sábado, 28 de fevereiro de 2015

II DOMINGO DA QUARESMA: "Este é meu filho muito amado, escutai-o" (Ev)






Elias, O Profeta


A estação de hoje reunia-se na igreja de Santa Maria chamada In Dominica, pelo fato de os cristãos ai se congregarem no domingo. Era tradição ter sido nele que São Lourenço distribuía os bens da Igreja aos pobres. Era no Século V paróquia de Roma.


Como nos três domingos da Septuagésima, Sexagésima e Qüinquagésima, são nos 2º, 3º e 4º Domingos da Quaresma lidos textos do Antigo Testamento que formam a trama da composição das missas, de sorte que os séculos passados continuam a preparar-nos para os mistérios da Páscoa. No segundo Domingo da Quaresma, lemos em matinas a história da benção solene do velho Isaac, dada no leito da agonia do seu filho Jacó de preferência ao primogênito Esaú, para se tornar o herdeiro e transmissor das promessas e bênçãos divinas. "Sê o Senhor dos teus irmãos e que as nações se prostrem diante de ti. Todos os povos serão abençoados em ti e no que nascer de ti" (Gênesis).


Os Santos Padres vêem no Patriarca Jacó que suplanta o irmão para ser, em vez dele, o objeto dos favores divinos, uma figura de Cristo, o segundo Adão que se torna, em vez do primeiro, o chefe de uma humanidade regenerada e abençoada de Deus, aquele em que o Pai tem todas as complacências e os povos serão abençoados. Comparando os dois textos, o do Gênesis e o do Evangelho da missa, facilmente podemos ver como concordam e se completam no pormenor mais insignificante. Deus abençoou o seu filho revestido de nossa carne, como Isaac abençoou Jacó revestidos das vestes do irmão Esaú. Santo Agostinho, que olha as peles de cabrito como símbolo do pecado, diz que Jacó, cobrindo com ela as mãos e o pescoço, é imagem de Cristo, que, sendo sem pecado, tomou sobre si os pecados dos outros.


Isto deixa-nos ver como a história de Jacó é figura de Cristo e da Igreja. E lembremo-nos que Jesus Cristo, o Filho de Deus, que o Evangelho de hoje nos apresenta transfigurado no Tabor como sendo o objeto das complacências do pai, solidarizou-se conosco a ponto de se vestir com a "nossa carne" e de se deixar morrer por nós para nos tornar co-herdeiros da sua glória e filhos queridos do Pai Celeste. Em Jesus fomos abençoados por Deus - Nele que é o mais velho, o primogênito de muitos irmãos.

Epístola

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Tessalonicenses (I Tes 4, 1-7): Irmão: No mais, aprendestes de nós a maneira como deveis proceder para agradar a Deus - e já o fazeis. Rogamo-vos, pois, e vos exortamos no Senhor Jesus a que progridais sempre mais. Pois conheceis que preceitos vos demos da parte do Senhor Jesus. Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação; que eviteis a impureza; que cada um de vós saiba possuir o seu corpo santa e honestamente, sem se deixar levar pelas paixões desregradas, como os pagãos que não conhecem a Deus; e que ninguém, nesta matéria, oprima nem defraude a seu irmão, porque o Senhor faz justiça de todas estas coisas, como já antes vo-lo temos dito e asseverado. Pois Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade.


Evangelho de Domingo:


Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (17, 1-9): Naquele tempo: Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e conduziu-os à parte a uma alta montanha. Lá se transfigurou na presença deles: seu rosto brilhou como o sol, suas vestes tornaram-se resplandecentes de brancura. E eis que apareceram Moisés e Elias conversando com ele. Pedro tomou então a palavra e disse-lhe: Senhor, é bom estarmos aqui. Se queres, farei aqui três tendas: uma para ti, uma para Moisés e outra para Elias. Falava ele ainda, quando veio uma nuvem luminosa e os envolveu. E daquela nuvem fez-se ouvir uma voz que dizia: Eis o meu Filho muito amado, em quem pus toda minha afeição; ouvi-o. Ouvindo esta voz, os discípulos caíram com a face por terra e tiveram medo. Mas Jesus aproximou-se deles e tocou-os, dizendo: Levantai-vos e não temais. Eles levantaram os olhos e não viram mais ninguém, senão unicamente Jesus.
E, quando desciam, Jesus lhes fez esta proibição: Não conteis a ninguém o que vistes, até que o Filho do Homem ressuscite dos mortos. 



* As leituras são retiradas do site "Bíblia Católica Online"


Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

SÁBADO DAS QUATRO TÊMPORAS DA QUARESMA






Elias, O Profeta




A estação de Sábado das Têmporas da Quaresma reunia-se sempre na Basílica edificada por Constantino, e reconstruída pelos Sumo Pontífices dos séculos XVI e XVII, na colina do Vaticano onde São Pedro morreu e repousa. Era nesta Basílica que se faziam as ordenações, precedidas, durante a noite, de doze leituras, das quais nos resta ainda um vestígio na missa de hoje.

Como os Apóstolos que foram escolhidos para assistir no Tabor a Transfiguração de Jesus, os novos presbíteros subirão os degraus do altar para se porem em comunhão com a divindade. São eles agora que nos exortam a escultar e praticar a palavra do Filho de Deus com obras de penitência e caridade. Se nos abstivermos das obras do mal, o nosso corpo e nossa alma conserva-se-á sem mancha para o dia da Páscoa eterna, em que o Senhor nos fará participar a todos da glória da sua transfiguração. Peçamos a Deus que nos fortifique com a sua benção, para que durante esta Quaresma não nos apartemos do cumprimento de sua santa vontade.

Epístola

Leitura do Livro do Deuteronômio (26, 12-19): Naqueles dias, falou Moisés ao povo nestes termos: Quando tiveres acabado dê separar o dízimo de todos os teus produtos, no terceiro ano, que é o ano do dízimo, e o tiveres distribuído ao levita, ao estrangeiro, ao órfão e à viúva, para que tenham em tua cidade do que comer com fartura, dirás em presença do Senhor, teu Deus: tirei de minha casa o que era consagrado para dá-lo ao levita, ao estrangeiro, ao órfão e à viúva, como me ordenasses: não transgredi nem omiti nenhum dos vossos mandamentos. Não comi dessas coisas durante o meu luto, nem delas separei coisa alguma em estado de impureza, e delas nada dei a um morto. Obedeci à voz do Senhor, meu Deus, e conformei-me inteiramente às vossas ordens. Olhai de vossa santa morada, do alto dos céus, e abençoar vosso povo de Israel, e a terra que nos destes, como jurasses a nossos pais, terra que mana leite e mel. O Senhor, teu Deus, ordena-te hoje que guardes estas leis e estes preceitos. Observa-os cuidadosamente e pratica-os de todo o teu coração e de toda a tua alma. Hoje, fizeste o Senhor, teu Deus, prometer que ele seria teu Deus, e que andarias nos seus caminhos, observando suas leis, seus mandamentos e seus preceitos, e obedecendo-lhe fielmente. E o Senhor fez-te prometer neste dia, também de tua parte, que serias um povo que lhe pertenceria de maneira exclusiva, como te disse, e que observarias todos os seus mandamentos, para que ele te eleve em glória, renome e esplendor, acima de todas as nações que criou, e sejas, assim, um povo consagrado ao Senhor, teu Deus, como te disse.

