparecereis com ele na glória.


 
Alleluia, Alleluia et Alleluia!

Evangelho da Solenidade:

Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São Mateus
:
Naquele Tempo: Depois do sábado, quando amanhecia o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o túmulo. E eis que houve um violento tremor de terra: um anjo do Senhor desceu do céu, rolou a pedra e sentou-se sobre ela. Resplandecia como relâmpago e suas vestes eram brancas como a neve. Vendo isto, os guardas pensaram que morreriam de pavor. Mas o anjo disse às mulheres: Não temais! Sei que procurais Jesus, que foi crucificado. Não está aqui: ressuscitou como disse. Vinde e vede o lugar em que ele repousou. Ide depressa e dizei aos discípulos que ele ressuscitou dos mortos. Ele vos precede na Galiléia. Lá o haveis de rever, eu vo-lo disse.
Regina coeli, laetare, alleluia! Quia quem meruisti portare, alleluia! Resurrexit sicut dixit, alleluia! Ora pro nobis Deum, alleluia! Gaude et laetare, Virgo Maria, alleluia! Quia surrexit Dominus vere, alleluia!



Feliz Páscoa!

Alleluia, Alleluia, Alleluia!!! CRISTO RESSUSCITOU Alleluia!!!



Desejamos a todos os nossos leitores, familiares e amigos uma feliz e santa Páscoa! Feliz Páscoa! Alleluia!

SÁBADO SANTO (TRÍDUO SANTO)

Com a reposição da Vigília Pascal a seu tempo e lugar próprio e primitivo (noite do sábado para o domingo), o Sábado Santo passou a ser, com a nova reforma, como era antigamente, dia de luto para Igreja; dia em que esta se recolhe amorosamente junto do sepulcro do seu Divino Esposo, na meditação silenciosa da sua Paixão e Morte; dia alitúrgico", privado da celebração do Sacrifício Eucarístico e distribuição de comunhão.
O desnudamento e silêncio da Igreja (silêncio apenas interrompido pelo ofício das horas canônicas) traduz um sentimento de "ausência", sentimento este, no entanto, acompanhado de uma devota e "religiosa expectação" da vitória final daquele que, com sua morte, saiu vencedor da mesma morte.

A descida de Jesus aos infernos.
  
         Quando Jesus, com um grito forte, rendeu a santíssima alma, vi-a, qual figura luminosa, acompanhada de muitos Anjos, entre os quais também Gabriel, descer pela terra a dentro, ao pé da cruz. Vi, porém, que a divindade lhe ficou unida tanto à alma, como também ao corpo, pregado à cruz. Não sei explicar o modo porque se passou. Vi o lugar aonde se dirigiu a alma de Jesus; era dividido em três partes, parecendo três mundos e eu tinha a sensação de que tinha a forma redonda e que cada um estava separado do outro por uma esfera.

         Antes de chegar ao limbo, havia um lugar claro, e por assim dizer, mais verdejante e alegre. Era o lugar em que vejo sempre entrarem as almas remidas do purgatório, antes de serem levadas ao céu. O limbo, onde se achavam os que esperavam a redenção, estava cercado de uma esfera cinzenta, nebulosa e dividido em vários círculos. Nosso Salvador, conduzido pelos Anjos como em triunfo, entrou por entre dois desses círculos, dos quais o esquerdo encerrava os Patriarcas até Abraão e o direito as almas de Abraão até João Batista.Jesus penetrou por entre os dois; eles, porém, ainda não o conheciam, mas estavam todos cheios de alegria e desejo; foi como se dilatassem esses páramos da saudade angustiosa, como se ali entrassem o ar, a luz e o orvalho da Redenção.

         Tudo se deu rapidamente, como o sopro do vento. Jesus penetrou através dos dois círculos, até um lugar cercado de neblina, onde se achavam Adão e Eva, nossos primeiros pais. Falou-lhes e adoraram-no com indizível felicidade. O cortejo do senhor, ao qual se juntou o primeiro casal humano, dirigiu-se então à esquerda, ao limbo dos Patriarcas que tinham vivido antes de Abraão. Era uma espécie de purgatório; pois entre eles se moviam, cá e lá, maus espíritos, que atormentavam e inquietavam algumas dessas almas de muitas maneiras.

         Os anjos bateram e mandaram que abrissem; pois havia lá uma entrada, uma espécie de porta, que estava fechada; os anjos anunciaram a vinda do Senhor, parecia-me ouvi-los exclamar: “Abri as portas!” Jesus entrou triunfantemente; os espíritos maus, retirando-se, gritaram: “Que tens conosco? Que queres fazer de nós? Queres crucificar-nos também?, etc”. 

         – Os anjos, porém, amarraram-nos e empurraram-nos para diante. Essas almas sabiam pouco de Jesus, tinham só uma idéia obscura do Salvador; Jesus anunciou-lhes a Redenção e eles lhe cantaram louvores. Dirigiu-se então a alma do Senhor ao espaço a direita, ao verdadeiro limbo, em frente ao qual se encontrou com a alma do bom ladrão que, cercado de espíritos maus, foi precipitada no inferno. A alma de Jesus dirigiu-lhes algumas palavras e entrou então no seio de Abraão, acompanhada dos Anjos, das almas remidas e dos demônios expulsos.

