sábado, 14 de maio de 2016

DOMINGO DE PENTECOSTES (50º dia após a Páscoa)












Elias, O Profeta

Lançara Jesus os fundamentos da Igreja e enriquecera-a com seus poderes. Faltava ainda o Espírito Santo para acabar a formação dos apóstolos. "O Espírito Santo virá sobre vós. Deixai-vos ficar, pois, na cidade até receberes a força do alto." A festa de hoje é a festa comemorativa da expansão da Igreja no mundo.



Dissera o divino mestre que o divino Paráclito viria e a Epístola mostra-nos o cumprimento da promessa. Era a hora terça, por volta de nove horas da manhã, quando se faz de repente sentir um vento impetuoso que encheu toda a casa, e línguas de fogo desceram sobre os apóstolos. Iluminados por esta luz e a transbordar por este fogo sagrado os apóstolos sentem-se novos e vão realmente renovar a face da terra. Este dom maravilhoso consistem para cada um de nós na plenitude da graça que recebemos no batismo e que se vai progressivamente desenvolvendo e ampliando até a maturação perfeita do céu Para os apóstolos era isto mesmo com mais o dever, de que a nossa dignidade e a nossa vocação, com mais o dever de a transmitir a todos os homens. Remissão dos pecados, justificação, redenção, filiação divina, caridade cristã, comunhão dos santos, tudo isto, que constitui a riqueza e a vida da Igreja, nos foi e continuará a ser dado pelos sucessores dos apóstolos.

O Pentecostes neste sentido não é apenas uma data comemorativa de um acontecimento passado, mas uma realidade presente, sempre viva no seio da Igreja e em nós. "Vinde Espírito Santo e enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor."


Epístola

Leitura dos Atos dos Apóstolos (2, 1-11 ): Naquele tempo: Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Achavam-se então em Jerusalém judeus piedosos de todas as nações que há debaixo do céu. Ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua. Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: Não são, porventura, galileus todos estes que falam? Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? Partos, medos, elamitas; os que habitam a Macedônia, a Judéia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia, a Frígia, a Panfília, o Egito e as províncias da Líbia próximas a Cirene; peregrinos romanos,  judeus ou prosélitos, cretenses e árabes; ouvimo-los publicar em nossas línguas as maravilhas de Deus!


Seqüência







Veni, Sancte Spiritus,
et emitte caelitus
lucis tuae radium.


Veni, pater pauperum,
veni, dator munerum
veni, lumen cordium.


Consolator optime,
dulcis hospes animae,
dulce refrigerium.


In labore requies,
in aestu temperies
in fletu solatium.


O lux beatissima,
reple cordis intima
tuorum fidelium.
Sine tuo numine,
nihil est in homine,
nihil est innoxium.
Lava quod est sordidum,
riga quod est aridum,
sana quod est saucium.
Flecte quod est rigidum,
fove quod est frigidum,
rege quod est devium.
Da tuis fidelibus,
in te confidentibus,
sacrum septenarium.
Da virtutis meritum,
da salutis exitum,
da perenne gaudium,



     Evangelho de Domingo:


Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São João (14, 23-31): Naquele tempo: Disse Jesus a seus discípulos:
Se me amais, guardareis os meus mandamentos.
E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Paráclito, para que fique eternamente convosco.
É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós.
Não vos deixarei órfãos. Voltarei a vós.
Ainda um pouco de tempo e o mundo já não me verá. Vós, porém, me tornareis a ver, porque eu vivo e vós vivereis.
Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim e eu em vós.
Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é que me ama. E aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e manifestar-me-ei a ele.



Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.



Veni, Sancte Spíritus, et emítte caelitus lucis tuae rádium. Alleluja alleluja!