2ª Leitura

Leitura do Livro do Deuteronômio (11, 22-25): Naqueles dias, disse Moisés aos filhos de Israel: Se observardes fielmente todos os mandamentos que vos prescrevo, amando o Senhor, vosso Deus, andando em seus caminhos e apegando-vos a ele, então o Senhor expulsará de diante de vós todas essas nações, e despojareis povos mais numerosos e mais fortes do que vós. Todo lugar em que pisar a planta de vossos pés vos pertencerá. Vossa fronteiras irão desde o deserto até o Líbano e desde o rio Eufrates até o mar do ocidente. Ninguém vos poderá resistir: o Senhor, vosso Deus, semeará o pânico e o terror de vós em todas as terras onde pisardes, como vos prometeu.

3ª Leitura

Leitura do Livro dos Macabeus  (II 1, 23-26 e 27): Naqueles dias: Enquanto se consumiu o sacrifício, os sacerdotes puseram-se a rezar, e todos rezavam com eles; Jônatas entoava, e os outros, como Neemias, juntavam sua voz à dele. Eis a oração: Senhor, Senhor, Deus, criador de todas as coisas, terrível e forte, justo e misericordioso, que sois o rei único e bom, o único generoso, o único justo, todo-poderoso e eterno, vós que livrastes Israel de todo o mal, que fizestes de nossos pais vossos escolhidos e os santificastes, aceitai este sacrifício, oferecido por todo o vosso povo de Israel, guardai vossa parte de eleição e santificai-a. Congregai nossos irmãos dispersos, devolvei a liberdade aos que são escravos entre os pagãos, deitai vosso olhar sobre os que são desprezados e abominados, e que as nações saibam que sois nosso Deus.

4ª Leitura: 

Leitura do livro da Sabedoria (36, 1-10): Tem piedade de nós, ó Deus de toda as coisas, e volta para nós os teus olhos, e mostra-nos a luz das tuas misericórdias; e espalha o teu temor sobre as nações, que, que não buscaram, para que elas reconheçam que não há outro Deus senão Tu, e publiquem as tuas maravilhas. Levanta a tua mão contra as nações estranhas, para que reconheçam o teu poder. Porque, assim como diante de seus olhos mostrastes em nós a tua santidade, assim também a nossa vista mostra nelas a tua grandeza, para que reconheçam, como também nós reconhecemos, que fora de Ti de, Senhor, não há outro Deus. Renova os teus prodígios e fazes novas maravilhas. Glorifica a tua mão e o teu braço direito. Excita o teu furor, e derrama a tua ira. Destrói o teu adversário, e afinge o inimigo. Apressa o tempo, lembra-te do fim, para que publiquem as tuas maravilhas, Senhor que sois o nosso Deus.   

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Tessalonicenses (I Tes 5, 14-23): Irmãos, Pedimo-vos, que corrijais os desordeiros, encorajai os tímidos, amparai os fracos e tende paciência para com todos. Vede que ninguém pague a outro mal por mal. Antes, procurai sempre praticar o bem entre vós e para com todos. Vivei sempre contentes. Orai sem cessar. Em todas as circunstâncias, dai graças, porque esta é a vosso respeito a vontade de Deus em Jesus Cristo. Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo: abraçai o que é bom. Guardai-vos de toda a espécie de mal. O Deus da paz vos conceda santidade perfeita. Que todo o vosso ser, espírito, alma e corpo, seja conservado irrepreensível para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo!


Evangelho do dia:

Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (: Naquele tempo: Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e conduziu-os à parte a uma alta montanha. Lá se transfigurou na presença deles: seu rosto brilhou como o sol, suas vestes tornaram-se resplandecentes de brancura. E eis que apareceram Moisés e Elias conversando com ele. Pedro tomou então a palavra e disse-lhe: Senhor, é bom estarmos aqui. Se queres, farei aqui três tendas: uma para ti, uma para Moisés e outra para Elias. Falava ele ainda, quando veio uma nuvem luminosa e os envolveu. E daquela nuvem fez-se ouvir uma voz que dizia: Eis o meu Filho muito amado, em quem pus toda minha afeição; ouvi-o. Ouvindo esta voz, os discípulos caíram com a face por terra e tiveram medo. Mas Jesus aproximou-se deles e tocou-os, dizendo: Levantai-vos e não temais. Eles levantaram os olhos e não viram mais ninguém, senão unicamente Jesus. E, quando desciam, Jesus lhes fez esta proibição: Não conteis a ninguém o que vistes, até que o Filho do Homem ressuscite dos mortos.

*Leituras retiradas do site Bíblia católica online


Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.


sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Terra das cotas e país das lorotas


 Felipe Marques Pereira*

A escravidão no século XX A. C. era por natureza bem diferente da escravidão como o ocidente moderno conheceu. Falando sobre as tábuas de Nuzu, descobertas recentemente, R. K. Harisson em Tempos do Antigo Testamento comenta que a prática da adoção de escravos, às vezes simultaneamente por mais de uma família, era comum naquela época, e os mesmos passavam a gozar de todos os direitos legais como membros da família. Assim, Abraão adotou o seu escravo Eliézer que se tornou seu herdeiro. (Gn.15.2) Também era comum o casamento do escravo com a filha do seu senhor, o que permitia a ascensão social. [1]

Isso explica, em parte, a escravidão voluntária a que alguns homens se prestavam. De tal maneira que é lícito nos perguntarmos se um escravo, em determinados períodos do antigo testamento, não vivia uma situação de segurança econômica e social melhor do que eu ou você, hoje, no Brasil petista, onde não existe ascensão social e a classe média é demonizada, onde o governo se congratula por tirar alguns milhares da linha da miséria para entregá-los a linha da pobreza à custa do dinheiro do contribuinte, membro da tal classe "demoníaca".

