terça-feira, 15 de agosto de 2017

15 DE AGOSTO, SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DA SANTÍSSIMA VIRGEM






O Senhor só esteve três dias no sepulcro, logo ressuscitou e subiu aos Céus. A morte da Senhora mais parece como um sono breve. E é por isso que chamamos de "dormitio" dormição. Antes de a corrupção lhe poder tocar o corpo imaculado, Deus a ressuscitou-a e glorificou-a nos Céus. A dormição, ressurreição e assunção da Virgem Santíssima o tríplice objeto da festa de hoje. Não tendo o pecado penetrado nunca na sua alma puríssima, era conveniente que o seu corpo, isento de toda mancha e do qual o Verbo se dignou encarnar, não chegasse a sofrer a corrupção do túmulo.

A 1º de novembro de 1950, o Santo Padre Pio XII definiu o dogma da Assunção da Santíssima Virgem Maria. Proclamava assim solenemente que a crença segundo a qual Maria, ao fim da sua vida terrestre, foi leva em corpo e alma a glória do Céu, faz realmente parte do depósito da fé, recebido dos Apóstolos. "Bendita entre todas as mulheres", em razão de sua maternidade divina, a Virgem Imaculada, que desde a sua conceição tivera o privilégio de ser isenta do pecado original, não devia conhecer a corrupção do túmulo.

Para evitar qualquer dado impreciso, o Papa absteve-se inteiramente de determinar o modo e as circunstâncias de tempo e lugar em que a Assunção deveria ter-se realizado: somente o fato da Assunção, em corpo e alma, à glória ao Céu, constitui objeto da definição.

Na liturgia encontra-se o culto da Assunção desde o século VI no Oriente. Em Jerusalém, comportava uma procissão ao túmulo da Virgem. Esta procissão estendeu-se a Constantinopla. Em Roma, do século VII ao XVI constituía uma das "procissões ladainhas" e tinha lugar na basílica de Santa Maria Maior.

Epístola

Leitura do Livro de Judite (13, 22-25 e 15,10) : O Senhor te abençoou com o seu poder, porque ele por ti aniquilou os nossos inimigos. Ozias, príncipe do povo de Israel, acrescentou: Minha filha, tu és bendita do Senhor Deus altíssimo, mais que todas as mulheres da terra. Bendito seja o Senhor, criador do céu e da terra, que te guiou para cortar a cabeça de nosso maior inimigo! Ele deu neste dia tanta glória ao teu nome, que nunca o teu louvor cessará de ser celebrado pelos homens, que se lembrarão eternamente do poder do Senhor. Ante os sofrimentos e a angústia de teu povo, não poupaste a tua vida, mas salvaste-nos da ruína, em presença de nosso Deus. Quando ela lhes veio ao encontro, abençoaram-na todos a uma só voz, dizendo: Tu és a glória de Jerusalém; Tu és a alegria de Israel, tu és a honra de nosso povo.

Evangelho da Festa:


Continuação do Santo Evangelho de São Lucas (1, 41-50). Naquele tempo: Isabel foi cheia do Espírito Santo e exclamou em alta voz: Bandita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre. E de onde me vem a dita de que venha até a mim a mãe do meu Senhor? Eis que, logo que me soou aos ouvidos a voz da tua saudação, exultou de alegria o menino no meu seio. Bem-aventurada aquela que acreditaste; porque se cumprirão em ti as coisas que te foram ditas da parte do Senhor. Então Maria disse: A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito se exulta em Deus meu Salvador. Porque olhou para a humildade de sua serva, eis que por isso me proclamarão bem-aventurada todas as gerações. Porque fez em mim grandes coisas o Onipotente, e santo é seu nome. E a sua misericórdia se estende de geração e geração sobre todos os que o temem.