         Esse lugar parecia-me situado um pouco mais alto; era como se subisse do subterrâneo de uma igreja à igreja superior. Os demônios amarrados quiseram resistir, não queriam passar; mas foram levados a força pelos Anjos. Neste lugar estavam todos os santos Israelitas, a esquerda dos Patriarcas, Moisés, os Juizes, os Reis; a direita os profetas e todos os antepassados e parentes de Jesus, até Joaquim, Ana, José, Zacarias, Isabel e João.

         Nesse lugar não havia nenhum mau espírito, nem tormento algum, a não ser o desejo ansioso da Redenção, que se realizaria enfim. Indizível delicia e felicidade enchia as almas todas, que saudavam e adoravam o Salvador; os demônios amarrados foram obrigados a confessar sua ignomínia diante delas. Muitas dessas almas foram enviadas à terra, para entrar nos respectivos corpos e dar testemunho do Senhor. Foi nesse momento que tantos mortos saíram dos sepulcros em Jerusalém; apareciam como cadáveres ambulantes, depositando depois novamente os corpos, como um mensageiro da justiça deposita o manto oficial, depois de ter cumprido as ordens do superior.

         Vi depois o cortejo triunfal do Salvador entrar numa esfera mais baixa, uma espécie de lugar de purificação, onde se achavam piedosos pagãos e tinham tido um pressentimento da verdade  e o desejo de conhecê-la. Havia entre eles espíritos maus, porque tinham ídolos; vi os espíritos malignos forçados a confessar o embuste e as almas adorarem o Senhor com alegria tocante. Os demônios desse lugar foram também amarrados e levados no cortejo. Assim vi o Salvador passar triunfalmente com grande velocidade, por vários lugares onde estavam almas encerradas, libertando-as e fazendo ainda muitas outras coisas, mas no meu estado de miséria não posso contar tudo.

         Por fim o vi aproximar-se, com ar severo, do centro do abismo, do inferno, que me apareceu sob a forma de um imenso edifício horrível, formado de negros rochedos, de brilho metálico, cuja entrada tinha enormes portas, terríveis, pretas, fechadas com fechaduras e ferrolhos que causavam medo. Ouviam-se uivos de desespero e gritos de tormento, abriram-se as portas e apareceu um mundo hediondo e tenebroso.

         Assim como vi as moradas dos bem-aventurados sob a forma de uma cidade, a Jerusalém celeste, com muitos palácios e jardins, cheios de frutas e flores maravilhosas, de várias espécies, conforme as inúmeras condições e graus de santidade, assim vi também o inferno como um mundo separado, com muitos edifícios, moradas e campos. Mas tudo destinado, ao contrário, a tortura e as penas dos condenados. Como na morada dos bem aventurados tudo é disposto segundo as causas e condições da eterna paz, harmonia e alegria, assim no inferno se manifesta em tudo a eterna ira, a discórdia e desespero.

         Como no céu há muitíssimos edifícios, indizivelmente belos, transparentes, destinados a alegria e adoração, assim há no inferno inúmeros e variados cárceres e cavernas, cheios de tortura, maldição e desespero. No céu há maravilhosos jardins, cheios de frutos de gozo divino; no inferno horrendos desertos e pântanos, cheios de tormentos e angustias e de tudo que pode causar horror, medo e nojo.

         Vi tempos, altares, castelos, tronos, jardins, lagos, rios de maldição, de ódio, de horror, de desespero, de confusão, de pena e tortura; com há no céu rios de benção, de amor de concórdia, de alegria e felicidade; aqui a eterna, terrível discórdia dos condenados; lá a união bem-aventurada dos santos.

         Todas as raízes da corrupção e do erro produzem aqui tortura e suplicio, em inumeráveis manifestações e operações; há só um pensamento reto: a idéia austera da justiça divina, segundo a qual cada condenado sofre a pena, o suplicio, que é o fruto necessário de seu crime; pois tudo que se passa e se vê de horrível nesse lugar, é a essência, a forma e a perversidade do pecado desmascarado, da serpente que atormenta com o veneno maldoso os que o alimentaram no seio. Vi lá uma colunata horrorosa, em que tudo se referia ao horror e a angústia, como no reino de Deus a paz e ao repouso. Tudo se compreende facilmente, ao vê-lo, mas é quase impossível exprimir tudo em palavras.

         Quando os anjos abriram as portas, viu-se um caos de contradição, de maldições, de injurias, de uivos e gritos de dor. Vi Jesus falar a alma de Judas. Alguns dos anjos prostraram exércitos inteiros de demônios. Todos foram obrigados a reconhecer e adorara Jesus, o que foi para eles o maior suplício. Grande número deles foram amarrados a um círculo, que cercava muitos outros, que deste modo também ficaram presos.

         No centro havia um abismo de trevas, Lúcifer foi amarrado e lançado nesse abismo, onde vapores negros lhe ferviam em redor. Tudo se fez segundo os decretos divinos. Ouvi dizer que Lúcifer, se não me engano, 50 ou 60 anos antes do ano 2.000 de Cristo, seria novamente solto por certo tempo. Muitas outras datas e números foram indicados, dos quais não me lembro mais. Deviam ser soltos ainda outros demônios antes desse tempo, para provação e castigo dos homens. Creio que também em nosso tempo era a vez de alguns deles e de outros pouco depois do nosso tempo.

         É-me impossível contar tudo quanto me foi mostrado; são muitas coisas e não as posso relatar em boa ordem; também me sinto tão doente e quando falo dessas coisas, elas se me representam novamente diante dos olhos e só o aspecto já é suficiente para nos fazer morrer.