A idade média desconheceu a escravidão, essa só reapareceu com o ressurgimento do paganismo no Renascimento, movimento conhecido como percussor da modernidade.

No Brasil, país da lorota e terra das cotas, algumas pessoas concorrem a cargos importantes em repartições públicas, privilegiados pela sua cor, e estando em vantagem até contra os mais capacitados. Tudo isso alegando que o Brasil tem uma dívida histórica com os negros por causa da escravidão.

Como a Igreja Católica é culpada até pelo naufrágio do Titanic (SIC!) não faltam os semi-intelectuais da esquerda que, após assistirem um filme de Hollywood ou lerem algum livreco, não acusem a Igreja de defender a escravidão dos negros. Contra isso basta ler o trecho de um documento saboroso do Papa Bento XIV (1740-1758), a Bula IMMENSA PASTORUM:

(...) recebemos certas notícias não sem gravíssima tristeza de nosso ânimo paterno, depois de tantos conselhos dados pelos mesmos Romanos Pontífices, nossos Predecessores, depois de Constituições publicadas prescrevendo que aos infiéis do melhor -modo possível dever-se-ia prestar trabalho, auxílio, amparo, não descarregar injúrias, não flagelos, não ligames, NÃO ESCRAVIDÃO, não morte violenta, sob gravíssimas penas e censuras eclesiásticas...” **


***
A partir de semana que vem essa coluna será atualizada todos os sábados, com eventuais publicações no decorrer da semana.

* Felipe Marques Pereira é um escritor de cunho conservador. Católico leigo estudou na PUC/PR. Para entrar em contato envie um e-mail para:

felipemarquespereira2015@outlook.com

** http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/magisterio/documentos-eclesiasticos/decretos-bulas/506-documentos-oficiais-da-igreja-contra-a-escravidao

Notas

[1] HARRISON, R. K. Tempos do antigo testamento. Ed. CPAD. 2010.




SEXTA-FEIRA DAS QUATRO TÊMPORAS DA QUARESMA (Dia de abstinência)





Elias, O Profeta



A estação de hoje reunia-se para o escrutínio das ordenações na igreja dos Doze Apóstolos, que fica aos pés do Quirinal em Roma. Os futuros sacerdotes e diáconos era assim colocados debaixo da proteção do colégio apostólico. Esta basílica, que é uma das mais antigas de Roma, foi mandada edificar por Júlio I pela ocasião da transladação das relíquias de São Felipe e São Thiago Menor. Dirigindo-se aos penitentes dos primeiros tempos, diz-lhes a Igreja pela boca de Ezequiel que Deus está pronto a perdoar-lhes porque se arrependeram. Como os doentes que se sentavam debaixo do pórtico da piscina, conservam-se também as portas da Igreja até o Grande Sábado, que é a festa da Páscoa, em que Jesus virá curá-los como curou o paralítico do Evangelho. As nossas almas, outrora mergulhadas na piscina resgatadora do batismo e manchadas depois pelo pecado, devem também expiar as faltas que o Senhor lhes perdoará por meio dos sacerdotes no tribunal da penitência. Não tenho homem que me ponha no tanque - dizia o paralítico do Evangelho, e tinha razão. Nós porém não podemos alegar esta desculpa; e se permanecemos paralíticos, é porque não queremos recorrer ao ministério sacerdotal que foi instituído para nos socorrer.

Epístola


Leitura do Livro do Profeta Ezequiel (18, 20-28): É o pecador que deve perecer. Nem o filho responderá pelas faltas do pai nem o pai pelas do filho. É ao justo que se imputará sua justiça, e ao mau a sua malícia.  Se, no entanto, o mau renuncia a todos os seus erros para praticar as minhas leis e seguir a justiça e a equidade, então ele viverá decerto, e não há de perecer. Não lhe será tomada em conta qualquer das faltas cometidas: ele há de viver por causa da justiça que praticou. Terei eu prazer com a morte do malvado? - oráculo do Senhor Javé. - Não desejo eu, antes, que ele mude de proceder e viva? E, se um justo abandonar a sua justiça, se praticar o mal e imitar todas as abominações cometidas pelo malvado, viverá ele? Não será tido em conta qualquer dos atos bons que houver praticado. É em razão da infidelidade da qual se tornou culpado e dos pecados que tiver cometido que deverá morrer. Dizeis: não é justo o modo de proceder do Senhor. Escutai-me então, israelitas: o meu modo de proceder não é justo? Não será o vosso que é injusto? Quando um justo renunciar à sua justiça para cometer o mal e ele morrer, então é devido ao mal praticado que ele perece. Quando um malvado renuncia ao mal para praticar a justiça e a equidade, ele faz reviver a sua alma. Se ele se corrige e renuncia a todas as suas faltas, certamente viverá e não perecerá.


Evangelho do dia:




Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João: Naquele tempo: Depois disso, houve uma festa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. Há em Jerusalém, junto à porta das Ovelhas, um tanque, chamado em hebraico Betesda, que tem cinco pórticos. Nestes pórticos jazia um grande número de enfermos, de cegos, de coxos e de paralíticos, que esperavam o movimento da água. [Pois de tempos em tempos um anjo do Senhor descia ao tanque e a água se punha em movimento. E o primeiro que entrasse no tanque, depois da agitação da água, ficava curado de qualquer doença que tivesse.] Estava ali um homem enfermo havia trinta e oito anos. Vendo-o deitado e sabendo que já havia muito tempo que estava enfermo, perguntou-lhe Jesus: Queres ficar curado? O enfermo respondeu-lhe: Senhor, não tenho ninguém que me ponha no tanque, quando a água é agitada; enquanto vou, já outro desceu antes de mim. Ordenou-lhe Jesus: Levanta-te, toma o teu leito e anda. No mesmo instante, aquele homem ficou curado, tomou o seu leito e foi andando. Ora, aquele dia era sábado. E os judeus diziam ao homem curado: E sábado, não te é permitido carregar o teu leito. Respondeu-lhes ele: Aquele que me curou disse: Toma o teu leito e anda. Perguntaram-lhe eles: Quem é o homem que te disse: Toma o teu leito e anda? O que havia sido curado, porém, não sabia quem era, porque Jesus se havia retirado da multidão que estava naquele lugar. Mais tarde, Jesus o achou no templo e lhe disse: Eis que ficaste são; já não peques, para não te acontecer coisa pior. Aquele homem foi então contar aos judeus que fora Jesus quem o havia curado.
* As leituras são retiradas do site "Bíblia Católica Online"

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Quinta-feira da 1ª Semana da Quaresma


Igreja de São Lourenço de Panisperna
Gregório II estabeleceu que a estação de hoje se reunisse  na antiga Igreja de São Lourenço de Panisperna, edificada em honra do heroico Diácono, no lugar onde a tradição diz que este sofreu o martírio. Lembra hoje a Igreja pela boca de Ezequiel aos catecúmenos e aos fiéis que tudo pertence a Deus que todos nós podemos nos salvar se praticrmos a justiça eguardarmos os mandamentos do Senhor. O milagre operado em favor da cananéia é uma prova convicente de que o Senhor, enviado primeiramente aos judeus, mas por eles rejeitado, vai voltar-se para os gentios, cuja a fé começa a se revelar.