VIGÍLIA DE PENTECOSTES










Tempo Pascal

Exposição Dogmática: Pentecostes
A Páscoa e o Pentecostes podem considerar-se realmente pastes integrantes da mesma festa, d festa da vitória de Cristo, da sua entrada triunfal na Glória e do começo da expansão da Igreja iniciado pela descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos. A Ressurreição, a Ascensão e o Pentecostes, são partes do mesmo mistério, o Mistério Pascal. "A Páscoa, diz Santo Agostinho, foi o princípio da graça, o Pentecoste o seu remate e coroamento". Pela Ressurreição, Cristo restitui-nos o direito que havíamos perdido, a vida divina. Na Ascensão, elevou-se ao Céu, para de lá nos mandar o Espírito Santo, e assim entrar na posse do reino que para nós e para Ele conquistou com o seu sangue. A Ascenção é com efeito o reconhecimento oficial dos seus títulos de vitória e constitui para a sua humanidade o coroamento da obra redentora, e para a Igreja o princípio da sua existência e santidade. "A Ascenção, diz D. Guéranger, é o mistério que relaciona e completa o da Páscoa e o do Pentecostes. por um lado consuma a Páscoa, declarando o Homem-Deus vencedor da morte e chefe da Igreja e colocando-o a direita do Pai; por outro, determina a descida do Espírito Santo"; "Este belo mistério delimita aqui na terra os dois reinos divinos - o do Filho de Deus e do Espírito Santo".

 "Se eu não for não recebereis o Paráclito. Mas eu vou e mandar-vo-lo-ei, diz o Senhor". O Verbo Encarnado concluiu a missão de que o Pai o incumbira e o Espírito Santo irá da início a sua; que o Pai, não contente ainda em nos dar seu Filho único para nos reconduzir a Si, nos deu também o Espírito Santo para nos santificar. É que o Pai faz tudo, conforme diz Santo Agostinho, por meio do Filho, no Espírito Santo. Toda a obra da Salvação e Santificação se realiza na virtude e pela virtude do Espírito Santo. Foi Ele quem falou pelos profetas, quem cobriu com sua sombra a Virgem Maria e a fez M~e do Filho de Deus, quem desceu sobre o Senhor no Jordão, quem finalmente o conduziu pelo deserto e lhe orientou todos os passos da sua vida terrena. Mas foi sobretudo no dia de Pentecostes, derramando na alma dos Apóstolos a luz a coragem da graça, que assentou no seio da Igreja a grande obra da Santificação. Nele foi a Igreja batizada no Cenáculo, e é o seu eflúvio divino  que continua informar o Corpo Místico de Cristo. "Recebei o Espírito Santo, disse o Salvador ao Apóstolos, e a quem perdoares os pecados lhes serão perdoados". E a Igreja gosta de repetir estas palavras e de dizer que "é o Espírito Santo o mesmo perdão dos pecados" e do batismo que é ministrado na "água e no espírito".  "Sai desta alma, diz o ministro, e dá lugar ao Espírito Santo". Este Espírito cura as nossas almas e as santifica-as com a sua graça, infundindo-nos algo da sua própria vida. O que fez dizer Santo Irineu que, assim como a vida do corpo resulta da união do corpo, assim a vida da alma resulta da união da alma com o Espírito de Deus, união que se estabelece pela graça santificante. Porém, mais ainda, lá onde a graça habita, aí está aquele operário divino que a Igreja chama de "hóspede nosso".

O Espírito Santo foi dado aos apóstolos para acabar neles e por eles a obra da santificação me iluminação iniciada por Cristo. para esclarecer as inteligências, aquecer e purificar os corações e infundir nas almas a coragem de confessar o nome do Senhor. E esta obra de revigoramento das energias dos espíritos prossegue. Foi o espírito que inspirou os Apóstolos e os escritores sagrados, e é Ele que assegura ao Papa e aos Bispos reunidos e unidos com ele a infabilidade em matéria de fé, que lhes permite continuar na terra a missão do Mestre. É Ele, o Espírito Santo, que dá eficácia aos sacramentos, que perdoa os pecados, que infunde nas almas a vida sobrenatural, que dá a Igreja coesão e unidade, que lhe dá o ser, a alma.