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

14 de Agosto - Vigília da Assunção de Nossa Senhora










O Senhor esteve apenas três dias no sepulcro, logo ressuscitou e subiu aos Céus. A morte da Senhora mais parece também um sono breve. E é por isso que lhe chamam "dormitio" dormição. Antes da corrupção poder lhe tocar o corpo imaculado, Deus a ressuscitou e a glorificou nos Céus. A dormição, ressurreição e assunção da Virgem Santíssima formam o trópece objeto da festa de amanhã. Não tendo o pecado tocado nunca em sua alma puríssima, era conveniente que seu corpo santo fosse isento a mancha do qual o verbo se dignou encarnar, não chegando assim a sofre a corrupção no túmulo.

Epístola

Leitura do Livro de Sabedoria (24, 23-31): Naqueles dias: Cresci como a vinha de frutos de agradável odor, e minhas flores são frutos de glória e abundância. Sou a mãe do puro amor, do temor (de Deus), da ciência e da santa esperança, em mim se acha toda a graça do caminho e da verdade, em mim toda a esperança da vida e da virtude. Vinde a mim todos os que me desejais com ardor, e enchei-vos de meus frutos; pois meu espírito é mais doce do que o mel, e minha posse mais suave que o favo de mel. A memória de meu nome durará por toda a série dos séculos. Aqueles que me comem terão ainda fome, e aqueles que me bebem terão ainda sede. Aquele que me ouve não será humilhado, e os que agem por mim não pecarão. Aqueles que me tornam conhecida terão a vida eterna.

Evangelho do dia:

Leitura do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (2, 27-28) : Naquele tempo: Enquanto Jesus assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram! Mas Jesus replicou: Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam!

Lefebvre, Dom Gaspar. Missal Quotidiano e Vesperal. Bruges, Bélgica; Abadia de S. André, 1960.

sábado, 12 de agosto de 2017

X Domingo Depois de Pentecostes: "Todo o que se exalta será humilhado, e todo que se humilha será exaltado." (Ev.)

O Fariseu e o Publicano
A Liturgia deste domingo procura inculcar no espírito dos fiéis o sentido justo da humildade cristã, que consiste em atribuir a Deus todo o bem verdadeiro e toda santidade. Porque os nossos atos, com efeito, só poderão ser sobrenaturais, isto é santos, se procederem do Espírito que Jesus enviou aos Apóstolos no dia de Pentecostes, e que não cessa de conceder aqueles que humildemente lho pedem. Pelo que a obra da nossa santificação é inteiramente impossível, se tentarmos realizá-la sozinhos. É necessário reconhecer a nossa incapacidade, as nossas más tendências, toda esta gama de coisas mínimas e imponderáveis que não vemos e nos fazem apalpar tristemente a lama original da nossa natureza; é necessário, digo, reconhecer tudo isto, ser humildes, portanto, para sentimos a necessidade de pedir e Deus ter ocasião de nos dar. Porque Deus reconhece longe os orgulhosos e vê de perto os humildes. O orgulho é, portanto, o maior inimigo das almas.

A Igreja desenvolve este pensamento, de modo tristemente realístico, nas lições do breviário. Atália, depois de ter cometido os mais graves atentados contra Deus de Jacó, de Abraão e dos profetas e de ter levado o seu arrojo e o seu orgulho ao ponto de levantar no átrio do templo um altar à Baal, foi lançada numa janela de seu palácio à rua e devorada pelos cães. E Joás, um pobre órfão, descendente de Davi, mas perseguido pela fúria de Atália, que procurava extinguir toda a família real para melhor assegurar a impunidade de seus crimes, foi alçado ao poder com sete anos de idade e dele deixou a Sagrada Escritura este belo elogio:"Joás praticou o que era justo diante de Deus". É que há duas classes de homens, conform diz Pascal: "Os santos que se julgam réus de todos os crimes e os pecadores que não encontram em sim culpa alguma. Os primeiros são humildes e Deus os glorificam, os segundos são orgulhosos e então Deus os abate e os castigam.