Epístola:

 Leitura do Profeta Ezequiel: (18, 1-9): A palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos: por que repetis continuamente esse provérbio entre os israelitas: os pais comeram uvas verdes, mas são os dentes dos filhos que ficam embotados? Por minha vida - oráculo do Senhor Javé -, não tereis mais ocasião de repetir esse provérbio em Israel. É a mim que pertencem as vidas, a vida do pai e a vida do filho. Ora, é o culpado que morrerá. O homem justo - que procede segundo o direito e a eqüidade, que não participa dos festins das montanhas, que não volve os olhos para os ídolos da casa de Israel, que não desonra a mulher do próximo, e não tem relação com uma mulher durante o tempo de sua impureza, que não oprime ninguém, que restitui o penhor ao seu devedor, que não exerce a rapina, que dá seu pão aos famintos, e cobre com vestimenta o que está nu, que não empresta à taxa usurária e não recebe com juros, que afasta a sua mão da iniqüidade, e julga eqüitativamente entre um homem e outro, que segue os meus preceitos e observa as minhas leis, para proceder com retidão - esse homem é um justo: certamente viverá. Oráculo do Senhor Javé.




Evangelho do dia:

Continuação do Santo Evangelho segundo São Mateus: (15,21-28): Jesus partiu dali e retirou-se para os arredores de Tiro e Sidônia. E eis que uma cananéia, originária daquela terra, gritava: Senhor, filho de Davi, tem piedade de mim! Minha filha está cruelmente atormentada por um demônio. Jesus não lhe respondeu palavra alguma. Seus discípulos vieram a ele e lhe disseram com insistência: Despede-a, ela nos persegue com seus gritos. Jesus respondeu-lhes: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Mas aquela mulher veio prostrar-se diante dele, dizendo: Senhor, ajuda-me! Jesus respondeu-lhe: Não convém jogar aos cachorrinhos o pão dos filhos. Certamente, Senhor, replicou-lhe ela; mas os cachorrinhos ao menos comem as migalhas que caem da mesa de seus donos... Disse-lhe, então, Jesus: Ó mulher, grande é tua fé! Seja-te feito como desejas. E na mesma hora sua filha ficou curada.



* As leituras são retiradas do site "Bíblia Católica Online"

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

QUARTA-FEIRA DAS QUATRO TÊMPORAS DA QUARESMA



Elias, O Profeta





As têmporas da Primavera (Outono - Hemisfério Sul) coincidem com a primeira semana da Quaresma. Foram instituídas para consagrar a Deus a nova estação e atrair as graças do céu para aqueles que vão receber no sábado o sacramento da Ordem. A estação da Quarta-feira de Têmporas reuniu sempre na Santa Maria maior, a maior e mais bela igreja consagrada a Nossa Senhora em Roma. De fato convinha que a assembléia cristã reunisse, neste dia em que se procede ao escrutínio para as ordenações, num templo daquela que Proclo de Constantinopla saúda: "templo santíssimo em que Deus se fez sacerdote". As duas leituras que substituem a Epístola falam-nos de Moisés e de Elias, do legislador e do profeta que, antes de serem admitidos à presença de Deus na montanha santa, deveriam purificar-se pelo jejum e desfazer-se das coisas da Terra para ficarem mais livres para as coisas de Deus. No evangelho o Senhor fala-nos da sua ressurreição figurada no profeta Jonas. Preparemo-nos com jejuns e boas obras para a festa da ressurreição que nos há de aproximar mais de Deus.

Epístola


Leitura do Livro do Êxodo (24, 12-18): Naqueles dias o Senhor disse a Moisés: “Sobe para mim no monte. Ficarás ali para que eu te dê as tábuas de pedra, a lei e as ordenações que escrevi para sua instrução.” Moisés levantou-se com Josué, seu auxiliar, e subiu o monte de Deus. E disse aos anciãos: “Esperai-nos aqui até que voltemos. Tendes convosco Aarão e Hur. Se alguém tiver um litígio, dirigir-se-á a eles.” Moisés subiu ao monte. A nuvem cobriu o monte e a glória do Senhor repousou sobre o monte Sinai, que ficou envolvido na nuvem durante seis dias. No sétimo dia, o Senhor chamou Moisés do seio da nuvem. Aos olhos dos israelitas a glória do Senhor tinha o aspecto de um fogo consumidor sobre o cume do monte. Moisés penetrou na nuvem e subiu a montanha. Ficou ali quarenta dias e quarenta noites.

2ª Leitura:

Leitura do Livro dos Reis (19, 3-8): Elias chegando a Bersabéia, em Judá, deixou ali o seu servo, e andou pelo deserto um dia de caminho. Sentou-se debaixo de um junípero e desejou a morte: Basta, Senhor, disse ele; tirai-me a vida, porque não sou melhor do que meus pais. Deitou-se por terra, e adormeceu debaixo do junípero. Mas eis que um anjo tocou-o, e disse: Levanta-te e come. Elias olhou e viu junto à sua cabeça um pão cozido debaixo da cinza, e um vaso de água. Comeu, bebeu e tornou a dormir. Veio o anjo do Senhor uma segunda. vez, tocou-o e disse: Levanta-te e come, porque tens um longo caminho a percorrer. Elias levantou-se, comeu e bebeu e, com o vigor daquela comida, andou quarenta dias e quarenta noites, até Horeb, a montanha de Deus.