O Espírito Santo é a alma da Igreja. E todos os fiéis vivem ou pelos menos deveriam viver desta alma. É de notar que depois de dizermos no Credo que cremos no Espírito Santo, ajuntamos, E na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, que é o deslumbramento, radioso da santidade perene penetrando o nosso corpo, e na vida eterna, a plenitude da Glória, envolvendo todo o nosso ser para sempre.

Exposição Histórica: Pentecostes

Antes de subir ao Céu, o Senhor ordenou os Apóstolos que se não afastassem de Jerusalém, mas esperassem a promessa do Pai, querer dizer, a efusão Espírito Santo. No regresso do monte das Oliveiras, os discípulos, que eram cento e vinte, dirigiram-se para o cenáculo, onde se deixaram estar em oração com as santas mulheres e com Maria, Mãe de Jesus.

Depois desta novena, a mais solene de todas, teve lugar a descida do Espírito Santo, que coincidiu providencialmente com a festa de pentecostes, "com este dia tão grande e santo", aniversário da promulgação da lei do Sinai. Os estrangeiros, pois, que por este motivo tinham acorrido a Jerusalém, foram foram testemunhas do fato milagroso do Pentecostes Cristão.

"Eram nove horas da manhã, assim diz os Atos dos Apóstolos, quando um ruído se fez ouvir, à maneira de um violento golpe de vento, que encheu toda a casa em que Maria Santíssima e os Apóstolos estavam sentados. E viram aparecer no ar línguas de fogo que desciam em cada um dos presentes, e ficavam cheios do Espírito Santo e falavam várias línguas conforme a monção do Espírito Santo".

Revestida deste modo com a força do Alto, a Igreja começou em Jerusalém a sua obra de apostolado que o Senhor lhe havia confiado. Pedro, o príncipe dos Apóstolos, toma a palavra perante a multidão atônita e assustada com o que via, e já "pescador de homens" conforme tinha sido prometido pelo divino Mestre, lança a rede, e desta primeira pescaria conquista logo para a pequena Igreja em Jerusalém, três mil almas. No dia seguinte, reuni-se os doze no Pórtico do Templo e como o divino Mestre pregam o Evangelho e curam os doentes. "Assim foi crescendo o número dos que esperavam o Senhor". Depois sairam para fora da Judéia e foram anunciar primeiro o Evangelho aos Samaritanos e seguida aos Gentios.

Exposição Litúrgica: Pentecostes

No quinquagésimo dia após a passagem do Anjo exterminador a travessia do mar vermelho, acampou o povo de Israel no pé do monte Sinai e Deus assim se dignou a lhes dar a sua lei. As festas da Páscoa e do Pentecostes, comemorativas deste duplo acontecimento, eram para os judeus a mais importante do ano. Dezesseis séculos se passaram, a festa da Páscoa é assinalada pela morte e ressurreição do Senhor e a festa de Pentecoste a efusão do Espírito Santo sobre Maria e os Apóstolos no Cenáculo. Estas duas festas adotadas pela Igreja, são as mais nobres e antigas do ciclo litúrgico que delas recebeu origem. O Pentecostes, depois da Páscoa, é  maior do ano. Tem vigília e oitava privilegiada. Lê-se os Atos dos Apóstolos, porque é o primeiro dia da dispersão da Igreja, cuja as origens este livro nos relata. É afinal é a imitação do se fez na semana de Páscoa. É uma vida inteiramente nova que começa; convém ler as novas escrituras que narram os primeiros voos. E no Novo Testamento põe de resto o antigo, em plena evidência e demonstra que foi ele a sombra que precedeu a grande realidade que surgiu. Na missa de Pentecostes na da Oitava a lei antiga e a nova, as Sagradas Escrituras e a Tradição, os Profetas, os Apóstolos e os Padres da Igreja fazem eco a palavra do Mestre.

Assim como as diferentes partes de um mosaico, formam um conjunto admirável, que sintetiza a ação do Espírito Santo através dos Séculos. Os paramentos vermelhos nos lembram as línguas de fogo. Antigamente era costume fazer em muitas Igreja fazer cair do teto ao som de Veni Sancte Spiritus uma chuva de rosas vermelhas e soltar dentro do templo uma pomba.