         Ainda vi exércitos imensos de almas remidas saírem do purgatório e do limbo, acompanhando o Senhor, para um lugar de delicias abaixo da Jerusalém celeste. Foi lá que vi também, há algum tempo, um amigo falecido. A alma do bom ladrão foi também conduzida para lá e viu assim o Senhor no Paraíso, conforme a promessa. Vi que nesse lugar foram preparados banquetes de alegria e conforto, como os tenho visto já muitas vezes, em visões consoladoras.

         Não posso indicar com exatidão o tempo de tudo que se passou, como também não posso contar tudo quanto vi e ouvi lá porque eu mesma não compreendo mais tudo, já porque podia ser mal compreendida pelos ouvintes. Vi, porém, o Senhor em lugares muito diferentes, até no mar, parecia santificar e libertar todas as criaturas; em toda parte fugiam os maus espíritos diante dele e lançaram-se no abismo. Vi também a alma do Senhor em muitos lugares da terra.

         Vi-O aparecer no sepulcro de Adão e Eva, sob o Gólgota. As almas de Adão e Eva juntaram-se-lhe novamente; falou-lhes e com elas O vi passar, como sob a terra, em muitas direções e visitar os túmulos de muitos profetas, cujas lamas se lhe juntaram, próximo das respectivas ossadas e explicou-lhes o Senhor muitas coisas. Vi-O depois, com esse séqüito escolhido, em que seguia também Davi, passar em muitos lugares de sua vida e paixão, explicando-lhes com indizível amor todos os fatos simbólicos que se tinham dado ali e o cumprimento dessas figuras em sua pessoa.

         vi-O especialmente explicar as almas tudo quanto se dera de fatos figurativos no lugar me que foi batizado e contemplei muito comovido a infinita misericórdia de Jesus, que as fez participar da graça de seu santo Batismo.

         Causou-me inexprimível comoção ver a alma do Senhor, acompanhada por esses espíritos bem aventurados e consolados, passar, como um raio de luz, através da terra escura e dos rochedos, pelas águas e pelo ar e pairar tão sereno sobre a terra.

         É o pouco de que me lembro ainda, de minha contemplação da descida do Senhor aos infernos e da redenção das almas dos Patriarcas, depois de sua morte; mas além dessa visão dos tempos passados, vi nesse dia uma imagem eterna de sua misericórdia para com as pobres almas do purgatório. Vi que, a em cada aniversário desse dia, lança por meio da Igreja, um olhar de salvação ao purgatório; vi que já no Sábado Santo remiu algumas almas do purgatório, que tinham pecado contra ele na hora da crucificação.

         A primeira descida de Jesus ao limbo é o cumprimento de figuras anteriores e, por sua vez, é a figura da redenção atual. A descida aos infernos que vi, referia-se ao tempo passado, mas a salvação de hoje é uma verdade permanente; pois a descida de Jesus aos infernos é o plantio de uma árvore de graça, destinada a administrar os seus méritos divinos as almas do purgatório e a redenção contínua e atual dessas almas é o fruto dessa árvore da graça no jardim espiritual do ano eclesiástico.

         A Igreja militante deve cuidar dessa árvore, colher-lhe frutos, para os outorgar a Igreja padecente, porque essa nada pode fazer em seu próprio proveito. Eis o que se dá em todos os merecimentos de Nosso Senhor; é preciso cooperar, para ter neles. Devemos comer o pão ganho com os suor do nosso rosto. Tudo quanto Jesus fez por nós no tempo, dá frutos eternos; mas devemos cultivá-los e colhê-los no tempo, para poder gozá-los na eternidade.

         A Igreja é como um bom pai de família; o ano eclesiástico é o jardim mais perfeito, com todos os frutos eternos no tempo; em um ano tem bastante de tudo para todos. Ai! Dos jardineiros preguiçosos e infiéis, que deixam perder uma graça, que poderia curar um enfermo, fortalecer um fraco, saciar um faminto: no dia de juízo terão de dar conta até do menor pezinho de erva.

Fonte: Cidadão do Infinito



Façamos a observância do santo silêncio meditando a Paixão e Morte de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Rezemos hoje especialmente pelos milhares de Cristãos que sofrem perseguição por causa de sua Fé no mundo todo, vítimas do ódio e da Cristofobia.


Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960

sexta-feira, 29 de março de 2013

Christus factus est pro nobis obediéns usque ad mortem, mortem autem crucis: propter quod et Deus exaltávit illum, et dedit illi nomen...

Foi exatamente às 17 horas que o Senhor fora sepultado...









Segundo as Visões de Anna Catharina Emmerich:

O jardim e o sepulcro de José de Arimatéia

Esse jardim está situado a cerca de sete minutos do monte Calvário, perto da porta de Belém, na encosta que vai subindo até os muros da cidade; é um belo jardim, com grandes árvores e bancos, em lugares com sombra; de um lado se estende até o muro da cidade, no alto da encosta. Quem vem da porta ao norte do vale, entrando no jardim, tem à esquerda o terreno do jardim, que sobe até o muro da cidade; e vê no fundo do mesmo, à direita, um rochedo isolado, onde é o sepulcro.