Evangelho do dia:


Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (: Naquele tempo: Então alguns escribas e fariseus tomaram a palavra: Mestre, quiséramos ver-te fazer um milagre. Respondeu-lhes Jesus: Esta geração adúltera e perversa pede um sinal, mas não lhe será dado outro sinal do que aquele do profeta Jonas: do mesmo modo que Jonas esteve três dias e três noites no ventre do peixe, assim o Filho do Homem ficará três dias e três noites no seio da terra. No dia do juízo, os ninivitas se levantarão com esta raça e a condenarão, porque fizeram penitência à voz de Jonas. Ora, aqui está quem é mais do que Jonas. No dia do juízo, a rainha do Sul se levantará com esta raça e a condenará, porque veio das extremidades da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. Ora, aqui está quem é mais do que Salomão. Quando o espírito impuro sai de um homem, ei-lo errante por lugares áridos à procura de um repouso que não acha. Diz ele, então: Voltarei para a casa donde saí. E, voltando, encontra-a vazia, limpa e enfeitada. Vai, então, buscar sete outros espíritos piores que ele, e entram nessa casa e se estabelecem aí; e o último estado daquele homem torna-se pior que o primeiro. Tal será a sorte desta geração perversa. Jesus falava ainda à multidão, quando veio sua mãe e seus irmãos e esperavam do lado de fora a ocasião de lhe falar. Disse-lhe alguém: Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar-te. Jesus respondeu-lhe: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? E, apontando com a mão para os seus discípulos, acrescentou: Eis aqui minha mãe e meus irmãos. Todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe.



* As leituras são retiradas do site "Bíblia Católica Online"

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Terça-feira da 1ª semana da Quaresma

Interior da Basílica de Santa Anastácia
A Estação de hoje reunia-se na antiga Igreja do Século IV,  a única paroquial do centro e dos quarteirões mais ricos da cidade. Foi sem dúvida a grande popularidade do culto de Santa Anastácia que nela se venera, que deveu ser escolhida para a estação do Natal e de Hoje. A Epístola nos convida hoje com insistência para que nos voltemos a Deus, escultemos a sua voz e entremos nas suas vistas, para, que deste modo, nos libertarmos da nossa própria pequenez e assim lhe permitirmos realizar aos seus insondáveis desígnios. Esta procura de Deus é para nós igualmente recomendada no Evangelho. Foi o que nos mostrou o Senhor, expulsando do templo os vendilhões. É porque os fariseus não estávam animados deste santo anseio, ficram indeiferentes e cegos diante dos milagres do Salvador e incapazes de reconhecer nele o Filho de Davi e o enviado de Deus.

Epístola:

Leitura do Profeta Isaías: Naqueles dias disse o profeta Isaías: (55, 6-11) Renuncie o malvado a seu comportamento, e o pecador a seus projetos; volte ao Senhor, que dele terá piedade, e a nosso Deus que perdoa generosamente. Pois meus pensamentos não são os vossos, e vosso modo de agir não é o meu, diz o Senhor; mas tanto quanto o céu domina a terra, tanto é superior à vossa a minha conduta e meus pensamentos ultrapassam os vossos. Tal como a chuva e a neve caem do céu e para lá não volvem sem ter regado a terra, sem a ter fecundado, e feito germinar as plantas, sem dar o grão a semear e o pão a comer, assim acontece à palavra que minha boca profere: não volta sem ter produzido seu efeito, sem ter executado minha vontade e cumprido sua missão.
Santa Anastácia

Evangelho do dia:

Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segunto São Mateus: (21, 10-17): Naquele tempo: Quando ele entrou em Jerusalém, alvoroçou-se toda a cidade, perguntando: Quem é este? A multidão respondia: É Jesus, o profeta de Nazaré da Galiléia. Jesus entrou no templo e expulsou dali todos aqueles que se entregavam ao comércio. Derrubou as mesas dos cambistas e os bancos dos negociantes de pombas, e disse-lhes: Está escrito: Minha casa é uma casa de oração (Is 56,7), mas vós fizestes dela um covil de ladrões (Jr 7,11)! Os cegos e os coxos vieram a ele no templo e ele os curou, com grande indignação dos príncipes dos sacerdotes e dos escribas que assistiam a seus milagres e ouviam os meninos gritar no templo: Hosana ao filho de Davi! Disseram-lhe eles: Ouves o que dizem eles? Perfeitamente, respondeu-lhes Jesus. Nunca lestes estas palavras: Da boca dos meninos e das crianças de peito tirastes o vosso louvor (Sl 8,3)? Depois os deixou e saiu da cidade para hospedar-se em Betânia.



* As leituras são retiradas do site "Bíblia Católica Online"


Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Os comunistas de cartola

Felipe Marques Pereira*

As multinacionais estão acima dos conflitos internacionais. A BRF esta na Rússia e nos Estados Unidos, sua administração se equipara a de um país, seu lucro é maior do que o PIB de alguns países. Ela é ecumênica, processa carne pelo método halal para oriente médio, pelo método Kosher para Israel e hambúrgueres para o MacDonald’s. Parece até uma pastoral do Vaticano II!

As empresas privadas, em geral, costumam desenvolver atividades nas comunidades locais em que estão inseridas, como, por exemplo, a pavimentação de uma rua, a restauração de um prédio histórico ou a execução de projetos sociais voltados para crianças carentes. Quase todo mundo já viu em alguma rua da sua cidade uma placa de metal fixada na parede com os dizeres: Participação comunitária do grupo... Ou algo do tipo.

Uma empresa privada, então, pode beneficiar muito a sociedade suprindo as deficiências da máquina pública, mas ela também pode se tornar cúmplice em uma revolução, na derrubada de um governo ou de um sistema econômico.

Algumas vezes seu comprometimento com as mudanças culturais é explicito, tomemos novamente como exemplo a BRF. No seu periódico interno, a revista Viva BRF, o CEO global Cláudio Galeazzi declara:

<Há tempos não medimos esforços para transformar nossa cultura e, agora, chegou à hora de olharmos com mais atenção para onde queremos estar daqui a algum tempo>

Comunistas de Cartola

Para um empresário que conquistou sucesso no seu ramo de negócios e se tornou líder ou referência no mercado o capitalismo não é mais tão útil. Ele permite a ascensão de novos concorrentes. Isso explica, em parte, os financiamentos e doações de grandes empresas para as campanhas de políticos socialistas ou comunistas visando à criação de um Estado intervencionista que dificulte a iniciativa privada através de exigências cada vez maiores que restringem a sua atividade econômica.

Um caso concreto aconteceu no ano passado quando o grupo Zaffari, umas das maiores redes de supermercados do Brasil, doou cerca de 50 mil reais para a campanha da candidata a presidência Luciana Genro (PSOL) **.

A Santa Igreja Católica condena tanto o Comunismo quanto o Capitalismo. Ambos fazem de um modelo econômico uma bandeira para remodelagem radical da sociedade, separando a economia da moral.