Por vezes, para dar maior impressão da grande realidade que se comemorava, tocava-se trombetas à seqüência. Era sem dúvida para lembrar as trombetas do monte Sinai, ou então o grande ruído que se fez ouvir à descida do Espírito Santo.

A oitava de pentecostes é privilegiada de 1ª Ordem e nela se vê claramente a intenção da Igreja de nos chamar a atenção para o fato culminante que iniciou uma nova era. Há aqui como um convite para orientarmos as nossas leituras e meditações neste sentido. E que tesouros de doutrina se não poderá colher nos textos das missas de toda a oitava.

O Tempo Pascal termina no Sábado de Pentecostes depois de Noa (15 h)


VIGÍLIA DE PENTECOSTES


Estação em São João de Latrão

Com esta Vigília começa a grande Solenidade. Outrora batizava-se neste dia os catecúmenos que não puderam ser batizados na Páscoa. Depois de batizados "na água e no Espírito", os neófitos recebiam a confirmação do Crisma. A Missa alude a estes dois sacramentos e mostra-nos como o Espírito Santo desce sobre as almas e as maravilhas que nelas opera. Preparemo-nos para a festa de amanhã com uma santa confissão.

Epístola

Leitura dos Atos dos Apóstolos (19, 1-8): Naquele tempo: Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo atravessou as províncias superiores e chegou a Éfeso, onde achou alguns discípulos e indagou deles:  Recebestes o Espírito Santo, quando abraçastes a fé? Responderam-lhe: Não, nem sequer ouvimos dizer que há um Espírito Santo! Então em que batismo fostes batizados?, perguntou Paulo. Disseram: No batismo de João. Paulo então replicou: João só dava um batismo de penitência, dizendo ao povo que cresse naquele que havia de vir depois dele, isto é, em Jesus. Ouvindo isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus. E quando Paulo lhes impôs as mãos, o Espírito Santo desceu sobre eles, e falavam em línguas estranhas e profetizavam. Eram ao todo uns doze homens. Paulo entrou na sinagoga e falou com desassombro por três meses, disputando e persuadindo-os acerca do Reino de Deus.

Evangelho do dia:

Leitura do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João (14,15-21) : Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Se me amais, guardareis os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Paráclito, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós. Não vos deixarei órfãos. Voltarei a vós. Ainda um pouco de tempo e o mundo já não me verá. Vós, porém, me tornareis a ver, porque eu vivo e vós vivereis.  Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim e eu em vós. Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é que me ama. E aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e manifestar-me-ei a ele.


Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

sábado, 7 de maio de 2016

Domingo depois da Ascensão: "O consolador que vos enviarei da parte do Pai, é o Espírito de verdade que procede do Pai" (Ev.)







Postado por Elias, O Profeta

Este domingo prepara-nos para a festa de Pentecostes. Antes de subir ao céu, o Senhor prometera aos apóstolos que os não deixaria sós, mas lhes enviaria o Espírito Santo consolador que os havia de acompanhar em todas as dificuldades e contingências até a consumação dos tempos. O evangelho dos domingos seguintes recorda-nos todas essas promessas do Senhor, como para recolher o sentido profundo da missão do paráclito. Lembremo-nos no entanto, em conformidade com a doutrina exposta noutro lugar, que é sempre o espírito de Jesus que fecunda e governa a Igreja, que nos santifica e introduz pela graça no seio vivo e vivificante das três pessoas divinas. Preparemo-nos, pois, para a festa integrando-nos no sentimento de fé e de esperança que animava os apóstolos reunidos no cenáculo e peçamos ao Senhor que assegure à santa Igreja a presença e a ação renovadora do seu Espírito, que a santifica e vivifica.