Essa porta é de metal, que parece ser cobre e abre em dois batentes que, abertos, se encostam à parede em ambos os lados; não fica perpendicular, mas um pouco inclinada para o nicho e quase tocando o solo, de modo que uma pedra colocada em frente impede de abri-la. A pedra destinada a esse fim ainda estava fora da gruta e foi colocada à porta fechada só depois de depositado o corpo do Nosso Senhor no sepulcro. É grande e um pouco arredondada para o lado da porta, porque as paredes laterais também não é necessário rolar a pedra para fora da gruta, o que seria bastante difícil, por causa da falta de espaço; mas passa-se uma corrente, que pende da abobada, através de algumas argolas, fixas para esse fim na pedra; puxando pela corrente, levanta-se a pedra, mas mesmo assim, só com esforço de vários homens se a desloca, encostando-a à parede lateral.

Em frente á entrada da gruta, há no jardim um banco de pedra. Pode-se subir o rochedo do sepulcro e andar sobre a relva de que é coberto; de lá se avista justamente o muro da cidade e também o ponto mais alto de Sião e algumas torres; vê-se também de lá a porta de Belém, um aqueduto e a fonte de Gion. A rocha no interior da gruta é branca, com veios vermelhos e pardos. Toda a obra da gruta foi feita com muito capricho.

O corpo de Jesus é preparado para a sepultura.


A Santíssima Virgem estava sentada sobre uma coberta, estendida sobre a terra; o joelho direito, um pouco elevado, como também as costas, apoiavam-se-lhe sobre uma almofada, feita de mantos enrolados; fizeram esse arranjo para facilitar à Mãe, exausta de dor e cansaço, a triste obra de caridade que ia fazer, para com o santo corpo do Filho querido, cruelmente assassinado.

A santa cabeça de Jesus, um pouco curvada, estava encostada ao joelho de Maria; o corpo jazia estendido sobre o pano. Igualavam-se a dor e o amor da Virgem Santíssima. Tinha de novo nos braços o corpo do Filho adorado, a quem durante tão longo martírio não pudera testemunhar seu amor; via quanto estava desfigurado o santo corpo, pelas horríveis crueldades, via-lhe de perto as feridas, beijava-lhe as faces sangrentas, enquanto Madalena jazia prostrada por terra, com o rosto sobre os pés de Jesus.

Os homens retiraram-se então para um pequeno vale, situado a sudoeste, na encosta do Calvário, onde tencionavam terminar o embalsamento e arrumaram tudo quanto era necessário para esse fim. Cássio, com um grupo de soldados que se tinham convertido, mantinha-se a respeitosa distância; toda a gente inimiga do Mestre tinha já voltado para a cidade e os soldados ainda presentes ficaram para servir de guarda e impedir que alguém viesse perturbar as últimas honras prestadas a Jesus. Alguns ajudavam, comovidos e humildes, prestando pequenos serviços, quando lhes pediam.

Todas as santas mulheres ajudavam, onde era preciso, passando os vaso com água, esponjas, panos e ungüentos e especiarias ou mantinham-se atentas a certa distância. Entre elas se achavam Maria, filha de Cléofas, Salomé e Verônica; Madalena estava sempre ocupada com o santo corpo; Maria Helí, a irmã mais velha da Santíssima Virgem, senhora já idosa, estava sentada silenciosa, João estava sempre ao lado da Santíssima Virgem, pronto a prestar-lhe qualquer auxílio; era o mensageiro entre as mulheres e os homens; ajudava àquelas e depois prestou também muitos serviços aos homens, durante o embalsamamento.

Estava tudo muito bem preparado; as mulheres trouxeram odres de couro, que se podiam abrir e dobrar e um vaso com água, que estava sobre uma fogueira de carvão. Trouxeram a Maria e a Madalena tigelas com água e esponjas limpas, espremendo as usadas e despejavam a água usada nos odres de couro. Creio, pelo que os chumaços redondos que as vi espremerem, eram esponjas.

A Santíssima Virgem conservava um ânimo forte, em toda a sua indizível dor; mesmo em sua tristeza não podia deixar o santo corpo no horrendo estado em que o pusera o ignominioso suplício e assim começou, com atividade infatigável, a lavá-lo cuidadosamente. Abrindo a coroa de espinhos pelo lado posterior, tirou-a cuidadosamente da cabeça de Jesus, com auxílio dos outros. Para que os espinhos que entraram na cabeça, não alargassem as feridas, foi preciso cortá-los um a um da coroa.

Colocaram depois a coroa junto aos cravos, ao lado, e Maria tirou alguns espinhos compridos e fragmentos que tinham ficado na cabeça do Salvador, com uma espécie de pinças curvas e elásticas, de cor amarela e mostrou-os tristemente aos amigos compassivos. Puseram os espinhos junto à coroa; mas é possível que alguns fossem guardados como lembrança.

Quase não se podia mais reconhecer o rosto do Senhor, tão desfigurado estava pelas feridas e pelo sangue. O cabelo e a barba, em desalinho, estavam completamente colados pelo sangue. Maria lavou-lhe o rosto e a cabeça, passando esponjas molhadas sobre o cabelo, para tirar o sangue que secara. A medida que lavava, tornavam-se mais visíveis os efeitos do cruel suplicio , causando cada vez novas manifestações de compaixão, novos cuidados, de ferida em ferida.

Maria limpou-lhe as feridas da cabeça, lavou o sangue dos olhos, das narinas e dos ouvidos, com uma esponja e um pequeno lenço, estendidos sobre os dedos da mão direita; com esse limpou também a boca entreaberta, a língua, os dentes e os lábios de Nosso Senhor. Dispôs o pouco que restava da cabeleira de Jesus em três partes, uma para cada lado e uma para o lado posterior da cabeça e depois de alisar os cabelos de ambos os lados, fê-los passar por trás das orelhas.

