segunda-feira, 20 de junho de 2016

Quem mete o pau nos gays?

Felipe Marques Pereira

No dia 12 de abril deste ano, o jornal "diarinho", conhecido pela linguagem popular com que notícia os fatos (na verdade uma maquiagem onde o uso dos palavrões e erros intencionais disfarça os erros de português dos seus colunistas) publicou uma reportagem com o título: "Pastor que mete o pau nos gays participará de congresso".

A postura do pastor Silas Malafaia é bem conhecida, e suas críticas as propostas do grupo LGBT também. Sem significar que eu concorde com a metade do que disse o tal pastor, volto a tocar no assunto da agenda do movimento gay.

A sociedade é como um organismo, por isso falamos de orgãos públicos, e assim como num organismo vivo quando um órgão não funciona direito, o corpo todo fica doente. A família é chamada de célula da sociedade porque a célula é a menor parte de um organismo com capacidade de se reproduzir, daí o absurdo de chamar pelo mesmo nome - casal - a relação entre um homem e uma mulher e a de outros agrupamentos sociais diferentes como a relação homossexual.

Roberto F. Dantas em Direito Constitucional, comentando o artigo 226 da CF, diz que a família é a base da sociedade, com especial proteção do Estado, reconhecendo a união entre homem e mulher e que a lei deve inclusive facilitar sua conversão em casamento. [1]

Chamar coisas diferentes pelo mesmo nome é tipico das sociedades primitivas, como bem observou Jhon Zerzan, nas tribos de caçadores-coletores as crianças chamavam todos os homens de pai e todas as mulheres de mãe. [2]

Se a família é a célula e a base da sociedade a sociedade deve refletir por analogia as relações de poder advindas do ambiente familiar. Como o pai é o primeiro modelo de autoridade, a lei da palmadinha e outras medidadas que resultam, pretendendo ou não, em limitar a ação e a autoridade dos pais sobre os filhos, tipicas de um governo totalitário que não pode admitir nenhuma autoridade concorrente, nem mesmo a do pai.

A tentativa de desmoralizar o Silas brincando com os termos e associando o combate as propostas (com a violência de um "quebra pau") á relação sexual ("que mete o pau") só demonstra que o diarinho não tem nada para acrecentar sobre o assunto e é também uma forma de desrespeito aos gays, podendo o diarinho continuar a focar no que sabe fazer melhor: publicar anúncios de garotas e garotos de programa.

Contato:felipemarquespereira2015@outlook.com

***
NOTAS
[1]DANTAS, Roberto F. Direito Constitucional. 2007.



[2]ZERZAN, Jhon, Futuro Primitivo. 2007

terça-feira, 7 de junho de 2016

De olho no médico!

Felipe Marques pereira

Em sua primeira entrevista como presidente em exercício Michel Temer afirmou que não se importaria em ser impopular, desde que produzisse benefícios  para o país, foi sábio e corajoso, cumpre agradar antes a Deus do que aos homens, mas ao ser perguntado sobre a ausência de mulheres em seus ministérios começou a titubear, e,  ao invés  de justificar afirmando que sexo não é critério de escolha (poderiam ser todas mulheres desde que fossem as mais bem preparadas), ficou buscando de memória cargos de segundo escalão em que mulheres estão atuando em seu governo.

Sua pernas tremeram de novo quando, precionado diante dos protestos de artistas cedeu a vontade popular (que dias antes havia desconsiderado parcialmente) e recriou o ministério  da cultura. A vontade popular só deve ser atendida quando for dirigida para o bem e para a verdade, está  última conhecida pelo uso natural da razão.  O povo já se mostrou incapaz de eleger bons representantes.

Quanto aos seus ministros, investigados e citados nas delações, são os melhores. Imagine você, caro leitor, que diante de um corpo agonizando (como está  o Brasil) e precisando de atendimento só um dos presentes seja um médico e você negue o socorro ao enfermo diante do fato de que o único capaz responda na justiça por erros médicos. Essa é a situação que vive o nosso país e que pede os mais preparados, ainda que estes sejam bandidos, é o médico quem deve atender, mas os outros devem ficar de olho.

Contato: felipemarquespereira2015@outlook.com