Epístola

Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo (IPedro 4, 7-11). Caríssimos: Sede, portanto, prudentes e vigiai na oração. Antes de tudo, mantende entre vós uma ardente caridade, porque a caridade cobre a multidão dos pecados (Pr 10,12). Exercei a hospitalidade uns para com os outros, sem murmuração. Como bons dispensadores das diversas graças de Deus, cada um de vós ponha à disposição dos outros o dom que recebeu: a palavra, para anunciar as mensagens de Deus; um ministério, para exercê-lo com uma força divina, a fim de que em todas as coisas Deus seja glorificado por Jesus Cristo. A ele seja dada a glória e o poder por toda a eternidade! Amém.
Evangelho de Domingo:

Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João (15, 26-27 e 16, 1-4): Naquele Tempo: Disse Jesus a seus discípulos: Quando vier o Paráclito, que vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade, que procede do Pai, ele dará testemunho de mim. Também vós dareis testemunho, porque estais comigo desde o princípio Disse-vos essas coisas para vos preservar de alguma queda. Expulsar-vos-ão das sinagogas, e virá a hora em que todo aquele que vos tirar a vida julgará prestar culto a Deus. Procederão deste modo porque não conheceram o Pai, nem a mim. Disse-vos, porém, essas palavras para que, quando chegar a hora, vos lembreis de que vo-lo anunciei. E não vo-las disse desde o princípio, porque estava convosco.



Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960

quarta-feira, 4 de maio de 2016

SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR










Postado por Elias, O Profeta

A ascensão é a segunda festa que se celebra dentro do ciclo litúrgico da vida do salvador. Era com com efeito que o divino ressuscitado deixasse de pisar a lama da terra e voltasse ao reino do Pai, onde vive como Deus, desde a eternidade.

Quarenta dias após a festa da Páscoa, celebra o ciclo pascal o aniversário que marcou o termino do reino visível de Cristo na terra. Os apóstolos estavam reunidos no cenáculo, nas vésperas de pentecostes, quando lhes apareceu o Senhor para tomar a última ceia. Depois conduzindo-os para fora da cidade, para os lados de Bethânia, ao monte das Oliveiras, que ficava fronteiro; abençoou-os e elevou-se diante deles ao céu. Era meio-dia. Uma nuvem branca ocultou-o e dois anjos anunciaram aos discípulos que o Senhor que eles viram com lágrimas de saudade ascender aos céus, havia de voltar no fim dos tempos.

Nos quarenta dias que se passaram em celebração da Páscoa do Senhor, lançou a Igreja fundamentos, e preparou-se para a ação poderosa e renovadora do Espírito Santo.

A Igreja manda dizer o Credo para exprimir e confessar sua fé na ascensão do Senhor: Creio num só Senhor Jesus Cristo, filho único de Deus, que subiu aos céus e está sentado a direita de Deus Pai.

Celebremos pois com grande alegria a ascensão do Senhor. Alegremos nossos corações pois podemos contar com a ajuda do Filho de Deus que está nos céus, lembrando que na terra somos membros continuadores de sua obra.
Evangelho da Festa



Epístola

Leitura dos Atos dos Apóstolos (1, 1-11) : Naqueles dias: desde o princípio até o dia em que, depois de ter dado pelo Espírito Santo suas instruções aos apóstolos que escolhera, foi arrebatado (ao céu). E a eles se manifestou vivo depois de sua Paixão, com muitas provas, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas do Reino de Deus. E comendo com eles, ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem o cumprimento da promessa de seu Pai, que ouvistes, disse ele, da minha boca; porque João batizou na água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo daqui há poucos dias. Assim reunidos, eles o interrogavam: Senhor, é porventura agora que ides instaurar o reino de Israel? Respondeu-lhes ele: Não vos pertence a vós saber os tempos nem os momentos que o Pai fixou em seu poder, mas descerá sobre vós o Espírito Santo e vos dará força; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até os confins do mundo. Dizendo isso elevou-se da (terra) à vista deles e uma nuvem o ocultou aos seus olhos... Enquanto o acompanhavam com seus olhares, vendo-o afastar-se para o céu, eis que lhes apareceram dois homens vestidos de branco, que lhes disseram: Homens da Galiléia, por que ficais aí a olhar para o céu? Esse Jesus que acaba de vos ser arrebatado para o céu voltará do mesmo modo que o vistes subir para o céu.



Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São Marcos (16, 14-20): Naquele tempo: Jesus apareceu aos Onze, quando estavam sentados à mesa, e censurou-lhes a incredulidade e dureza de coração, por não acreditarem nos que o tinham visto ressuscitado. E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.
Estes milagres acompanharão os que crerem: expulsarão os demônios em meu nome, falarão novas línguas, manusearão serpentes e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal; imporão as mãos aos enfermos e eles ficarão curados.
Depois que o Senhor Jesus lhes falou, foi levado ao céu e está sentado à direita de Deus.
Os discípulos partiram e pregaram por toda parte. O Senhor cooperava com eles e confirmava a sua palavra com os milagres que a acompanhavam.

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

Ascendit Deus in jubilatione, Alleluja!

VIGÍLIA DA ASCENSÃO DO SENHOR






Ninguém, subiu ao céu senão aquele que veio do céu

"Hoje nosso Senhor Jesus Cristo subiu ao céu; suba também como Ele nosso coração. Ouçamos o que nos diz o Apóstolo: Se fostes ressuscitados com Cristo, buscai as coisas do alto, onde Cristo está sentado à destra de Deus. Ponde vosso coração nas coisas do céu, não nas da terra. Pois, do mesmo modo que ele sufiu sem por isso afastar-se de nós, assim também nós estamos já com ele, embora ainda não se tenha realizado em nosso corpo o que nos foi prometido.
Ele foi elevado ao mais alto dos céus; entretanto, continua sofrendo na terra através das fadigas que experimentam seus membros. Assim o testificou com aquela voz vinda do céu: Saulo, Saulo, por que me persegues? E também: Tive fome e me destes de comer. Por que não trabalhamos nós também aquí na terra, de maneira que, pela fé, a esperança e a caridade que nos unem a ele, descansemos já com ele nos céus? Ele está ali, mas continua estando conosco; nós, estando aqui, estamos também com ele. Ele está conosco por sua divindade, por seu poder, por seu amor; nós, embora nao possamos realizar isto como ele pela divindade, podemos pelo amor a ele.
Ele, quando desceu até nós, não deixou o céu; tampouco nos deixou, ao voltar ao céu. Ele mesmo assegura que não deixou o céu enquanto estava conosco, posto que afirma: Ninguém subiu ao céu senão aquele que desceu do céu, o Filho do homem, que está no céu. Isto diz em virtude da unidade que existe entre ele, nossa cabeça, e nós, seu corpo. E ninguém, exceto ele, poderia dizer isso, já que nós estamos identificados com ele, em virtude de que ele, por nossa causa, fez-se Filho do homem, e nós, por ele, fomos feitos filhos de Deus.
Neste sentido diz o Apóstolo: Assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros do corpo, a pesar de serem muitos, são um só corpo, assim também é Cristo, Não diz: "Assim é Cristo", mas: Assim também é Cristo. Portanto, Cristo é apenas um corpo formado por muitos membros. Desceu, pois, do céu, por sua misericórdia, mas já não subiu sozinho, que nós subimos também nele pela graça. Assim, pois, Cristo desceu sozinho, mas já não ascendeu ele sozinho; não é que queramos confundir a divindade da cabeça com a do corpo, mas sim afirmamos que a unidade de todo o corpo pede que este não seja separado de sua cabeça."

Dos Sermões de Santo Agostinhon, bispo
(Sermão Mai 98, Sobr la Ascensão ol Senhor, 1-2; PLS 2, 494-495)

Durante 40 dias de festividades na companhia do Senhor Ressuscitado, vamos agora celebrar sua solene ascensão aos céus diante de Maria Santíssima e dos Apóstolos. Amanhã o Círio Pascal será apagado e nos restará aguardar o Paráclito em Pentecostes.

Epístola

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios (4, 7-13). Irmãos:  A cada um de nós foi dada a graça, segundo a medida do dom de Cristo, pelo que diz: Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19). Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra? Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas. A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo, até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo.