Quando acabou de limpar a cabeça, deu-Lhe um beijo na face e cobriu o santo rosto. Dirigiu então os cuidados ao pescoço, aos ombros, ao peito e às costas do santo corpo, aos braços e às mãos laceradas e sangrentas. Ai! Então se viu toda a horrenda dilaceração do santo corpo. Todos os ossos do peito e todas as articulações estavam deslocadas e tornaram-se inflexíveis; o ombro sobre o qual Jesus transportou a pesada cruz, era uma grande chaga; toda a parte superior do corpo estava coberta de feridas e pisaduras, causadas pela flagelação; no lado esquerdo se via uma ferida pequenina, onde saíra a ponta da lança e no lado direito se abria a larga chaga feita pela mesma lança, que também lhe traspassou o coração de lado a lado.

Maria Santíssima lavou e limpou todas essas feridas. Madalena, prostrada de joelhos, ficava-lhe às vezes em frente, para a ajudar, mas quase sempre estava aos pés de Jesus, os quais lavou então pela última vez, mais com as lágrimas do que com água, enxugando-os com o cabelo.

A cabeça, o peito e os pés do Senhor foram assim limpos do sangue e de toda a imundície; o corpo, de um branco azulado, com o brilho de carne exangue, coberto de manchas pardas e de outros lugares vermelhos, onde a pele fora arrancada, repousava sobre os joelhos de Maria, que lhe envolvia os membros lavados e se pôs a embalsamar todas as feridas, começando novamente pela cabeça.

As santas mulheres ajoelhavam-se alternadamente diante dela, apresentando-lhe um vaso, do qual, com o indicador e o polegar da mão direita, tirava um bálsamo ou ungüento sobre o cabelo; vi, que segurando as mãos de Jesus com a mão esquerda, as beijou respeitosamente e encheu as largas chagas dos cravos com o mesmo ungüento ou as mesmas especiarias de que enchera os ouvidos as narinas e a chaga do lado. Madalena estava quase todo o tempo ocupada com os pés de Jesus, ora enxugando e untando-os, ora banhando-os novamente com as lágrimas; muitas vezes apoiava neles o rosto.

Vi que não despejavam fora a água usada, mas guardavam-na nos odres de couro, nos quais também espremiam as esponjas. Vi diversas vezes que Cássio e outros soldados foram buscar água à fonte de Gion, em odres e jarros, que as mulheres tinham trazido; essa fonte de Gion estava tão perto, que se podia enxergá-la do jardim do sepulcro.

Quando a Santíssima Virgem acabou de untar todas as feridas, envolveu a santa cabeça em faixas; mas ainda não pôs o lenço que devia cobrir-lhe o rosto. Fechou-lhe os olhos entreabertos, pousando sobre eles a mão por algum tempo; fechou também a boca do Senhor, abraçou o santo corpo do Filho e, chorando, deixou cair o rosto sobre o de Jesus. Madalena, pelo grande respeito que tinha ao Senhor, não lhe tocou no semblante, mas apenas descansou o rosto sobre os pés do santo corpo.

José e Nicodemos já tinham estado por algum tempo perto, esperando, quando João se aproximou da Santíssima Virgem, pedindo que se separasse do corpo de Jesus, para que o pudessem preparar para a sepultura, porque o sábado já estava perto. Maria abraçou mais uma vez, com o maior fervor, o corpo do Filho adorado, despedindo-se dele com palavras comoventes.

Então levantaram os homens o santo corpo no pano em que jazia, sobre os joelhos da Mãe Santíssima e levaram-no para o lugar do embalsamamento. A Virgem Santíssima, novamente entregue à dor, para a qual tinha achado alguma consolação nos piedosos cuidados, caiu, com a cabeça velada, nos braços das mulheres; Madalena, porém, seguiu os homens, correndo-lhes alguns passos atrás, com os braços estendidos, como se lhe quisessem raptar o Amado, mas voltou depois para junto da SS. Virgem.

Levando o santo corpo, os homens desceram um pouco do alto do Gólgota, para um lugar, numa dobra da encosta, onde havia uma pedra chata e lisa, própria para esse fim. Ali já tinham feito todos os preparativos para o embalsamamento. Vi primeiro, ali estendido, um pano trabalhado a crivo, semelhante a uma rede, como que feita de rendas; parecia-se com o grande pano de fome, que se pendura em nossas igrejas.

Quando criança, pensava eu sempre, ao ver esse pano, que era o mesmo que vi no embalsamamento do Senhor. Provavelmente tinha o feitio de uma rede, para deixar escorrer a água, ao lavar. Vi mais um pano grande, estendido sobre a pedra. Deitaram o corpo do Senhor sobre o primeiro e alguns seguravam o outro por cima.

Nicodemos e José de Arimatéia ajoelharam-se e desataram, sob essa coberta, o lençol em que tinham envolvido o ventre do Senhor, ao descê-Lo da cruz. depois tiraram também do santo corpo a cinta que Jonadab, sobrinho do pai nutrício do Salvador, lhe trouxera antes da crucifixão. Lavaram então o ventre do Senhor com esponjas, sob o pano com que o cobriam, com piedoso recato e que o tornava invisível aos seus olhos.

Coberto ainda com o pano, levantaram-nO depois, por meio de outros panos, passados sob os braços e joelhos e assim lhe lavaram também as costas, sem virar o corpo. Continuavam a lavar, até que a água espremida das esponjas escorria clara e limpa. Depois o lavaram ainda com água de mirra e vi que depuseram o santo corpo sobre a pedra, estendendo-o respeitosamente com as mãos, dando-lhe uma posição reta, pois o meio do corpo e as pernas estavam ainda um pouco curvas, entesadas, na posição em que se encolhera, morrendo.