Coroação de Joás
 "Deus, segundo São João Crisóstomo, verbera o orgulhoso. Ele submergiu o mundo, queimou Sodoma, destruiu o exército dos egípcios, porque, não tenhamos dúvidas, foi Deus que feriu todos estes povos. Mas, direis vós, Deus é bom e é Pai. Todavia, estas não são palavras vazias, mas fatos que não podemos negar. Ou não foi punido o rico que desprezou Lázaro? E as Virgens tolas não foram repudiadas pelo esposo? O Senhor diz que sim! Ora pelo que o Senhor disse e fez no passado podemos prever o que fará no futuro. Tenhamos portanto sempre diante de nós o rio de fogo as cadeias que rolam, as trevas, o ranger dos dentes e o verme que dilacera. Será o modo mais eficaz de cultivarmos a humildade que nos faz dizer com a Igreja: "Clamei pelo Senhor e ele ouviu-me" (Intr.).

Defendei-me, Senhor, como a pupila dos olhos. Vós vede Senhor, o que é reto e justo (Grad.). Ao senhor elevei a minha alma e nele coloquei a minha esperança. Não me torneis, Senhor, objeto de irrisão para aqueles que me querem mal.

Meditemos além disso na grande lição do evangelho de hoje, do fariseu e do Publicano.

Santo Joás
Epístola

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios (ICor 12, 2-11) - Irmãos: Sabeis que, quando éreis pagãos, vos deixáveis levar, conforme vossas tendências, aos ídolos mudos. Por isso, eu vos declaro: ninguém, falando sob a ação divina, pode dizer: Jesus seja maldito e ninguém pode dizer: Jesus é o Senhor, senão sob a ação do Espírito Santo. Há diversidade de dons, mas um só Espírito. Os ministérios são diversos, mas um só é o Senhor. Há também diversas operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. A cada um é dada a manifestação do Espírito para proveito comum. A um é dada pelo Espírito uma palavra de sabedoria; a outro, uma palavra de ciência, por esse mesmo Espírito; a outro, a fé, pelo mesmo Espírito; a outro, a graça de curar as doenças, no mesmo Espírito; a outro, o dom de milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, a variedade de línguas; a outro, por fim, a interpretação das línguas. Mas um e o mesmo Espírito distribui todos estes dons, repartindo a cada um como lhe apraz.

Evangelho de Domingo:
 Continuação do Santo Evangelho segundo São Lucas. Naquele tempo: Propôs Jesus esta parábola a uns que confiavam em si mesmo, como (se fossem) justos, e desprezavam os outros: Subiram dois homens ao templo a fazer oração: um fariseu e outro publicano. O fariseu, de pé, orava no interior desta forma: Graças te dou, ó Deus, porque não sou como os outros homens: ladrões, injustos, adúlteros, nem como este publicano. Jejuo duas vezes na semana; pago o dízimo de tudo o que possuo. O publicano, porém, conservando-se a distância não ousava ainda nem levantar aos olhos ao Céu, mas batia no peito dizendo: Meu Deus, tende piedade de mim pecador. Digo-vos que este voltou justificando para sua casa, e não outro; porque quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado.
                      (Fonte Missal Quotidiano - Dom Gaspar Lefebvre - 1957)

sábado, 5 de agosto de 2017

IX Domingo depois de Pentecostes: "Não conheceste o tempo da tua visita"(Ev.)

"Não conheceste o tempo da tua visita"
A liturgia de hoje fala-nos dos castigos terríveis com que Deus há de punir os que renegam a Cristo. Perecerão Todos. Nenhum deles entrará no reino dos Céus. Pelo contrário, os que no meio das contrariedades e dos enganos deste mundo permanecem fiéis, serão arrancados das mãos dos inimigos e entrarão com o senhor para a glória do reino.