* Felipe Marques Pereira é um escritor de cunho conservador. Católico leigo estudou na PUC/PR. Para entrar em contato envie um e-mail para:



Segunda-Feira da 1ª semana da Quaresma

A estação de hoje reunia-se numa das mais antigas Basílicas Romanas, contruídas por eudóxia, onde se conservam as cadeias com que esteve Ligado São Pedro na prisão Marmetina. A epístola, aludindo aos penitentes que se devem reconciliar na Páscoa e aos catecúmenos que se preparam para a recepção do batismo, põe-se em relevo a a figura do Mestre ocupado na busca das ovelhas dispersas. O Evangelho, continuando o mesmo pensamento, fala-nos da visão que nos há de separa para sempre as ovelhas dos bodes, quer dizer: O bons dos Maus.
Peçamos a Deus que nos livre dos laços, das cadeias dos pecados, em virtude do poder que concedeu a São Pedro e a seus sucessores.

Epístola

Leitura da profecia de Ezequiel: Pois eis o que diz o Senhor Javé: vou tomar eu próprio o cuidado com minhas ovelhas, velarei sobre elas. Como o pastor se inquieta por causa de seu rebanho, quando se acha no meio de suas ovelhas tresmalhadas, assim me inquietarei por causa do meu; eu o reconduzirei de todos os lugares por onde tinha sido disperso num dia de nuvens e de trevas. Eu as recolherei dentre os povos e as reunirei de diversos países, para reconduzi-las ao seu próprio solo e fazê-las pastar nos montes de Israel, nos vales e nos lugares habitados da região. Eu as apascentarei em boas pastagens, elas serão levadas a gordos campos sobre as montanhas de Israel; elas repousarão sobre as verdes relvas, terão sobre os montes de Israel abundantes pastagens. Sou eu que apascentarei minhas ovelhas, sou eu que as farei repousar - oráculo do Senhor Javé. A ovelha perdida eu a procurarei; a desgarrada, eu a reconduzirei; a ferida, eu a curarei; a doente, eu a restabelecerei, e velarei sobre a que estiver gorda e vigorosa. Apascentá-las-ei todas com justiça.

Evangelho do Dia

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estão à direita: - Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo, porque tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era peregrino e me acolhestes; nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; estava na prisão e viestes a mim. Perguntar-lhe-ão os justos: - Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos peregrino e te acolhemos, nu e te vestimos? Quando foi que te vimos enfermo ou na prisão e te fomos visitar? Responderá o Rei: - Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes. Voltar-se-á em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: - Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos. Porque tive fome e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; era peregrino e não me acolhestes; nu e não me vestistes; enfermo e na prisão e não me visitastes. Também estes lhe perguntarão: - Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, peregrino, nu, enfermo, ou na prisão e não te socorremos? E ele responderá: - Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que deixastes de fazer isso a um destes pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer. E estes irão para o castigo eterno, e os justos, para a vida eterna.



* As leituras são retiradas do site "Bíblia Católica Online"

Fonte: (Missal Cotidiano e Vesperal por Dom Gaspar Lefebvre Beneditino da Abadia de Santo Andre – 1950)

sábado, 21 de fevereiro de 2015

I DOMINGO DA QUARESMA: "E vieram anjos e serviram-no"(Ev.)









Neste domingo, que era outrora o primeiro dia da Quaresma, reuniam se todos na estação da Basílica do Santíssimo Salvador em Roma.


Toda a liturgia inspira um pensamento de fortificante confiança, desde o Introito  Gradual e Ofertório até à Comunhão compostos todos com versículos do Salmo 90 que vem quase por inteiro no tracto e se repete pela Quaresma, para ser por assim dizer, o diapasão da vida nova, de bom combate, que devemos levar nestes dias. E não são acaso as lutas do Salvador, que se vão desenrolando diante de nós, para nos encorajar na batalha? A Igreja pelo menos, assim no-la dar a entender, propondo a nossa meditação o evangelho que refere a tentação de Cristo. Era a missão que empreendera de esmagar a Satanás que começava, e feri-la a Igreja neste princípio de Quaresma para querer indicar o verdadeiro motivo de confiarmos na vitória. O senhor triunfou e a Igreja diz-nos que podemos triunfar com ele, porque afinal é que a tentação e o combate que se desenrola em nós e a nossa volta, são a tentação e o combate e também a vitória de Cristo. O nosso esforço é dele, a nossa força também é dele e o nosso triunfo na Páscoa é dele também. Empreendamos, pois, generosamente o bom combate cuja estratégia o Apóstolo em grandes linhas nos traça na Epístola da Missa. Encorajemo-nos com este pensamento de que o progresso espiritual nas almas é a vitória de Cristo que se prolonga e que o combate necessário para a garantir já foi dado. Estes dias da Quaresma são tempo de salvação, são o tempo favorável que nos permite marcar posições definitivas no combate incessante do espírito contra a carne. E a Igreja nos convida com maternal solicitude a terçar armas neste prédio glorioso, para celebrarmos purificados na alma e no corpo o mistério sublime da Paixão do Senhor.





É verdade, diz São Leão em Matinas, que deveríamos viver sempre diante de Deus com as mesmas disposições requeridas para a condigna celebração dos mistérios pascais. Mas, porque isto é virtude e apanágio de poucos e porque a fragilidade humana tende sempre para o relaxamento, aproveitemo-nos ao menos a Quaresma para recuperarmos o perdido e reparemos, pela penitência e boas obras, as faltas e negligências do outro tempo.



Epístola

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios (2 Cor 6,1-10). Irmãos: exortamo-vos a que não recebais a graça de Deus em vão. Pois ele diz: Eu te ouvi no tempo favorável e te ajudei no dia da salva-ção (Is 49,8). Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação. A ninguém damos qualquer motivo de escândalo, para que o nosso ministério não seja criticado. Mas em todas as coisas nos apresentamos como ministros de Deus, por uma grande constância nas tribulações, nas misérias, nas angústias, nos açoites, nos cárceres, nos tumultos populares, nos trabalhos, nas vigílias, nas privações; pela pureza, pela ciência, pela longanimidade, pela bondade, pelo Espírito Santo, por uma caridade sincera, pela palavra da verdade, pelo poder de Deus; pelas armas da justiça ofensivas e defensivas, através da honra e da desonra, da boa e da má fama. Tidos por impostores, somos, no entanto, sinceros; por desconhecidos, somos bem conhecidos; por agonizantes, estamos com vida; por condenados e, no entanto, estamos livres da morte. Somos julgados tristes, nós que estamos sempre contentes; indigentes, porém enriquecendo a muitos; sem posses, nós que tudo possuímos!