Puseram-Lhe então sob os lombos um pano da largura de um côvado e cerca de três côvados de comprimento, enchendo-lhe o seio de molhos de ervas, - como vejo às vezes em banquetes celestes, ervas verdes em pratos de couro, com borda azul, - e de fibras finas e crespas de plantas parecidas com açafrão e sobre tudo isso espalharam um pó fino, que Nicodemos trouxera num vaso.

Envolveram depois o ventre, com todas essas especiarias, no pano, puxaram uma parte deste, por entre as pernas, para cima e fixaram-na sobre o ventre, fazendo entrar a extremidade do pano por baixo do cinto. Depois de O ter deste modo envolvido, ungiram todas as chagas das coxas, cobriram-nas de especiarias, puseram molhos de ervas entre as pernas, até os pés e enrolaram as pernas junto com as ervas, de baixo para cima.

Então foi João chamar a Santíssima Virgem e as outras santas mulheres. Maria ajoelhou-se ao lado da cabeça, colocando sob essa um lenço fino, que recebera de Cláudia Prócula, mulher de Pilatos e que trouxera ao pescoço, sob o manto. Ela e as outras santas mulheres encheram então os espaços entre a cabeça e os ombros, em redor do pescoço, até às faces de Jesus, com molhos de ervas, com as fibras e o pó fino e feito isso, a Santíssima Virgem atou tudo com aquele pano, envolvendo cabeça e ombros. Madalena derramou ainda um frasco inteiro de um líquido aromático na ferida do lado de Jesus e as santas mulheres puseram-lhe ainda ervas e especiarias nas mãos e em redor dos pés.
Os homens puseram especiarias nas axilas, na cova estomacal, enchendo todo o espaço em redor do corpo, cruzaram sobre o seio os santos braços entorpecidos e envolveram finalmente todo o corpo, junto com as especiarias, no grande pano branco, até o peito, como se enfaixa uma criança; depois fizeram entrar sob um dos braços já enfaixados a extremidade de uma faixa, com a qual enrolaram todo o corpo, levantando-o e começando pela cabeça. Feito isto, puseram-no sobre o pano grande, de seis côvados de comprimento, o qual José de Arimatéia comprara e nele o envolveram. O corpo jazia obliquamente sobre o pano, do qual dobraram uma extremidade dos pés até o peito, a outra, de cima, sobre a cabeça e ombros; com as pernas salientes dos lados envolveram o meio do corpo.

Todos se ajoelharam então em redor do corpo, para se despedirem, chorando e eis que um milagre comovente se lhes deparou ante os olhos: Toda a figura do santo corpo, com todas as feridas, apareceu na superfície do pano que o cobria, desenhado em cor vermelho escura, como se Jesus quisesse recompensar-lhes o retrato, através de todo o invólucro. Chorando alto, abraçaram o santo corpo, beijando e venerando a milagrosa imagem. A admiração de que estavam possuídos, era tão grande, que de novo abriram o pano e tornou-se ainda maior, quando acharam todas as faixas e ataduras do corpo brancas como dantes; só o pano exterior trazia a imagem da figura do Senhor.

A parte do pano sobre a qual jazia o corpo, mostrava o desenho do dorso do Senhor e os lados do pano que o cobriam, sobrepostos, apresentavam a imagem da frente, porque na frente estava o pano dobrado sobre Ele, com vários cantos. A imagem não dava a impressão de feridas sangrentas, pois todo o corpo estava envolto espessamente em especiarias, com muitas ataduras; era, porém, uma imagem milagrosa, testemunho da divindade criadora, que permanecera unida ao corpo de Jesus.

Vi também muitos fatos da história posterior dessa santa mortalha, os quais, porém, não sei mais contar na devida ordem. Ela estava, junto com outros panos, na posse dos amigos de Jesus, depois da ressurreição. Uma vez vi que foi arrancada a uma pessoa, que a levava sob o braço. Vi-a duas vezes nas mãos de judeus, mas também muito tempo em diversos lugares, venerada pelos cristãos. Uma vez houve uma questão por causa dela e para a terminar, jogaram a mortalha no fogo, mas foi milagrosamente levada pelos ares e caiu nas mãos de um cristão.

Foram feitas três copias da santa imagem, por santos homens, que puseram outros panos em cima, com fervorosa oração, reproduzindo assim tanto a figura do dorso, como também a imagem composta da frente. Essas cópias foram consagradas pelo contato na intenção solene da Igreja e em todos os tempos têm sido instrumento de muitos milagres.

O original vi uma vez, um pouco estragado, com alguns rasgões, na Ásia, venerado por cristãos não católicos. Esqueci o nome da cidade, que fica situada num vasto país, vizinho da terra dos Reis Magos. Vi nessas visões também certas coisas de Turim e da França, do Papa Clemente I e do imperador Tibério, que morreu cinco anos depois da morte de Cristo; mas esqueci-as.


O enterro.