É o que nos sugere as lições de Matinas, Elias era de Judá e habitava Galaad. Por três vezes saiu o profeta para anunciar aos Israelitas prevaricadores os castigos terríveis e iminentes com que a justiça divina os ameaçavam  por seus crimes. A primeira por causa do escândalo de Acab e de Jezabel que tinha arrastado o povo a idolatria. A segunda devido aos 450 profetas de Baal, que ele fez condenar a morte. A terceira finalmente, ainda contra Jezabel. por tudo isso, Elias foi perseguido e teve que fugir para o monte Horeb, citado por Ocozias, flho de Jezabel a comparecer a sua presença, fez descer fogo do céus sobre os emissários do rei, morrendo todos queimados. Foi, pois como vemos, um paladino terrível dos direitos de Deus. Diz a sagrada escritura que foi elevado aos céus numa carroagem de fogo.



Profeta Santo Elias

"Elias, diz Santo Agostinho, é a figura de Nosso Senhor Jesus Cristo. Foi perseguido pelos judeus, do mesmo modo que o Salvador, o verdadeiro Elias, foi rejeitado e desprezado por eles. Elias separou se do seu povo e Cristo abandonou a sinagoga e chamou para si os gentios." Arrancou Deus a Elias das mãos e da conspiração dos ímpios e arrebatou-o aos Céus num carro de fogo, do mesmo modo que libertou Cristo da espectativa dos seus inimigos e o fez subir ao Céu no dia da Ascensão. O triunfo do Salvador sobre aqueles que o odiavam, figurado pelo triunfo de Elias, deve ser também o nosso triunfo. Mas para isso, temos de permanecer fiéis ao Senhor sob pena de incorrermos dos castigos que vieram sobre os Judeus. São Paulo põe-nos de guarda contra este perigo e convida-nos a meditar na história de nossos pais: "Por que tudo o que sucedeu com eles é figura do que há de vir e foi escrito para nossa instrução, para nós que vivemos no fim dos tempos". No Evangelho os ensinamentos do Senhor, chorando sobre Jerusalém e expulsando do templo os vendilhões, são ainda uma lição de fidelidade. Procuremos assimilar bem estes pensamentos do ofertório, tão belos e tão sábios: "Os preceitos do Senhor são retos e dão alegria as almas: os seus juízos são mais suaves do que o mel puro dos favos. Por isso, ser-lhe-ei fiel.

Epístola



Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios (ICor 10, 6-13) - Irmãos:Estas coisas aconteceram para nos servir de exemplo, a fim de não cobiçarmos coisas más, como eles as cobiçaram. Nem vos torneis idólatras, como alguns deles, conforme está escrito: O povo sentou-se para comer e para beber, e depois levantou-se para se divertir (Ex 32,6). Nem nos entreguemos à impureza como alguns deles se entregaram, e morreram num só dia vinte e três mil. Nem tentemos o Senhor, como alguns deles o tentaram, e pereceram mordidos pelas serpentes. Nem murmureis, como murmuraram alguns deles, e foram mortos pelo exterminador. Todas estas desgraças lhes aconteceram para nosso exemplo; foram escritas para advertência nossa, para nós que tocamos o final dos tempos. Portanto, quem pensa estar de pé veja que não caia. Não vos sobreveio tentação alguma que ultrapassasse as forças humanas. Deus é fiel: não permitirá que sejais tentados além das vossas forças, mas com a tentação ele vos dará os meios de suportá-la e sairdes dela.

Santo Elias

Evangelho de Domingo:

 
Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas.
Naquele Tempo: Aproximando-se Jesus de Jerusalém, ao ver a cidade, chorou sobre ela dizendo: Se ao menos neste dia, que te é dado, tu conhecesses ainda o que te pode te trazer a paz! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos. Porque virão para ti dias em que teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te apertarão por terra a ti e teus filhos, que estão dentro de ti, e não deixarão em ti pedra sobre pedra; porque não conheceste o tempo da tua visita. E, tendo entrado no templo, começou a expulsar os que vendiam e compravam nele, dizendo-lhes: Está escrito: A minha casa é uma casa de oração; e vós fizeste dela um covil de ladrões. E todos os dias ensinava no templo.

(Fonte Missal Quotidiano - Dom Gaspar Lefebvre - 1957)