Evangelho de Domingo:

Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (4,1-11): Naquele tempo: Em seguida, Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto para ser tentado pelo demônio. Jejuou quarenta dias e quarenta noites. Depois, teve fome. O tentador aproximou-se dele e lhe disse: Se és Filho de Deus, ordena que estas pedras se tornem pães. Jesus respondeu: Está escrito: Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus. O demônio transportou-o à Cidade Santa, colocou-o no ponto mais alto do templo e disse-lhe: Se és Filho de Deus, lança-te abaixo, pois está escrito: Ele deu a seus anjos ordens a teu respeito; proteger-te-ão com as mãos, com cuidado, para não machucares o teu pé em alguma pedra. Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus. O demônio transportou-o uma vez mais, a um monte muito alto, e lhe mostrou todos os reinos do mundo e a sua glória, e disse-lhe: Dar-te-ei tudo isto se, prostrando-te diante de mim, me adorares. Respondeu-lhe Jesus: Para trás, Satanás, pois está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás. Em seguida, o demônio o deixou, e os anjos aproximaram-se dele para servi-lo.

* As leituras são retiradas do site "Bíblia Católica Online"

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

SÁBADO DE CINZAS

A Estação de hoje reunia-se em são Trifão que morreu mártir no Oriente. Este santuário, que foi confiado aos eremitas de Santo Agostinho, caiu em ruinas e foi substituída por uma nova Igreja e consagrada ao Doutor de Hipona. O sábado que era para os judeus o dia do Senhor, simboliza o sábado eterno, consagrado todo ao serviço de Deus. Mas para lá chegar, é preciso, cá em baixo, subirmos acima das coisas da terra e procurar, com toda a alma a Deus e as coisas de seu Reino. O senhor está a nossa beira é claro, nas horas difíceis quando o vento sopra contrário, está permitindo de nós, o que anda sobre o mar não nos desampara, e se cairmos corre logo para nos curar com a pureza de seu sangue.

Epístola:

Leitura do Profeta Isaías (58, 9-14): Eis o que diz o Senhor: Então às tuas invocações, o Senhor responderá, e a teus gritos dirá: Eis-me aqui! Se expulsares de tua casa toda a opressão, os gestos malévolos e as más conversações; se deres do teu pão ao faminto, se alimentares os pobres, tua luz levantar-se-á na escuridão, e tua noite resplandecerá como o dia pleno. O Senhor te guiará constantemente, alimentar-te-á no árido deserto, renovará teu vigor. Serás como um jardim bem irrigado, como uma fonte de águas inesgotáveis. Reerguerás as ruínas antigas, reedificarás sobre os alicerces seculares; chamar-te-ão o reparador de brechas, o restaurador das moradias em ruínas. Se te abstiveres de calcar aos pés o sábado, de cuidar de teus negócios no dia que me é consagrado, se achares o sábado um dia maravilhoso, se achares respeitável o dia consagrado ao Senhor, se tu o venerares não seguindo os teus caminhos, não te entregando às tuas ocupações e às conversações, então encontrarás tua felicidade no Senhor: eu te farei galgar as alturas da terra, e gozar a herança de Jacó, teu pai; porque a boca do Senhor falou.

Continuação do Santo Evangelho segundo São Marcos (6, 47-56): Naquele tempo: À noite, achava-se a barca no meio do lago e ele, a sós, em terra. Vendo-os se fatigarem em remar, sendo-lhes o vento contrário, foi ter com eles pela quarta vigília da noite, andando por cima do mar, e fez como se fosse passar ao lado deles. À vista de Jesus, caminhando sobre o mar, pensaram que fosse um fantasma e gritaram; pois todos o viram e se assustaram. Mas ele logo lhes falou: Tranquilizai-vos, sou eu; não vos assusteis! E subiu para a barca, junto deles, e o vento cessou. Todos se achavam tomados de um extremo pavor, pois ainda não tinham compreendido o caso dos pães; os seus corações estavam insensíveis. Navegaram para o outro lado e chegaram à região de Genesaré, onde aportaram. Assim que saíram da barca, o povo o reconheceu. Percorrendo toda aquela região, começaram a levar, em leitos, os que padeciam de algum mal, para o lugar onde ouviam dizer que ele se encontrava. Onde quer que ele entrasse, fosse nas aldeias ou nos povoados, ou nas cidades, punham os enfermos nas ruas e pediam-lhe que os deixassem tocar ao menos na orla de suas vestes. E todos os que tocavam em Jesus ficavam sãos.

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Via Crucis (Oração para todas as Sextas-feiras da Quaresma)

Postado por Elias, O Profeta




+ Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Ave! Ó Cruz, única esperança, do mundo glória e salvação. Aos bons aumentaa graça e aos maus alcança perdão.


Oração Preparatória
Jesus amável Salvador, eis-nos humildemente prostrados a vossos pés,
implorando a vossa divina misericórdia sobre nós e sobre as almas dos fiéis
defuntos. Dignai-vos dispensar-nos os infinitos méritos de vossa dolorosa
Paixão, que agora vamos meditar. Concedei que nesta via de lágrimas e suspiros,
a que vamos dar início, que os nossos corações tão manchados pelo pecado se mova
a contrição e a penitência, e que possamos aparelhados para sofrer todas as
contradições, sofrimentos e humilhações desta vida.


E vós, Mãe de graça, que, abandonada em triste soledade, foste a primeira a
percorrer a via-sacra, obtende-nos da Adorável Trindade um piedoso acolhimento
destes nossos sentimentos de dor e de caridade, em reparação de tantas injúrias
à sua Majestade Soberana.

R. Ó Santa Mãe gravai em meu coração as chagas do Crucificado!

V. Tende piedade de nós Senhor!

R. Que as almas dos fiéis defuntos, por vossa misericórdia, descansem em paz.

Amém.