Os homens colocaram o santo corpo sobre a padiola de couro, cobriram-no com uma coberta parda e enfiaram em cada lado um varal, o qual me causou uma viva recordação da Arca da Aliança. Nicodemos e José carregavam as extremidades anteriores dos varais sobre os ombros; atrás seguravam Abenadar e João. Depois se seguiam a Santíssima Virgem, sua irmã mais velha, Maria Helí, Madalena e Maria de Cléofas e após elas, o grupo das mulheres que dantes estavam um pouco mais afastadas: Verônica, Joana Cuza, Maria Marcos (mãe de Marcos), Salomé Zebedaei, Maria Salomé, Salomé de Jerusalém, Susana e Ana, sobrinha de S. José, educada em Jerusalém. Encerravam o séquito Cássio e os soldados. As outras mulheres, por exemplo Maroni, de Naim, Dina, a Samaritana e Mara, a Sufamita, estavam então em Betânia, em casa de Marta e Lázaro.

Dois soldados, com fachos torcidos, iam na frente, pois precisavam de luz na gruta do sepulcro. Cantando salmos, em tom triste e baixo caminharam cerca de sete minutos, através do vale, em direção ao jardim do sepulcro. Vi na encosta, alem do vale, Tiago o Maior, irmão de João, olhar o cortejo e voltar depois, para o anunciar aos outros discípulos, refugiados nas cavernas.

O jardim irregular, coberto de relva, que ficava diante do rochedo da gruta, na extremidade do jardim, era cercado de uma sebe e além desta tinha na entrada uma cancela, cujas trancas, com gonzos de ferro, estavam fixas em estacas. Defronte da entrada do jardim, diante do rochedo do sepulcro, à direita, há várias palmeiras. A maior parte das outras plantas são arbustos, flores e ervas aromáticas.

Vi o cortejo parar na entrada do jardim e abrir a cancela, tirando algumas trancas, das quais se serviam depois, como alavancas, para fazer rolar para dentro da gruta a grande pedra que devia fechar o sepulcro. Chegando ao pé do rochedo, abriram a padiola e tiraram o santo corpo, deitando-o sobre uma tábua estreita, coberta de um largo pano. Nicodemos e José carregaram as duas extremidades da tábua, enquanto os outros dois seguravam o pano.

A nova gruta sepulcral fora limpa e perfumada pelos criados de Nicodemos; era bem graciosa e no alto das paredes interiores tinha um friso esculpido. A cova mortuária era, no lugar da cabeça, um pouco mais larga do que no lugar dos pés e havia sido escavada na forma côncava de um cadáver amortalhado, com pequenas elevações no lugar da cabeça e dos pés.

As santas mulheres assentaram-se em frente à entrada da gruta. Os quatro homens desceram com o santo corpo do Senhor à gruta, onde o depuseram no chão; encheram ainda parte do leito sepulcral de especiarias, estenderam sobre ele um pano, colocando sobre este o santo corpo. O pano pendia ainda dos lados do sepulcro. Manifestando ao santo corpo o seu amor com lágrimas e abraços, saíram da gruta. Entrou então a Santíssima Virgem. Sentou-se à cabeceira de Jesus, à beira do sepulcro, que tinha cerca de dois pés de altura e inclinou-se, chorando, sobre o cadáver do Filho.

Depois de Maria Santíssima sair, entrou Madalena, com ramos de flores, que colhera no jardim e que espalhou sobre o santo corpo. Torcendo as mãos e chorando alto, abraçou os pés de Jesus. Como, porém, os homens lá fora insistissem em fechar o sepulcro, voltou para junto das mulheres. Os homens dobraram sobre o santo corpo a parte pendente do pano, cobriram tudo com uma cobertura parda e fecharam as portas. Puseram uma barra transversal e uma perpendicular; parecia uma cruz.

A grande pedra destinada a fechar as portas do sepulcro e que ainda estava fora da gruta, tinha uma forma semelhante a uma arca ou um monumento sepulcral; um homem podia deitar-se sobre ela. Era muito pesada e os homens rolaram-na para dentro da gruta, com auxílio das trancas tiradas da cancela do jardim e encostaram-na às portas fechadas do sepulcro. A entrada exterior da gruta foi fechada com uma porta de ramos entrelaçados.

Todos os trabalhos dentro da gruta foram feitos à luz de fachos, porque dentro estava muito escuro. Durante o enterro do Senhor, vi vários homens na proximidade do jardim e do Monte Calvário, que, tímidos e tristes, andavam de um lado para outro; creio que eram discípulos, que receberam de Abenadar notícias e, saindo das cavernas, aproximaram-se através do vale e àquela hora estavam voltando.

A volta para casa, depois do enterro; o sábado; prisão de José de Arimatéia.

Já era a hora em que começava o sábado. Nicodemos e José voltaram à cidade, passando por uma pequena porta que havia no muro da cidade, perto do jardim e que, se bem me lembro, lhes era concedida por favor particular. Disseram à Santíssima Virgem, a João, Madalena e algumas mulheres que ainda queriam ir ao Monte Calvário, para rezar e buscar algumas coisas ali deixadas, que essa porta, como também o portão para o Cenáculo, lhes seriam abertos, se batessem. Maria Helí, a irmã já idosa da Santíssima Virgem, foi conduzida à cidade por Maria Marcos e outras mulheres. Os criados de Nicodemos e José voltaram ao Monte Calvário, para buscar os utensílios que lá tinham deixado.

Os soldados reuniram-se àqueles que ocupavam a porta que dava para o Monte Calvário; Cássio seguiu para o palácio de Pilatos, levando a lança e relatou-lhe tudo que acontecera, prometendo também lhe dar notícias exatas de tudo quanto ainda sucedesse, se o mandasse acompanhar a guarda do sepulcro, a qual os judeus, segundo fora informado, viriam requerer-lhe. Pilatos escutou todas as informações com um oculto terror, tratou-o porém, como fanático e com nojo e medo supersticioso da lança que Cássio trouxera consigo, mandou-lhe que a levasse para fora da sala.