Evangelho do dia:

Leitura do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João (17, 1-11) : Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Jesus levantando os olhos ao céu, disse: Pai, é chegada a hora. Glorifica teu Filho, para que teu Filho glorifique a ti; e para que, pelo poder que lhe conferiste sobre toda criatura, ele dê a vida eterna a todos aqueles que lhe entregaste. Ora, a vida eterna consiste em que conheçam a ti, um só Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo que enviaste. Eu te glorifiquei na terra. Terminei a obra que me deste para fazer. Agora, pois, Pai, glorifica-me junto de ti, concedendo-me a glória que tive junto de ti, antes que o mundo fosse criado. Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste. Eram teus e deste-mos e guardaram a tua palavra. Agora eles reconheceram que todas as coisas que me deste procedem de ti. Porque eu lhes transmiti as palavras que tu me confiaste e eles as receberam e reconheceram verdadeiramente que saí de ti, e creram que tu me enviaste. Por eles é que eu rogo. Não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. Tudo o que é meu é teu, e tudo o que é teu é meu. Neles sou glorificado. Já não estou no mundo, mas eles estão ainda no mundo; eu, porém, vou para junto de ti. Pai santo, guardaos em teu nome, que me encarregaste de fazer conhecer, a fim de que sejam um como nós.

Fontes:  ACI Digital e Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.


segunda-feira, 2 de maio de 2016

2ª, 3ª e 4ª FEIRA DA ROGAÇÕES - LADAINHAS MENORES








Em conseqüência das calamidades públicas que no século V caíram sobre a diocese de Viena, no Delfinado, São Marmeto organizou uma procissão solene de penitência nos três dias que precedem imediatamente a Ascensão. Mais tarde, em 511, o concílio de Orleans estendeu este costume a toda França e Leão III em 816 adotou-o em Roma, donde passou a toda Igreja.

A ladainha dos santos, os salmos e as orações são tudo uma oração de súplica, recebendo por este motivo o nome de rogações. Tem por fim afastar os flagelos da justiça divina e atrair as bênçãos e a misericórdia de Deus.

As ladainhas são um modelo admirável de oração; pequenas jaculatórias dialogadas, brevíssima, e a ressumar sentido e piedade.

Todas a missa de hoje mostra a eficácia da oração do justo, quando é humilde e perseverante. Elias fechou e abriu os céus, orando, e o Senhor diz-nos que Deus escuta e despacha a oração dos que pedem em seu nome e com perseverança. Quando nos sentimos atribulados, confiemos em Deus que Ele nos há de ouvir como ouviu o filho.





Epístola

Leitura da Epístola de São Tiago Apóstolo (5, 16-20) Caríssimos: Confessai os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros para serdes curados. A oração do justo tem grande eficácia. Elias era um homem pobre como nós e orou com fervor para que não chovesse sobre a terra, e por três anos e seis meses não choveu. Orou de novo, e o céu deu chuva, e a terra deu o seu fruto. Meus irmãos, se alguém fizer voltar ao bom caminho algum de vós que se afastou para longe da verdade, saiba: aquele que fizer um pecador retroceder do seu erro, salvará sua alma da morte e fará desaparecer uma multidão de pecados.



Evangelho do dia:



Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São Lucas (11, 5-13): Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Se alguém de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite, e lhe disser: Amigo, empresta-me três pães,
pois um amigo meu acaba de chegar à minha casa, de uma viagem, e não tenho nada para lhe oferecer; e se ele responder lá de dentro: Não me incomodes; a porta já está fechada, meus filhos e eu estamos deitados; não posso levantar-me para te dar os pães;
eu vos digo: no caso de não se levantar para lhe dar os pães por ser seu amigo, certamente por causa da sua importunação se levantará e lhe dará quantos pães necessitar.
E eu vos digo: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á.
Pois todo aquele que pede, recebe; aquele que procura, acha; e ao que bater, se lhe abrirá.
Se um filho pedir um pão, qual o pai entre vós que lhe dará uma pedra? Se ele pedir um peixe, acaso lhe dará uma serpente?
Ou se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á porventura um escorpião?
Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celestial dará o Espírito Santo aos que lho pedirem.

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.