Iª Estação - Jesus é condenado a morte

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos a admirável
submissão de Nosso Senhor quando ouviu pronunciar-se a sentença iníqua, e
convençamo-nos de que não foi Pilatos que condenou Jesus a morte, mas todos nós
pecadores presentes e do mundo inteiro. Com vivos sentimentos de penitência
digamos:

V. A morrer crucificado teu Jesus é condenado por teus crimes pecador, por teus
crimes pecador!

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


IIª Estação - Jesus carrega a Cruz

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos com que doçura Nosso Divino Mestre recebeu em
seus ombros doloridos e ensangüentados o terrível instrumento de seu suplício.
Assim nos quis ensinar a levar a nossa Cruz sem impaciência e murmuração, e a
padecer resignadamente os males vindos do Céu ou das criaturas.
Digamos:

V. Com a cruz é carregado e do peso acabrunhado. Vai morrer
por teu amor.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


IIIª Estação - Jesus cai pela primeira vez

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos Jesus a caminho do Calvário. Vejamos como ele
Caminha com passos cansados e inseguros. Coberto de sangue, vem tão debilitado,
que se abate ao peso da Cruz e cai no chão. Digamos:

V. Pela Cruz tão oprimido, cai Jesus desfalecido, pela sua salvação.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


IV Estação - Jesus encontra a sua mãe

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos a imensa dor de Jesus ao ver Maria sua mãe
santíssima, e a dor de sua mãe ao vê-lo sendo castigado no meio de tão cruéis
ultrajes. Digamos:

V. De Maria lacrimosa, sua mãe tão piedosa vê a imensa compaixão.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


V Estação - O Cirineu ajuda a carregar a Cruz de Jesus

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos a fineza do amor de Jesus para conosco: Se
permite que o ajudem, é também para nos ajudar a partilhar com ele do seu cálice
de amargura. Digamos:

Em extremo desmaiado deve auxílio, tão cansado receber o Cireneu.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


VI Estação - Verônica enxuga o rosto de Cristo.

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos a ação heróica desta mulher, que se dá a pressa a
enxugar a face de Nosso Senhor, tão desfigurada e dolorida! Esta oficiosa e
diligente caridade afeiçoa e enternece o coração do Senhor, e o move a lágrimas.
Digamos:

V. O seu rosto ensanguentado, por Verônica enxugado, eis, no pano apareceu.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


VII Estação - Jesus cai pela segunda vez

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.


Consideremos o Homem Deus, de novo sucumbido ao peso do madeiro. Ponhamos nossos olhos pecadores sobre esta grande vítima estendida por terra, ensanguentada, sem forças para prosseguir. Digamos: 

V. Outra vez desfalecido, pelas dores abatido, cai em terra o Salvador.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


VIII Estação - Jesus consola as filhas de Israel

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Admiremos aqui a generosidade incomparável de Jesus:
esquece-se por momentos os seus próprios sofrimentos, para abrir os seios de sua
entranhável caridade às filhas de Israel, e diverti-las de sua dor. "Não choreis
por mim mas por vossos filhos e filhas". Digamos:

V. Das matronas piedosas, de Sião filhas chorosas é Jesus consolador.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


IX Estação - Jesus cai pela terceira vez

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos o nosso Bom Jesus ao ver o Calvário. É ali, no cimo do monte, que um altar vai se erguer a justiça ultrajada de Deus. Mas o coração de Jesus padece grande angústia. Não teme os horrores da morte tão cruel, mas antes a inutilidade de seu sangue para tantos pecadores. Este triste
pensamento constrange-o e aflige-o, caindo o corpo no chão. Digamos:

V. Cai pela terceira vez prostrado, pelo peso redobrado, dos pecados e da Cruz.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


Xª Estação - Jesus é despojado de suas vestes

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos como foi grande a confusão de Jesus ao ver-se
reduzido em tão completa nudez, desabrigado daquela turba encarniçada e
perversa. Digamos:

V. Das vestes despojado, por verdugos maltratado, eu vos vejo meu Jesus.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus..

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


XIª Estação - Jesus é pregado na Cruz

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos os atrozes sofrimentos de Nosso Senhor ao ser
pregado, com grossos cravos, ao madeiro, e olhemos com piedoso amor para o
estandarte da nossa redenção. Vítima de dor, todo o corpo de Jesus sofre, e o
sangue corre e inunda a terra. Digamos:

V. Sois por mim na Cruz pregado, insultado, blasfemado, com cegueira e com furor.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


XIIª Estação - Jesus morre na Cruz

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Momento de silêncio... depois prossegue dizendo:

Consideremos um Deus de toda a Santidade, a morrer numa cruz,
entre dois celerados, por amor das suas criaturas, tirando do peito, não
palavras de maldição ou injúria, mas preces divinas de amor e perdão: "Pai
perdoai-lhes porque não sabem o que fazem". Tudo está consumado". E dizendo isto
expirou. Digamos:

V. Por meus crimes padecestes: meu Jesus por mim morrestes, como é grande a minha dor.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai... 


XIIIª - Jesus é descido da cruz

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos: 

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.

Consideremos a extrema dor de Nossa Senhora, ao ver em seus braços o seu amado filho, chagado, lívido, com as pálpebras cerradas no frio sono da morte. Contempla os estragos feitos nas mãos e nos pés pelos duros cravos, o lado aberto pela cruel lança, a cabeça ensanguentada e ferida pela coroa de espinhos; e lastima-se de haver gente tão sem coração que tão mal fizeram a seu amado filho. Digamos:

V. Da madeira vos tiraram e nos braços vos deixaram de Maria, que aflição.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...


XIV Estação - Jesus é sepultado 

V. Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos:

R. Porque pela vossa Santa Cruz remiste o mundo inteiro.
Consideremos os discípulos do Senhor colocando seu santíssimo
corpo no Sepulcro. Maria os acompanha, ela é quem arruma o túmulo de seu filho.
Digamos: 

V. Do pecado vem a morte, mas o amor, que é mais forte, dá a vida pelo irmão.

R. Pela Virgem dolorosa, vossa mãe tão piedosa, perdoai-me meu Jesus, perdoai-me meu Jesus.

R.Tende piedade de nós Senhor!

Pai Nosso - Ave maria - Glória ao Pai...

Oração final


Senhor, Jesus olhai vossos servos e concedei-lhes o dom da vossa paz, de vosso amor, de vosso socorro; enviai-nos o vosso Espírito Santo para que nos amemos uns aos outros, mantendo-nos num mesmo espírito, pelos vínculos da paz e da caridade, para assim formarmos uma mesma fé, como fomos chamados; a uma mesma esperança, por nossa vocação, para assim chegarmos ao perfeito amor em Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo. Amém.

Oração a Jesus Crucificado:

Eis-me aqui, ó bom e dulcíssimo Jesus; prostrado de joelhos diante da vossa Divina Presença, Vos peço e suplico com o mais ardente fervor, que imprimais no meu coração vivos sentimentos de fé, esperança e caridade, e um verdadeiro arrependimento dos meus pecados, com vontade firmíssima de os emendar; enquanto eu, com grande afeto e dor de alma, considero e medito nas vossas Cinco Chagas, tendo diante dos olhos o que já o Santo Profeta David dizia por Vós, ó bom Jesus: "Trespassaram as minhas mãos e os meus pés, e contaram todos os meus ossos".

+ Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.