Quando a Santíssima Virgem e os amigos voltavam com os utensílios do Monte Calvário, onde ainda tinham rezado e chorado, viram um destacamento de soldados que lhes vinha ao encontro; retiraram-se então para os dois lados do caminho, para deixar passar a tropa. Esta se dirigiu ao Monte Calvário, provavelmente para tirar, ainda antes do sábado, as cruzes e enterrá-las. Depois de terem passado, as santas mulheres continuaram o caminho em direção à pequena porta da cidade.

José e Nicodemos encontraram-se na cidade com Pedro, Tiago o Maior e Tiago o Menor. Todos estavam chorando. Pedro especialmente estava muito triste, preso de violenta dor; abraçou-os soluçando, acusou-se a si mesmo, lastimando não ter estado presente à morte do Senhor e agradeceu-lhes terem dado sepultura ao corpo sagrado. Todos estavam desvairados de dor. Pediram ainda para serem recebidos no Cenáculo, quando batessem e despediram-se, para procurar ainda outros discípulos dispersos.

Vi mais tarde a Santíssima Virgem e as amigas baterem à porta do Cenáculo e serem recebidas, como também Abenadar e, pouco a pouco, os demais Apóstolos e vários discípulos. As santas mulheres retiraram-se para a parte onde habitava a Santíssima Virgem; tomaram um pouco de alimento e passaram ainda alguns minutos, recordando com tristeza e dor tudo o que se tinha passado. Os homens revestiram-se de outras vestes e vi-os começarem o sábado de pé, sob um candeeiro.

Depois comeram ainda carne de cordeiros, em diversas mesas, no Cenáculo, mas sem cerimônias; pois não era o cordeiro pascal, que já tinham comido na véspera. Reinava tristeza e desânimo geral. Também as santas mulheres rezavam com Maria, à luz de um candeeiro. Mais tarde, quando já escurecera totalmente, foram ainda recebidos Lázaro, Marta, Maroni, a viúva de Naim, Dina Sumarites e Maria Sufanites, que depois de começar o sábado, vieram de Betânia e a dor renovou-se pela narração de tudo que se passara.

Mais tarde saíram José de Arimatéia e alguns discípulos e diversas mulheres do Cenáculo, voltando para casa; iam tímidos e tristes pelas ruas de Sião, quando de repente um grupo de homens armados saiu de uma emboscada, arremessando-se sobre eles e prendendo José de Arimatéia, enquanto os outros fugiram com gritos de terror. Vi encarcerarem o bom José numa torre do muro da cidade, não muito longe do tribunal. Caifás mandara soldados pagãos executarem essa prisão, porque não eram obrigados a guardar o sábado. Os inimigos tinham a intenção de deixar José morrer de fome e não falar nesse desaparecimento.


A guarda no túmulo de Jesus.

Na noite de sexta-feira para sábado vi Caifás e os príncipes dos judeus reunirem-se em conselho, para decidir o que deviam fazer, diante dos acontecimentos milagrosos e da excitação do povo. Depois foram ainda durante a noite, procurar Pilatos e disseram-lhe que se tinham lembrado de que aquele impostor tinha dito, quando ainda vivia, que no terceiro dia após a morte ressuscitaria; pediam-lhe que por isso mandasse guardar o sepulcro até o terceiro dia, para que os discípulos de Jesus não lhe roubassem o corpo, divulgando em seguida que tinha ressuscitado dos mortos, pois dessa forma seria a segunda impostura pior do que a primeira.

Pilatos, porém, não quis intrometer-se mais nessa questão e disse-lhes: “Tendes uma guarda; ide guardar o túmulo como entenderdes”. Mandou, porém, Cássio acompanhar a guarda e observar e relatar-lhe depois tudo. Vi os doze fariseus saírem da cidade, antes do pôr do sol. Os doze soldados que os acompanhavam, não estavam vestidos à forma romana: eram soldados do Templo e pareciam-me uma espécie de guarda de corpo. Levaram braseiros, fixos sobre hastes, para poder ver tudo durante a noite e para ter luz na escuridão do sepulcro.

Ao chegar, certificaram-se da presença do corpo, amarraram uma corda à porta do túmulo, dessa corda fizeram passar uma segunda à pedra, selando essas cordas com um selo semilunar. Depois voltaram à cidade e os guardas sentaram-se defronte da porta exterior do sepulcro. Ficavam alternadamente cinco ou seis homens, indo de vez em quando alguns à cidade, para buscar víveres.

Cássio, porém, não deixou o posto; permanecia em pé ou senado, no fosso em frente à entrada da gruta, de modo que podia ver o lado do túmulo fechado, onde repousavam os pés do Senhor. Recebeu grandes graças interiores e a inteligência intuitiva de muitos mistérios; como não estivesse acostumado a tais estados sobrenaturais, ficava, a maior parte do tempo dessa iluminação espiritual, como que embriagado, inconsciente das coisas exteriores. Foi nesse tempo que se converteu inteiramente, tornando-se novo homem; passou o dia em atos de arrependimento, ação de graças e adoração.

Christus factus est pro nobis obediéns usque ad mortem, mortem autem crucis: propter quod et Deus exaltávit illum, et dedit illi nomen...